Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

Marés de insónia

Francisco Luís Fontinha 10 Abr 15

O cansaço

Das palavras tuas

Que vives dentro de mim

Acordas-me

E manipulas-me

Nas tuas mãos

Sou um boneco de sombra

Um esqueleto envelhecido

Sem tempo para amar

Amado

O sofrimento

O cansaço

Acordas-me

Nas tuas mãos

Sinto a alvorada voando em pedaços de cinza

A alma dos cigarros

Suspensa no meu peito

A vida é um espelho sem nome

Um coração de pedra

Esfomeado

Galgando as ruas desta cidade

Embriagada pelo silêncio nocturno

Dos corpos sobrepostos

Entre paredes

Os gemidos da madrugada

Sentidas

Manhãs em sargaços nevoeiros de espuma

Os teus lábios

Meu amor

Sem sílabas para conversar

Os teus olhos

Despedidos pela sonolência da paixão

Amar

Amar

Meu amor

Sem saberes

Que as cancelas da solidão

Apodrecidas

Viajam

Na morte

E mesmo assim

Dizes que amas os candeeiros de prata

Escondidos nos edifícios anónimos

Dos pássaros de papel

Da morte

As viagens

Entre rios

Mares

E marés de insónia

Apaixonadas lareiras do prazer

Quando o sémen de chocolate

Invade os textos não escritos

Secretos

Sem dedicatória

Meu amor

(O cansaço

Das palavras tuas

Que vives dentro de mim

Acordas-me

E manipulas-me

Nas tuas mãos)

O autógrafo no teu rosto

Para…

Com amizade

Abraço

Beijos

Amo-te?

Talvez sejas um cortinado melódico

Na boca do poeta

Talvez sejas uma metáfora

Entroncada na ferrugem da vertigem

Quando as articulações cedem…

E o extinto luar

Se despede do teu corpo

Ficas louca sobre a cama do saber

E nas personagens invisíveis de mim

Sobre ti

O cansaço

De estar vivo

E olhar-te

Sem saber

Que

Amanhã

Serei um pequeno parágrafo esquecido numa folha de papel…

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sexta-feira, 10 de Abril de 2015

Sobre o autor

foto do autor

Feedback