Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

Cartas não escritas…

Francisco Luís Fontinha 16 Abr 15

O pecado que o amor confere à paixão

Impregnado numa imagem sem som

Dactilografada

Nos teus dedos

À tua boca

A minha boca

O barro incendiado pela alegria das campânulas de luz

Nu

O corpo

Seduz

O corpo seduz a alegria do poeta

Fugir não adianta

 

Não há sítio onde me possa esconder

Nu

O corpo

Seduz

Os homens

Tombando numa parada militar imaginada

Pelo silêncio da tua pele

O sangue fervilha na ribeira ardósia das cansadas sestas

Dentro de casa

O nome gravado na parede da sala

A falsidade manhã

Em despedida

 

Até mais… meu amor

O Tejo embriagado nas tuas sílabas de medo

Belém na minha algibeira

Tormentosa

E vazia

(as gajas não querem gajos tesos)

Eu sei

Meu amor

Que tínhamos encerrado as janelas do prazer

O café esperava-nos

E nunca percebi o teu cheiro

Cheiravas a incenso

 

Alguns livros

E àquele sorriso de inocência

Depois

A tempestade

A chuva disfarçada de má sorte

(as gajas não querem gajos tesos)

Eu sei

Meu amor

No eterno cemitério da fantasia

Sinto-o quando recordo a tua morte

E visito a tua lápide

Meu amor

 

Sem palavras

Fotografia

Esquecida entre uma cruz em madeira

Cabras

O pasto cinzento dos teus gemidos

Ele

Alicerçava-se aos carris do inferno

Beijavam-se

E extinguia-se o dia no sótão da literatura

Sabes

Meu amor?

Cansei-me das tuas cartas não escritas…

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quinta-feira, 16 de Abril de 2015

Coisas & Coisas

Francisco Luís Fontinha 16 Abr 15

Radiografia de orgasmos

Acompanhando os ossos do sofrimento

Descem à tua mão os lábios

Que o beijo pintado

Nas veias do vento

Escreve na caneta de tinta permanente

As palavras

As palavras que não consigo dizer

Porque a minha boca

É uma prisão

Em sabão

Sem nunca ter regressado

 

Às coxas

Tuas pinceladas coxas

Meu amor

Ou não meu amor

Tanto faz

Na minha idade

Ser amado

Amar

Ou… um palhaço pintado

No olhar da serpente de ferro

Nas sombras de Lisboa

Meu amor

 

Ou não meu amor

Amo

- A mim?

Amo Lisboa e o seu rio

Os marinheiros embriagados pelo fado nocturno do silêncio

A morte da guitarra

Meu amor

Ou não meu amor

Eu

Perdido

Numa estrada curvilínea

Assassina nas horas vagas

 

Faz uns bicos

Gama umas carteiras vazias

E foge

Leva os filhos e os não filhos

Leva as sebentas

Recomeça o curso

Uma treta

Comparando um curso

Com… com a tua letra

Das cartas rejeitadas

Meu amor

Ou não meu amor

 

A música cansada das tardes de Domingo

A fotografia da Igreja junto à lareira

Ouvia o sino enquanto lia no quarto

Três da madrugada

Tu à janela desenhando cigarros na fome melancólica da paixão dos pássaros e dos peixes desta ilha funda e deserta, coitados dos homens apaixonados, compram livros, vestem as personagens de noite

E

Engate

O automóvel alicerça-se ao asfalto do prazer

Lá dentro

Gemem poemas

E engate

Às três da tarde

 

Consultório

A clínica esperando o engatado

Uma coisa simples

Bom homem, culto, esbelto… e… uma coisa simples

A liberdade de amar

A liberdade de ser amado

Ou

O engate

Odiado

Como as candeias da prisão de Caxias…

E coisas

Coisas de coisas.

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quinta-feira, 16 de Abril de 2015

Sobre o autor

foto do autor

Feedback