Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

Mar florido

Francisco Luís Fontinha 3 Out 15

E depois…

Vem o teu corpo que se transforma em mar,

Água salgada das lágrimas teu olhar,

E depois…

Os beijos congelados nos corredores da melancolia,

A saudade vestida de nada,

O sangue embriagado quando… e depois…

Vem o teu corpo,

Em mim,

De mim…

O eterno apaixonado sem destino,

Sem caminho

E perdido,

Eu,

Eu menino…

Sem palavras,

Eu,

Eu menino…

Ancorado ao teu sorriso,

Este meu corpo,

Um jazigo sem telhado

Na montanha da saudade,

Eu,

Eu menino…

Não desejado,

Quando vem o teu corpo que se transforma em mar,

As lágrimas,

Amar sem saber que o amor…

Nada tem para me dizer,

As lágrimas,

Sem saber que o amor são quatro letras rasuradas,

Dormem,

Sonham…

E estão vivas em todas as madrugadas,

Como eu,

Sofrendo,

Como eu…

Sorrindo das tardes amarguradas,

Como eu,

Sofrendo,

Nas noites desenhadas,

Em mim,

E de mim,

Todas as palavras não chegam para te dizer…

Amo-te,

Desejo-te,

Quero-te…

Dentro desta circunferência sem tino,

Só,

Triste,

Sonolenta cama dos abutres,

Desvairado sono na copa das árvores,

Amo-te,

Desejo-te,

Quero-te…

Este meu mau feitio,

Sem fechaduras ou janelas para o Tejo,

Não quero,

Não o quero…

O amor florido nas páginas de um livro,

Sofrido,

Emagrecido pelos anos perdidos…

Canso-me da poesia e do amor e da paixão… e do cubo

Esquecido numa ruela sem portas de entrada,

À noite sinto-te saltitando sobre mim,

A candeia sonífera da canção…

Não morre,

Não ama,

Não come o derradeiro pão,

Como o teu coro,

No meu corpo,

Em… em combustão.

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sábado, 3 de Outubro de 2015

Sobre o autor

foto do autor

Feedback