Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

O calcinado olhar

Francisco Luís Fontinha 7 Set 15

“Fodias-me” com todas as letras do alfabeto, espetavas-mas no meu corpo calcinado pela madrugada desalinhada, imprimias no meu olhar a poesia emagrecida do silêncio, e nunca ouvi de ti

- Amo-te,

E nunca ouvi de ti um único lamento, uma sílaba prisioneira nos meus tristes lábios, uma grade imaginária pertencendo ao terceiro esquerdo, amo-te,

- Nunca a ouvi de ti, pertencias aos míseros esqueletos da solidão, às flores fotografadas numa noite imaginária, algures em cinco de Setembro, e sabia que o dia nasceria contigo nos meus braços, não, não diria que…

- Amo-te,

Porque não, meu amor, se junto a nós habita a escuridão dos olhos pintados numa parede envelhecida pelo tempo, pelos insectos, pela paixão de

- “Fodias-me”,

Regressava o circo, embrulhava-me nos palhaços como uma criança se embrulhava no esqueleto cobertor, tinha frio, tinha fome e tinha a saudade duma terra esquecida sobre uma secretária, “fodias-me”

- Na noite, “foder ou não foder ou ser fodido”, tanto faz, neste mundo, neste Universo em pedaços de suicídio, escondia o cortinado do prazer, desenhava orgasmos nos teus seios

- Sem o saber, queria ser o paquete que me trouxe de Luanda, queria ser o capim em soluços derrubado pela fúria do sonho, amo-te, sem o saberes,

“Fodias-me” na Ponte para Eternidade, “fodias-me” enquanto eu lia Fernão Capelo Gaivota, sem nome, sem idade, sem casa ou paixão para abraçar, e no entanto, “fodias-me” com todas as letras do alfabeto, espetavas-mas no meu corpo calcinado pela madrugada desalinhada, imprimias no meu olhar a poesia emagrecida do silêncio, e nunca ouvi de ti, o sono, novamente o sono, o sonho, novamente o sonho…e o esquecimento, novamente o esquecimento…

 

(………………)

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Segunda-feira, 7 de Setembro de 2015

Sobre o autor

foto do autor

Feedback