Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

...

Francisco Luís Fontinha 2 Ago 16

(…)

 

Triste?

Que algo de triste ia acontecer, e aconteceu, e.… senti-me ténue nas mãos garras da gaivota sem nome, pediram-me a certidão de nascimento, acanhadamente respondi-lhes que não a tinha, que nunca a tive, porque

Sou,

Sentia-lhe o cheiro da naftalina nas roupas emagrecidas, e eu

Sou, sou um apátrida com dentes de marfim, e eu, eu sabia que morreria como um rio de encontro ao mar, que morreria como um barco encalhado num velho quintal de um velho bairro onde habitavam velhas casas, com velhas árvores, onde viviam velhos

Sou,

Pássaros como bolas de naftalina, como beijos prometidos e nunca dados, como beijos perdidos na avenida longínqua da saudade, e sentia-te sentir na minha mão os teus velhos lábios, os teus lábios inventados pelo batom encarnado, e de uma roulotte ouviam-se-lhe os gritos da distância, no oitavo andar sentia-lhe os sons amorfos encurralados na janela de porcelana, ele chorava entre as linhas do velho, também ele, do velho

Caderno quadriculado?

Um lindo poema morre, e sou, sentia-lhe o cheiro da naftalina nas roupas emagrecidas, e eu conversava com as também velhas sombras de Deus, e de nada percebia, queríamos conversar e não tínhamos todas as palavras necessárias, Deus imaginava-me um louco vestido de andaime suspenso num oitavo andar da memória, Deus queria-me e eu sentia-lhe os sonoros melódicos suspiros do velho piano de cauda, um livro estava com febre, uma mão agachada no capim, tristemente agoniada... mão, não tinha força para se levantar, para gritar, para chamar os velhos pássaros que viviam nas velhas árvores no velho quintal,

Caderno quadriculado?

Sou,

Sou, sou um apátrida com dentes de marfim, e eu, eu sabia que morreria como um rio de encontro ao mar, que morreria como um barco encalhado num velho quintal de um velho bairro onde habitavam velhas casas, com velhas árvores, onde viviam velhos meninos, e que vestiam velhos calções e calçavam velhas sandálias... e nas mãos

Nas mãos velhos papagaios em papel pardo,

E nas mãos sentia-lhe o nome “pai”, e ele percebia o meu choro, as minhas lágrimas, como percebeu muito mais tarde o meu sonho...

Outros espiavam-nos juntos às bananeiras com quatro cadeiras e um círculo de sombra, fervíamos um no outro, e outros, e outras, aos poucos apenas o silêncio do teu corpo fervilhando entre os meus dedos, outros, e outras, aos poucos o teu púbis vulcânico descia a montanha do Adeus, e cada vez mais longe

Fervilhando,

Fervíamos,

Deixávamos os meninos em volta de pequenas poças de água, tinha chovido, a terra cheirava a fogo, e o céu começava a clarear como acontecia com as janelas da velha barcaça que nos levava até ao paradisíaco Mussulo, eu, eu amava-o, e tu, tu apenas encolhias as pernas, e sobre ti um lenço de desejo te absorvia, flutuavas como uma abelha dentro da cubata, rodavas em pequenos círculos trigonométricos, e dos teus lábios um líquido amargo com sorriso de co-seno desenhava-te na face esquerda uma parábola, a equação descia-te até enrolar-se nos teus tornozelos de areia branca, palmeiras e outros, e outras

Fervilhando,

Fervíamos,

E outras melodias esperavam no cais pelo desejado embarque, deixei-te para nunca mais poisar-me sobre ti, voando, eu, eu ainda tentei..., mas caí sobre o Oceano, mergulhei acreditando encontrar-te lá muito no fundo, mas

Fervilhando,

Pedras e nada mais,

O pôr-do-sol era triste, fervilhavas nos meus longos dedos, e os teus gemidos alimentavam todo o espaço vazio da cubata, não tínhamos sequer onde poisar uma gotícula de sémen, não tínhamos sequer onde deixar suspenso na madeira misturada com zinco o crucifixo que tínhamos trazido do outro lado da cidade, antes de partirmos, antes de te deixar sobre o cais..., e quando percebi

Fervilhando,

Pedras e nada mais,

Percebi que tinhas desaparecido entre o cacimbo e a saudade, percebi que tinhas zarpado como a nossa velha barcaça, procurei por ti, inventei desculpas, cheguei a descer às profundezas do Tejo, entrei em Cais do Sodré, bebi, embriaguei-me, dancei sobre mesas e cadeiras, cambaleei até Belém, atravessei os carris e sentei-me junto ao rio..., fervíamos como líquidos amargos na imensidão dos botões de rosa, alguns bravios, outros, outros mórbidos, outras..., outros sem vida, e nada, e ninguém, nem sequer um simples peixe... para me informar do teu paradeiro, percebi que a nossa cubata tinha ardido, anos mais tarde, percebi que o teu corpo tinha crescido, mudado de forma, percebi que estávamos velhos, como o espelho da casa de banho, quando hoje me olha e diz-me

Fervilhando,

Fervíamos,

E eu, eu... no cais pelo desejado embarque...

Como ser feliz quando não se é feliz, como, como acreditar... como confiar... como?

Sendo,

E apenas, voando como as nuvens de chocolate na boca das crianças, como, sendo, as proibidas manhãs com Sábados invisíveis, acreditando?

Sendo, parecendo ser e não o ser, esperar, esperar, só, sentado, num banco em pedra, frio e húmido, de esqueleto quebrado, os ossos acabados de submergir das profundezas vozes sem as ditas

Palavras?

As loucas palavras?

Sendo, eu sei, voando, se eu soubesse, voava dentro de ti, teu corpo de magnólia com perfume a desejo, e ficando, e deixando

As loucas palavras?

Como retirara venda dos olhos, se ela, se ela é de aço maciço, como cordas de sisal suspensas do céu, servindo, como acreditando, apenas para acolher com doçura as velhas e cansadas árvores, as alegres e as tristes, como nós, e apenas, voando, e sendo, como tu, sofrendo como tu, apenas, assim.… como as algibeiras da noite rompendo a madrugada e pintando o sobejante com acrílicos em cadáveres, quase a serem enterrados vivos na fogueira, sendo, acreditando e

Palavras?

As loucas palavras?

Sofrendo, e ardendo em ti quando transportas contigo a fogueira inventada numa noite de Inverno, quando sentados, nós, desenhávamos o fogo nas paredes do escritório, como acreditar?

Acreditando,

E

E como confiar?

Confiando,

Não o sei, apagando esse fogo, ouvindo a música das plantas, simplesmente... ouvindo e sonhando e

Acreditando?

Deixara de chover, a máquina de lavar roupa pifou uma vez mais, constipação, ou

Fígado,

Ou

Talvez não,

Não temos tempo para despedidas, Pedro, O senhor Alberto para o filho que parecia uma abelha em círculos de luz às voltas do avô João, o carro pronto a avançar estrada fora, recheado de pequenas miudezas, batatas e couves, chouriços e presunto, pão de milho, e o Opel Kadett de 1964 aos soluços como os bebés depois de nascerem enquanto aguardam a chegada do babado pai e a enfermeira

É um menino,

Fígado,

Ou

Talvez não,

O pai retractava o filho com imagens a preto e branco, no tornozelo uma fitinha azul com o nome e o dos progenitores, e se fosse hoje, e se fosse hoje juro

Pifou

E deixara de chover.

 

In “Noites de mim”

 

Francisco Luís Fontinha

A noite sem rumo a noite sem vela

Francisco Luís Fontinha 27 Jul 16

O vento a leva

O traz o vento depois da geada

Nos lábios da cegonha

As tuas palavras ofendidas

Nos miseráveis finais de tarde

Junto ao rio…

O silêncio do mar

Encastrado nos teus seios de espuma

O branco da tela

Sobre os lençóis da despedida

O vento a leva

O traz o vento…

Os socalcos do douro dançando numa velha esplanada…

E dos teus braços

As minhas mãos ensanguentadas

Putrefactas nos jazigos de pedra

O vento

Meu amor

O traz

A leva

Até ao pôr-do-sol

Se deitar no teu cabelo

O vento a leva…

O traz o vento…

A noite sem rumo

A noite sem vela.

 

 

Francisco Luís Fontinha

Quarta-feira, 27 de Julho de 2016

menino rabelo

Francisco Luís Fontinha 24 Jul 16

menino rabelo

galgado o rio até ao mar,

traz nos lábios a saudade

e nas mãos palavras de amar,

desembarca na cidade

com dois caixotes em madeira…

menino rabelo

que se deita junto à ribeira…

descalço e sem vaidade

o menino abraça-se à madrugada

como uma barcaça assombrando a alvorada,

menino rabelo

galgando socalcos de papel

e rochedos de cartão…

menino sem destino

que transporta no coração

um livro de mel,

menino rabelo

menino sem medo

das falanges de poeira…

menino que acorda cedo

o menino rabelo

menino que brinca na eira.

 

Francisco Luís Fontinha

domingo, 24 de Julho de 2016

o dependurado

Francisco Luís Fontinha 17 Jul 16

o homem da guitarra inventando sons na noite envergonhada

algumas moedas

alguns sorrisos

e mais nada,

 

o artista pintava aplausos na tela nocturna do silêncio

mas os transeuntes pareciam estátuas encapuçadas

escondidas na penumbra

regressavam as sombras

regressavam as lamentações em pequenas orações

e mais nada…

 

o dependurado senhor…

de guitarra em punho

disparando balas contra o coração das pessoas…

 

o amor frequentava a rua

alguns sem-abrigo

e desapaixonados

como pedaços de sucata

enferrujada

barcos de brincar

praias de sonhar…

e o dependurado

solitário

cansado de chorar

e mais anda

e algumas moedas.

 

Francisco Luís Fontinha

domingo, 17 de Julho de 2016

15 de Julho

Francisco Luís Fontinha 15 Jul 16

desce a noite o desfiladeiro dos sonâmbulos

e entranha-se no meu corpo desconhecido

abstracto

e delirante pelas tempestades de azoto,

 

o sono é uma incógnita adormecida

triste

e vagabunda

nos lábios da paixão,

a cidade morre nas mãos de uma criança

como se existisse um esqueleto em papel

com todas as minhas palavras

ossos,

ossos

e finas sombras em marfim ao cair da tarde

e renasce o livro no meu peito

ensanguentado pela espada da saudade,

 

finjo a morte,

 

tropeço nos silicatos beijos que a maré me trouxe…

sinto o barco da solidão poisado no teu cabelo

e todos os marinheiros da minha rua

embriagados pela tua beleza…

 

finjo a sorte,

 

finjo a morte desenhada na areia

pelas coxas do silêncio

finjo a sorte desterrada no xisto esquecido na montanha…

 

(desce a noite o desfiladeiro dos sonâmbulos

e entranha-se no meu corpo desconhecido

abstracto

e delirante pelas tempestades de azoto)

 

e a loucura absorve-me.

 

Francisco Luís Fontinha

sexta-feira, 15 de Julho de 2016

Espelho da saudade

Francisco Luís Fontinha 12 Jul 16

Que te dizer hoje

Se amanhã não estarei aqui…

De que me servem os pássaros e as flores…

Se amanhã não estarei aqui,

 

E se amanhã não estarei aqui…

De que me servem estas palavras…

 

E este cansaço com sabor a despedida.

 

Que te dizer hoje

Se amanhã é outro dia,

Uma cópia imperfeita do dia de hoje…

Uma cópia perfeita do dia de ontem,

Nada te direi,

Porque amanhã estarei noutro lugar,

Porque amanhã serei apenas uma fotografia…

Negra,

Disforme, doente,

E este cansaço com sabor a despedida…

Uma cópia,

Uma cópia do espelho da saudade.

 

Francisco Luís Fontinha

terça-feira, 12 de Julho de 2016

junto ao Tejo

Francisco Luís Fontinha 3 Jul 16

deixei de ouvir a tua voz

e os sussurros da madrugada

sento-me na tua ausência programada

enquanto o dia tem o seu término nas tuas mãos de fada

nos rochedos

as vírgulas da inocência

entre cigarros e medos

deixei de ouvir o teu olhar

nas paredes deste velho quarto sem janela para o mar

deixei de pertencer à vida

e às montanhas do silêncio

e aos abrigos da escuridão

este insignificante relógio de pulso

entre pulos e soluços

entre pedras

e terra fértil onde brincas em todos os finais de tarde

deixei de ouvir a tua voz…

junto ao Tejo.

 

Francisco Luís Fontinha

domingo, 3 de Julho de 2016

Sonâmbulo embriagado

Francisco Luís Fontinha 1 Jul 16

Pego nas cartas que me escreveste,

Algumas, sem nexo, sem anexo…

Pego nas palavras que nunca tiveste a coragem de lapidar nos meus lábios,

E coloco-as na tela da saudade,

Invento nos teus beijos a poesia do sonâmbulo embriagado,

Quando o vento o faz tropeçar na calçada,

E acorda debaixo da sombra nocturna do Adeus…

O mendigo apavorado,

Apaixonado desde criança,

Que as palavras das tuas cartas…

Transformaram em veneno amargurado,

Nas mãos do soldado amordaçado.

 

Francisco Luís Fontinha

sexta-feira, 1 de Julho de 2016

O travestido cinema de Bairro

Francisco Luís Fontinha 29 Jun 16

Entre as linhas do silêncio

As ânforas madrugadas sem mim

O óbvio segredo das serpentes de granito

Antes do regresso do pôr-do-sol…

A limalha lágrima

Sufocando o rosto da Princesa

Os limites da equação do desespero

Voando sobre os telhados envidraçados

Das mulheres desejadas

O beijo feitiço

Os lábios denegridos da solidão dos dias embriagados

Que apenas eu consigo observar numa cidade sem nome…

Entre carris de esperma

A locomotiva da solidão

Descendo a montanha

Os apitos da loucura

Nos lençóis esquecidos numa qualquer cama

Desertas ruas envenenadas

À porta do cinema…

Simplifico-me

Travisto-me

E para nada…

Não passo de um sonâmbulo

Filho da alvorada.

 

Francisco Luís Fontinha

quarta-feira, 29 de Junho de 2016

Sobre o autor

foto do autor

Feedback