Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

Os dias do ódio

Francisco Luís Fontinha 7 Dez 16

Os dias do ódio,
Míseros caminhos, destinos incertos,
Dão-me palavras para semear no vento.
Sou uma caravela em sofrimento,
Um texto disperso…
À procura de alimento,
Os dias do ódio,
Os dias encobertos
No coração deste verso,
Uma jangada abandonada na claridade
Da noite os olhos abertos,
Míseros caminhos, destinos incertos…
Quando o meu corpo chora o luar
Que ficou aprisionado no deserto,
Os dias do ódio,
Destinos incertos,
Míseros caminhos,
Míseros esqueletos libertos,
O sítio da pedra queimada
Onde me sentava…
E esperava
Pelo regresso da madrugada,
O silêncio da espuma na brochura iluminada,
Os dias do ódio…
Nos dias de nada.

 

 

Francisco Luís Fontinha

07/12/16

O triângulo da morte

Francisco Luís Fontinha 6 Dez 16

Todas as palavras voam sobre o mar,

Há-de haver uma gaivota em desejo

Nos vulcões suspensos do prazer,

O fingimento da madrugada

Quando a pobreza habita um corpo cansado de viver…

Há-de haver uma calçada

Nos meandros do beijo,

Uma palavra para escrever

Em cada olhar viciado na cobardia,

Em cada olhar disfarçado de lágrimas solares,

Em cada ensejo

Todas as palavras voam…

Todos os mares correm

E morrem,

Nos corredores em silêncio azulejo,

A cada dia,

Todas as palavras,

Morrem,

Morrem depois do amanhecer,

E na escuridão do ser,

E na mão do ter…

Resta esta árvore de sofrer.

 

 

Francisco Luís Fontinha

06/12/16

Terra do silêncio

Francisco Luís Fontinha 5 Dez 16

Esta terra entranhada nas raízes do Diabo,

Sonolenta quando acorda o Inverno,

E uma lâmina de lágrimas brota do seu coração,

Saboreia as espadas da dor

No término da tarde onde inventa o silêncio do desejo,

Uma enxada poisa na sombra da terra lavrada,

E o vulto de cigarro em cigarro,

Como uma árvore deitada

Sobre a esplanada da paixão,

Dorme docemente…

Esta terra é íngreme como as montanhas do Adeus,

Sem sorriso,

E do cansaço brilham as estrelas da noite…

A casa gélida, triste,

Murmuram os candeeiros a petróleo nas cicatrizes da incerteza,

O absoluto orgânico melancólico cilíndrico…

Que o peso da lua deixa ficar sobre os envidraçados lábios,

Esta terra de beijos e moradas,

Esta terra queimada pelo incenso do amor

Que em todas as horas desperta como uma criança de luz…

Sinto o brilho dos teus olhos

Nas almofadas do desterro,

E as palavras que semeias…

Habitam este Inferno de viver.

 

 

Francisco Luís Fontinha

05/12/16

Socalcos adormecidos

Francisco Luís Fontinha 2 Dez 16

Travestidos medos

que fugazmente atormentam meus segredos,

cansaços abraços nos socalcos adormecidos,

erguem-se na madrugada

os falsos beijos prometidos,

como a janela do amor escancarada…

sinto o peso da espada solar

enquanto escrevo estas palavras no infinito mar,

o corpo esquece

os sonâmbulos acorrentados,

e há na escuridão

uma mão que aquece

o coração…

dos telhados apaixonados.

 

 

Francisco Luís Fontinha

02/12/16

sentimento de amar

Francisco Luís Fontinha 30 Nov 16

minha vida vagabunda

quando mergulhada em madrugadas doentes

umas vezes desapareço no cacimbo corpuscular…

outras sem vontade de navegar

entranho-me na noite imunda

com candeeiros de platina

nesta alma cansada

oiço nas tuas palavras o mar

e o silêncio nos dentes…

que encantam a minha triste sina,

não me peçam para escrever

as palavras do vento,

são ásperas, sonoras e inventadas pela sombra do luar…

sinto no corpo o vergar

das estrelas sobre o meu peito de sofrer

quando o sentimento de amar

quer ver-me morrer…

 

 

Francisco Luís Fontinha

30-11-2016

Aborrecido de ser

Francisco Luís Fontinha 26 Nov 16

Me encontro neste caixote em cartão

Que a vida me deu,

Esta casa fictícia que só as madrugadas absorvem

Nos confins da tristeza,

Amanhã, amanhã uma árvore em despedida

Entranhar-se-á no meu corpo ósseo…

Do esquelético desejo

Entre os beijos desenhados

E os beijos… e os beijos aprisionados.

Sou uma planície sem nome

Mergulhada na solidão dos meus medos…

Me encontro

Neste esconderijo de cartão

Como um sonâmbulo desconhecido,

Triste…

Triste e aborrecido.

 

 

Francisco Luís Fontinha

26/11/2016

Escolho-te

Francisco Luís Fontinha 23 Nov 16

Escolho-te pelas desventuras dos segredos proibidos.

Escolho-te pela vaidade das madrugadas sem dormir,

Quando no horizonte se esconde uma andorinha selvagem, triste, sonolenta…

Escolho-te pelas nuvens de prazer que sobrevoam as cidades desertas, e cansadas.

 

E dos fantasmas as alegrias do teu olhar,

Escolho-te pela luminosidade da alvorada antes de acordar,

Golpeando a terra abandonada,

E fria da solidão…

Escolho-te porque nascem estrelas no teu sorriso de silêncio adormecido,

Quando não vêm as lágrimas do destino.

 

Escolho-te quando na minha mão poisas, brincas, saltitas como uma criança.

Escolho-te nas tempestades do deserto,

Ou nas ribeiras descendo a montanha…

E quando te escolho… acorda o dia no meu relógio sentado à lareira.

 

 

Francisco Luís Fontinha

23/11/2016

Incertezas

Francisco Luís Fontinha 20 Nov 16

Não sei o que fazem estes pássaros desajeitados no meu quintal.

A pobreza tomou conta deles,

Adormece-os enquanto não regressa a noite

E a doçura da paixão sobrevive ao luar,

Alimentam-se do meu cansaço que vive desassossegado na minha mão,

Insiste na nobreza do espaço,

Inventa tempestades de açúcar

Como se fossem nuvens em papel.

O sono é um livro de despedidas,

Palavras à solta nos socalcos da solidão,

O prazer construído na cidade invisível

Que imagina horários abstractos e doentes…

Não sei,

Não sei o que fazem estes pássaros desajeitados no meu quintal.

 

 

Francisco Luís Fontinha

20/11/2016

vozes

Francisco Luís Fontinha 17 Nov 16

vozes

a camuflagem nocturna da paixão

nos meandros do sono anunciado…

os gritos

o subscrito lacrado

que o Doutor recebeu

do dependurado luar

enquanto escrevia

viu

viu o milagre acontecer

desceu as escadas

começou a escrever

sem recordar o espelho que envelheceu

numa tarde de Outono… mais adiante

lembrou-se da corrente

que trazia suspensa no pescoço

morreu

e via

as madrugadas

e a estrela que lhe mente

quando as vozes

vozes

adormecem no caixão

da paixão

vozes…

nas profundezas do poço

que o corpo não sente.

 

 

Francisco Luís Fontinha

17/11/2016

Amoradas

Francisco Luís Fontinha 11 Nov 16

Viajo entre linhas sombreadas

e nortadas,

corpos falidos,

corpos doentes,

palavras enfeitadas de tristeza

nas profundezas da solidão,

viajo entre linhas afogadas

nas defuntas madrugadas,

quando o silêncio morre…

quando o silêncio parte para outras moradas,

a triste fotografia do teu olhar,

a simples canção fundeada no porto da saudade…

um poema inventa-se

e corre

e morre nas amoradas

das simples palavras,

oiço-as,

oiço-as quando dos livros acordam as personagens da noite quebrada

e elas partem para o infinito amor…

sem perceberem a razão de viver.

 

 

Francisco Luís Fontinha

11-11-2016

Sobre o autor

foto do autor

Feedback