Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

Então, pá?

Francisco Luís Fontinha 1 Ago 15

desenho_31_07_2015_2.png

 

(desenho de Francisco Luís Fontinha)

 

Escondo-me nesta cidade de sombras, vou à janela e oiço o fogo das imagens prateadas no corpo inabitado, preciso de ver o mar, os barcos, os corações acorrentados à geada, escondo-me

- Acordei nas alegres palavras do silêncio folheando fotografias embainhadas nas bocas sonolentas da madrugada, fui ao espelho, do meu esqueleto saltitou a paixão, percebi que o amor… é uma estrada infinita,

No cais assombrado pelas palavras, sinto o cigarro do meu sonho, escrevo pensando que o sono é um espelho de algas finas, frágeis, quebradiças quando da tempestade,

- Então pá?

Nada,

Amanhã o perfumado piloto da minha jangada,

- Então pá?

Não o sei, tinha na mão a sangrenta visão das serpentes da noite, sabia o meu nome, percebia que eu era apenas uma pedra em granito, frio, cansado das horas travestidas de medo e lágrimas, cinco minutos debaixo de uma árvore que aos poucos fui travando amizade, hoje

- Uma amiga vestida no Verão e nua no Inverno, são assim, as árvores do meu jardim, belas, fingidas de verde correndo os Musseques da forca,

Hoje, Musseques da forca, ruas enganadas pelo Tejo, recordo os Cacilheiro de lábios pintados e de mini-saia, e eu…

Escondo-me,

Parto para o sofrimento andaime das flores gigantes, a loucura encurralada nas ruas de Lisboa, ela ama-me

- Areia fina, rochedos cinzentos afagados nos meus braços, desço a Calçada, encontro-te na infinita poesia da manhã, o café recheado de promessas, amo-te,

Os amigos ao longe, olhavam-me, fotografavam-me com as mãos calejadas da velha espingarda com balas de papel, ria-me, chorava, perdia-me

- No teu corpo, entardecia nos teus seios,

Então pá?

Desciam as nuvens sobre o teu cabelo, escondia-me nas tuas coxas, e nem tu, e nem eu, sabíamos que um dia chegaria a saudade, então, pá?

Nada,

No teu corpo, a prisão inventada por um louco verdadeiro, como o circo, eu sobre um arame invisível, corria, agachava-me nos teus lábios, as estrelas, as ruas, as casas, as “putas dentro das casas”… Então, pá?

Todos os vidros da janela do amor entre beijos na estrada infinita…

- Então, pá?

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sábado, 1 de Agosto de 2015

Sobre o autor

foto do autor

Feedback