Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

Outono em flor

Francisco Luís Fontinha 10 Out 17

O corpo pincelado de noite,

Quando da noite regressam as barcaças do Inferno,

Não trazem destino,

Como no Inverno,

O menino…

O menino recheado de luz e incenso verbo,

Lá fora chora uma flor,

Um pequeníssimo poema morre de dor…

E o menino em febre, cansado da flor,

Deita-se sobre o orvalho imaginado pelo seu progenitor,

Prometo conquistar todos os ossos do teu corpo,

Prometo desenhar no teu corpo a sombra da revolta,

E que nunca mais volta,

Às escadas do sofrimento.

Oiço o teu lamento,

Os teus gritos contra os cortinados da Primavera…

Oiço o Outono na tua mão tão bela,

Quando a barcaça,

Em passo acelerado,

Bate contra os rochedos da desgraça…

E o menino,

Coitadinho…

No chão sentado.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 10 de Outubro de 2017

Beijos em flor

Francisco Luís Fontinha 31 Jan 15

Pintura_55_A1_Nova.jpg

(desenho de Francisco Luís Fontinha)

 

 

Roubaste-me o sorriso nocturno dos beijos em flor

pegaste nas minhas palavras e transformaste-as em solitárias andorinhas

depois

trouxeste a Primavera

e o amor

do poema

de amar o poema

e sentir no peito as equações do destino...

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sábado, 31 de Janeiro de 2015

 

Sombras de aço

Francisco Luís Fontinha 25 Dez 14

Os orgasmos poéticos

quando do chão esfomeado

se levanta

a matriz

ouvem-se as vozes disformes das andorinhas em flor...

ouvem-se... as sombras de aço nos lábios de uma abelha!

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quinta-feira, 25 de Dezembro de 2014

Arcadas em flor

Francisco Luís Fontinha 30 Jul 14

Não sei porque chora,

este granito das arcadas em flor,

porque se cansa esta cidade...

porque morre este amor,

se a noite não vai acordar,

e a tarde,

e a tarde teima a alicerçar-se nos lábios da dor,

não sei porque chora,

este granito sem cor,

que no cansaço mora,

que dos abraços inventa as palavras de amar,

quando se dissipa no teu corpo o silêncio grito...

não sei porque chora,

este granito em teu olhar,

esse corpo fervilhando em desejo,

não o sei, agora,

se esse granito é luar...

ou... ou se é um beijo,

não o sei...

porque chora este granito das arcadas,

em flor semeados os seios da alvorada,

este granito das madrugadas,

que um dia desenhei,

e hoje, e hoje não é nada.

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quarta-feira, 30 de Julho de 2014

o corpo malfadado

Francisco Luís Fontinha 17 Nov 13

foto de: A&M ART and Photos

 

Inventei o cansaço

o tédio

e a dor

inventei os palhaços em aço

o remédio

e o amor

fui amado

desamado

e dissecado por um doutor

inventei as amendoeiras em flor

os guindastes em movimento

e o vento

 

(fui filho

sou filho

e continuarei a ser... filho)

 

inventei o cansaço

o tédio

e a dor

tive palavras reescritas em muros em xisto

sou pai dos profetas falhados

inventei o livro da noite com holofotes embriagados

fui drogado

fui homem deambulando nos silêncios das montanhas amoreiras

fui desempregado

cristão

e baptizado

inventei-me homem e sou um livro sem coração

 

inventei-me sabendo que tu me inventavas

inventei a palavras que tu me odiavas

inventei o cansaço

o abraço

e os lábios com sabor a mel

tive pássaros com asas em papel

inventei-me dentro de uma nuvem imaginando que me abraçavas

tive tudo

tive tudo e não tenho nada

fui infeliz

feliz

cadeira de esplanada

 

(fui filho

sou filho

e continuarei a ser... filho)

 

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha – Alijó

Domingo, 17 de Novembro de 2013

Margaridas (flor) envenenadas

Francisco Luís Fontinha 12 Jan 13

Os homens sonoros, que de casa em casa, que, que de jardim em jardim, arbitrariamente prendiam as inocentes palavras que um louco com asas de vidro e olheiras gelatinosas, escrevia nas paredes transparentes dos pilares de areia, morreram, desapareceram nas veias lilases das pétalas em flor, morreram, evadiram-se com éguas em cio correndo sobre o verdejante pasto, húmido, sombrio, os homens, sonoros, que de casa a casa, porta a porta, impingiam rádios a pilhas, lanternas pornográficas, revistas com gajas nuas, que ele vendia num quiosque junto à rotunda das margaridas (flor) envenenadas pelo tesão da chuva esfomeada

Comprávamos três revistas, religiosamente encerradas dentro de um saco plástico, por vinte e cinco escudos,

Da chuva esfomeada vêm-se as estrelas de prata que cobrem o tecto da aldeia com sabor a laranja de S. Mamede de Ribatua, laranja saborosa, conhecida mundialmente, bonita, a moça, da chuva

Dávamos-lhe os vinte e cinco escudos com direitos adquiridos, uma voltinha às revistas, e posteriormente

Revendidas separadamente, aprendi que comprando um maço de cigarros e vender os cigarros a avulso podia ganhar alguns escudos, não muitos, alguns, economia paralela, entre os carris do comboio com destino a Santa Apolónia, e derretiam-se os corações de açúcar quando olhávamos o Tejo vestido de pérola-mármore à porta do Texas em Cais do Sodré,

Até,

Até que

Comprávamos três revistas, religiosamente encerradas dentro de um saco plástico, por vinte e cinco escudos,

Da chuva esfomeada vêm-se as estrelas de prata que cobrem o tecto da aldeia com sabor a laranja de S. Mamede de Ribatua, laranja saborosa, conhecida mundialmente, bonita, a moça, da chuva

As farpas zangadas das moças enfeitadas com os ramos de amêndoa e chocolate, doces elas, as margaridas envenenadas pelo tesão da chuva esfomeada, uma resma de cartas de amor alicerçadas ao fantasma das Índias com um lacinho de cetim no pescoço esguio da jovem escritora do amor complexo das revistas pornográficas, lindas elas, não as revistas, mas, quando abríamos as janelas do compartimento onde nos escondíamos, ouviam-se, ouviam-se pedaços de areia nas mãos dos pássaros de pedra doirada, que o sol incendiava no final da tarde, até que

Até

Comprávamos três revistas, religiosamente encerradas dentro de um saco plástico, por vinte e cinco escudos,

Até que o destino entrava em nós, despíamos-nos em frente a um espelho de saliva com floreados de zinco, ela sorria, eu sorria, os velhos altares com crucifixos de prata, também, também sorriam, e eu acreditava que o amor era como as flores do jardim do quintal de Luanda, e eu pensava, pensava que

Até que,

Até

Que o amor era como os papagaios de papel que construí e depois incendiava no compartimento de sombra que em cada mangueira se erguia, até que

Desaparecia o Sol,

Até que

Desaparecia o vento,

Até que, desaparecer ao invés dos inocentes dentes de marfim do crocodilo de madeira que ainda hoje dorme sobre a mesa da sala de estar, sentado, deitado, e em noites de geada

Embrulho-me nas fotografias a preto e branco com sabor a Luanda,

Até que

Desaparecia o mar onde viviam as meninas das tranças loiras de arame prateado, descia a noite e vinham-se as estrelas de prata que cobrem o tecto da aldeia com sabor a laranja de S. Mamede de Ribatua, laranja saborosa, conhecida mundialmente, bonita, a moça, da chuva

Dávamos-lhe os vinte e cinco escudos com direitos adquiridos, uma voltinha às revistas, e posteriormente um dos homens sonoros desligava a luz dos sonhos,

Terminávamos sentados sobre um fénix remoinho de terra queimada depois das chuvas envergonhadas pela sal-gema moça de coxas emagrecidas pela fome estrelar, depois os outros homens sonoros pegavam numa enxada pintada pelo suor dos homens não sonoros que por medo apenas respondiam sibilante sim, sibilante não, sibilante não sabemos, sibilante talvez covardemente

Até que,

Até que o destino entrava em nós, despíamos-nos em frente a um espelho de saliva com floreados de zinco, ela sorria, eu sorria, os velhos altares com crucifixos de prata, também, também sorriam, e eu acreditava que o amor era como as flores do jardim do quintal de Luanda, e sibilante não

Às coisas horríveis que o amor deixa ficar sobre o esqueleto ambulante, de feira em feira, de mercado

Ao mercado das aves tricolores,

Que de mercado em mercado, desliga a luz dos sonhos.

 

(texto de ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

Alijó

Marinheiro de Luz

Francisco Luís Fontinha 24 Dez 12

Achas-te superior

indigente

com falta de amor

como muita gente,

 

achas-te superior

rainha das coisas boas

montanha de luz

achas-te uma flor

uma simples flor

com pernas de cansaço

e braços

aos abraços

oiço o balançar da porta de entrada

truz truz truz

ninguém será certamente para me dar nada

nem uma simples corda de aço,

 

um prato com sopa de legumes encarnados

vinho do porto velho como os pássaros com asas de mar

(achas-te superior

indigente

com falta de amor

como muita gente)

e às vezes

multiplicam-se as manhãs de inverno

cresce o inferno

maré de marinheiro

quando eu sentado no barbeiro

penso solitariamente nas nuvens de barbear,

 

sinto-te em espuma no meu rosto envelhecido

e das saudades

as pequenas saudades

correr amar correr livremente

e voar

e amar

voar até cair nos teus braços

abraços

uma corda de aço

do tão construído cansaço

a espuma de ti mergulhada no meu simples desenho da alvorada

e tão triste e tão só tudo aquilo que foi esquecido,

 

achas-te superior

indigente

com falta de amor

como muita gente,

 

mas continuarás a ser uma resma de palavras

sem nexo

moribundas quando a mergulhada canção de amor

não é uma flor

é uma canção

que sofre

que dói

e mói

as pedras finas da calçada dos amores proibidos

e dói

mói

a doçura tristeza do desejo.

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

cansaços de amar

Francisco Luís Fontinha 12 Mai 12

Os olhos

gotículas pétala flor

em cansaços de amar

nos olhos

o perfume de uma flor

quando a noite se suicida no mar

A voz

Francisco Luís Fontinha 26 Abr 12

Oiço a voz cansada da solidão

oiço a madrugada

poisada na minha mão

e suspiros de menta

e algodão suspiros

de quem não aguenta

a tarde em cansaços

poucos abraços

nos lábios em maldição

oiço a madrugada

oiço a madrugada da solidão

e suspiros de menta

quando uma bela flor

quando oiço a madrugada

sentada à janela

e o cortinado em clamor

afugenta

tão estranha dor

ser pedra de calçada

ou berma de estrada

ser engenheiro ou doutor

ou não ser nada.

Equação diferencial

Francisco Luís Fontinha 18 Mar 12

Há uma equação diferencial

Suspensa no pêndulo do amor

Há um homem emagrecido nos lábios do rio

Cansado

Com frio

Há uma noite mergulhada nos murmúrios do meu quintal

Em silêncio apressado

Sem destino

Sem cor

Há um menino

Nos murmúrios do meu quintal

Suspensa no pêndulo do amor

A flor

Que olha estupidamente a equação diferencial

Sobre o autor

foto do autor

Feedback