Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

Regresso sem regressar

Francisco Luís Fontinha 12 Jan 17

Um dia vou regressar

À terra da saudade,

Vou levar,

Na mão,

Um pergaminho de verdade,

Um dia vou regressar

Aos versos da tua canção…

Aos barcos em papel,

E aos papagaios em flor,

Um dia, meu amor,

Um dia vou regressar

À terra queimada

E húmida da madrugada,

Um dia vou regressar

Às marés de encantar

E às palmeiras de amar…

Um dia, meu amor,

Um dia vou regressar

Para nunca mais voltar.

 

 

Francisco Luís Fontinha

12/01/17

A palavra que mente

Francisco Luís Fontinha 11 Jan 17

Tanto faz,

A alegria de morrer

Ou a tristeza de viver,

Tanto faz,

A alegria de escrever

Ou a tristeza de ler…

… o que escrevi sem o querer,

Tanto faz,

Hoje, este corpo de sofrer,

Ausente

Das lápides que a mão não sente…

As palavras do ser,

À palavra que mente.

 

 

Francisco Luís Fontinha

11/01/17

Desalinhadamente só

Francisco Luís Fontinha 2 Jan 17

O sentido proibido da vida

no sonâmbulo silêncio da agonia

a cidade evapora-se na solidão nocturna do sofrimento

como uma lamparina acesa

esquecida junto ao mar

o corpo levita

o corpo exerce o seu esplendor no sexo lunar da Via Láctea

e eu sinto o regresso da dor

misturada com as amêndoas

e todas as rochas da madrugada

habito neste cubículo ensanguentado de ferrugem

que abraça os meus ossos pergaminhos

os famintos dias

nas famintas tristezas

pergunto onde está neste momento a alegria

o sorriso que iluminava o meu viver

sem saber

sem perceber…

os candeeiros do desejo

acredito nos horários primos e primas das constelações incendiadas pelo orgasmo…

e nada é mais complexo do que a vida

em sentido proibido

como a minha.

 

Desalinhadamente só.

 

 

Francisco Luís Fontinha

02/01/17

A infidelidade do desejo

Francisco Luís Fontinha 31 Dez 16

Regressei aos teus braços monótonos da infidelidade do desejo

Regressei às rochas e rochedos do teu sorriso

Apenas por esta noite…

Invento máscaras

Invento o sono antes do pôr-do-sol

E na ausência das coisas perfeitas…

Finjo viver no teu coração

Só quando acordar o amanhecer

As minhas mãos abraçar-te-ão como uma jangada sem vida

Acorrentada à sonâmbula maré da solidão

Regressei

Meu amor

Aos teus braços frígidos no cansaço da noite

A carta escrita enviada à tua morada

Um número insignificante perdido na cidade

Como a morte

Sempre à espera do teu corpo

Meu amor…

 

 

Francisco Luís Fontinha

31/12/16

Lua encarnada

Francisco Luís Fontinha 25 Dez 16

Minha lua encarnada

Subjacente aos lábios da madrugada

Doce manhã ao acordar

Sempre que o meu corpo sente

O cintilar da maré…

O sofrimento da alvorada

Minha lua

Meu amante desesperado

Nas ruelas íngremes da solidão

Minhas mãos ensanguentadas pela escuridão

Nos jardins suspensos do teu olhar

E deixei para ti o meu mar

E deixei para ti o meu coração

Desenhado numa rocha

Que a cidade absorve

Nas tristes e belas calçadas…

Minha lua encarnada

Meu silêncio de nada

Oiço do teu sorriso o sofrido amanhecer

Que em cada poema acordam

E se deitam

Como cadáveres de pano…

Como cadáveres sem viver.

 

 

Francisco Luís Fontinha

25/12/16

As amarras do sono

Francisco Luís Fontinha 18 Dez 16

O som melódico da noite

Misturado nas imagens a preto e branco do sono

O poema alicerça-se no teu olhar

E ancora-se aos braços da paixão

A sorte absorve-me como os rochedos absorvem o teu sorriso

Deitado na solidão

Há delícias do mar voando no teu cabelo…

E as marés da insónia

Poisam vagarosamente no teu peito

Vendi o sono a um transeunte infinito

Que se passeava junto ao cais da despedida…

E penso na morte

Meu amor

E penso na partida

Meu amor…

 

 

Francisco Luís Fontinha

18/12/16

Nos desejos de uma calçada

Francisco Luís Fontinha 15 Dez 16

Os desejos da morte quando acordava

A visibilidade da madrugada,

Os silêncios da sorte, os medos da alvorada

Nos espelhos cansados da manhã sonhada,

E ele chorava,

E ele não sabia

Que um dia,

Cessavam as lágrimas sobre a calçada.

 

 

Francisco Luís Fontinha

15/12/16

Um dia

Francisco Luís Fontinha 14 Dez 16

Um dia vou regressar

Aos teus braços,

Minha terra prometida!

Um dia vou cortar estes laços

Que me aprisionam à maré esquecida…

Sem tocar no mar,

Sem tocar nos teus lábios entre abraços

E multidões em fúria,

Um dia,

Um dia vou regressar

Para nunca mais voltar,

Sentir a lamúria

Dos espelhos prateados,

Um dia,

Um dia vou libertar todos os corpos cansados…

Aos teus braços)

Nos teus abraços)

E não vou chorar,

E não vou brincar…

No teu triste olhar.

 

 

Francisco Luís Fontinha

14/12/16

De nada ter

Francisco Luís Fontinha 13 Dez 16

E se o tempo cessasse de crescer
Como cessam os sonhos em mim
O poço da escuridão quase a morrer
Num qualquer jardim
E se o tempo começasse a chorar
Como choram as minhas palavras
Quando não me apetece escrever
Certamente o poço da escuridão
Não cessava de sofrer…
As roldanas do coração
Empenadas e gastas de caminhar
Sobre a água de chover…
E se o tempo cessasse de crescer
Como cessaram as acácias de viver
O tempo é uma jangada à deriva nas pedras do ser
Um relógio cansado de bater
Horas
Minutos
Segundos…
De nada ter.

 

 

Francisco Luís Fontinha

13/12/16

Montanha proibida

Francisco Luís Fontinha 10 Dez 16

As tuas mãos cansadas

Poisadas no meu rosto agreste

Sentindo o vento imaginário

No meu peito o arado

Semeio as palavras do teu sorriso

E espero pelo regresso…

Das palavras envenenadas

Colho o silêncio verso

Quando o pôr-do-sol acorda sem perguntar

A idade do meu caminheiro…

E no mar

Sou o dono do teu sorriso

Quando invadem a cidade os guerreiros da alvorada

E da calçada

Os rochedos da inocência

Recheados

De alimento

Invento

Invento o beijo argamassado

No destino de criança

Abandonada à nascença…

Os livros que morrem

Sobre as minhas coxas desmedidas e sem sentimentos…

Amanhã nobres ventos

Se vão alicerçar na madrugada

Sem dares conta

Da minha presença

Sem perceberes a minha morada

As tuas mãos cansadas

Os meus dedos entrelaçados no abismo

Que a terra há-de comer

Depois da minha partida

As ruas sem saída

As ruas sem transeuntes enlatados

Pelos carros

Pelas pessoas

E pelos sonâmbulos sem-abrigo

O peso da morte

Quando desce as paredes da montanha proibida

O amigo

Correndo o rio dentro dos calções coloridos

E os teus olhos…

Em mim recolhidos.

 

 

Francisco Luís Fontinha

10/12/16

Sobre o autor

foto do autor

Feedback