Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cachimbo de Água

MENU

O menino de Luanda

Francisco Luís Fontinha 9 Jan 16

O silêncio olhar

Submerso na tempestade do fugitivo,

A vida sem sentido,

A vida… a vida encurralada numa ruela escura,

Triste,

Triste como as serpentes da paixão,

A luz da solidão

Nas engrenagens do desejo,

Depois… depois o beijo,

A caricia entranhada no cansaço corpo,

Nu,

Ao vento

Como uma bandeira sem Pátria,

Os gonzos da infância

Quando acorda o dia e os teus lábios pertencem às nuvens prateadas,

Tão simples

O silêncio olhar

Na boca do narciso…

O desassossego da alma

Na morte de ninguém,

Vegetativo o estonteante rio dos amores,

As floreiras sós,

Sem ninguém,

A vida sem sentido…

Triste,

Não,

Não sei amar um morto-vivo,

Não,

Não sei escrever na montanha do passado,

Tínhamos gaivotas,

Frango assado,

E felizes que éramos,

Com duas côdeas de pão

E um olhar de madrugada,

Amor,

Amor,

Desgraçada… a vida, a calçada,

Corro,

Desço,

Embriago-me nos teus seios,

E permaneço

Um esqueleto de vento,

Uma ténue limalha de sémen…

Não,

Não sei amar…

Amar é complicado,

Difícil,

Acordar,

De manhã

E tu não estás nos meus lençóis de pergaminho,

Fujo,

Escondo-me…

Viva o vinho,

A vinha,

E todas as amendoeiras em flor…

Corre, corre seu safado cliente dos nocturnos abismos,

Nunca tive sorte,

Nunca amei uma pomba,

Um papagaio em papel,

Uma praia,

Uma mangueira,

Uma criança procurando brincadeira,

Eu,

O menino de Luanda.

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sábado, 9 de Janeiro de 2016

2 comentários

De Menina Marota a 09.01.2016 às 22:56

 Emocionei-me a ler este poema. Luanda foi a minha casa de infância.
Saudades... Saudades... 



De Francisco Luís Fontinha a 10.01.2016 às 13:41

Obrigado.
Francisco.

Comentar post

Sobre o autor

foto do autor

Feedback