Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

O álbum de fotografias dos teus ossos

Francisco Luís Fontinha 1 Nov 15

A morte das palavras num qualquer musseque da insónia, as cinzas dos poemas disfarçadas de sanzala sem dono, destino ou incómodo de sobreviver à pobreza, o exilado texto além-fronteiras, os gritos, os gemidos da noite entre siderais e abstractos retractos e o espelho do quarto, depois vem o amor, depois vem a paixão, e nada mais do que isso

Ou morte, de ti, às primeiras horas da madrugada,

Odeio a noite, e nada mais do que isso nos nossos corpos, a distância das palavras, mortas, numa lápide de saudade e o eterno amor, depois, ele, partiu para as incandescentes ruelas do inferno, embrulhou-se nos lábios do sofrimento, tombou no pavimento

O espelho, cansado desta imagem prateada,

Tombou no pavimento como se fosse uma abelha a ancorar à colmeia do sexo, o orgasmo poético, a ejaculação da prosa em pequeníssimas lâminas de esperma, e eu… sofrendo com a tua ausência programada, hoje, acordei acreditando que estavas vivo, entre mim e em mim, olhei-te, perguntei por ti

E o espelho fantasiado de vergonha, a alvorada não nasce, o dia promete ser uma abstracta palavra, mota,

Perguntei por ti, ouvia-te longinquamente sobre as árvores do nosso jardim, e os pássaros poisados na nossa sanzala, o álbum de fotografias dos teus ossos, e percebi que brincavas entre mabecos e gaivotas embalsamadas pela tristeza,

Palavra, morta, ninguém à nossa porta,

Pela tristeza e pelo silêncio… marchar, marchar…

Fui, desisti…

 

(ficção)

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Domingo, 1 de Novembro de 2015

Sobre o autor

foto do autor

Feedback