Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

Lágrimas tuas palavras minhas

Francisco Luís Fontinha 14 Jul 17

Todas as minhas palavras são lágrimas tuas,

Nuas cancelas sobrevoando o Oceano,

Os barcos cansados e a remo…

Prisioneiros no teu cabelo ao vento,

Sofro, sofro e alimento

Estes carris do pensamento,

Todas as minhas palavras são lágrimas tuas,

Duas pontes absorvendo o rio da dor,

Uma pequena flor,

Um grande amor…

 

Nas janelas doiradas do sofrimento.

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 14 de Julho de 2017

Cidade sonâmbula

Francisco Luís Fontinha 4 Jul 17

Atravesso a cidade amedrontada,

Finjo não existir nas ruas sem saída,

A morte tem o seu encanto,

A partida… o não regressar nunca mais,

Atravesso a cidade sonâmbula que há em mim,

Deito-me no rio…

 

Sofro,

Choro,

 

E dizes-me que amanhã serei apenas poeira envenenada pela saudade,

 

A viagem às catacumbas do sono,

Invento desenhos no teu corpo,

Viajo incessantemente na sombra dos aciprestes…

E toco com a mão a fresca água da tua nascente,

 

Sofro,

Choro…

 

Enquanto houver luar.

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 4 de Julho de 2017

Uma alma aborrecida

Francisco Luís Fontinha 14 Jun 17

As máquinas infernais do sofrimento não cessam de chorar,

Escavam o corpo até que a madrugada surja no horizonte,

 

Os ruídos sinusoidais da pequena vergonha de viver

Adormecem como cães raivosos deitados ao luar,

Chamo por ti, meu querido mar…

E sinto na arte de escrever

O sinfónico e desgraçado monte,

 

Sou uma alma aborrecida.

 

Sou uma alma faminta.

 

Os pássaros quando brincam na minha janela

E lá longe acordam as planícies de cartão

Dos dias desesperados à luz da vela,

 

Sou uma alma sem coração.

 

As máquinas infernais do sofrimento não cessam de chorar,

Escavam o corpo até que a madrugada surja no horizonte,

Uma criança não se cansa de brincar…

Entre risos e papeis na casa do rinoceronte,

 

Sou uma alma faminta…

 

Sou uma alma aborrecida…

 

Sou.

 

Sou

Uma alma

Sou uma alma sem tinta.

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 14 de Junho de 2017

Nos desejos de uma calçada

Francisco Luís Fontinha 15 Dez 16

Os desejos da morte quando acordava

A visibilidade da madrugada,

Os silêncios da sorte, os medos da alvorada

Nos espelhos cansados da manhã sonhada,

E ele chorava,

E ele não sabia

Que um dia,

Cessavam as lágrimas sobre a calçada.

 

 

Francisco Luís Fontinha

15/12/16

Chorar nas mãos a amargura de viver

Francisco Luís Fontinha 10 Mai 16

Não tenho fome,

Mas comia todas as palavras

Se a noite me deixasse…

Este terraço sem nome

Que as estrelas absorvem,

E levitam como se fosse um pássaro desnorteado,

Confuso, não, não tenho fome,

Nem me ausento do teu amar.

 

Não tenho fome nem sinto o madrugar,

Tenho sobre os ombros o silêncio deste telhado

Com vista para o mar,

Tenho no olhar o sangue de chorar,

Nas mãos a amargura de viver…

Não, não tenho fome,

Nem vaidade

Ou vontade de escrever.

 

 

Francisco Luís Fontinha

terça-feira, 10 de Maio de 2016

Entranhei as mãos no teu corpo de porcelana

Parecíamos dois pontos de luz em direcção à morte

Sem passaporte

Clandestinos destinos

Das madrugadas infelizes

Tínhamos no sorriso todas as fotografias da infância

Ai… ai meu amor

A tua partida

O abismo das tardes sem ouvir a tua voz

Que a janela da biblioteca absorvia

As coisas parvas que recordávamos

Sítios

Costumes

E palavras não ditas

Suspirava quando te via

Estranhava a palpitação do meu coração

Uma máquina absorta

Nas montras da velha cidade

Os apitos dos teus seios

Chamando-me para o desembarque

Os marinheiros aflitos

Embriagados

Sonolentos

Quando nos teus lábios acordavam beijos

E lamentos

Entranhei as mãos

Na caneta de tinta permanente

Escrevi no teu corpo todos os poemas da noite

(sempre te amei na noite)

Escrevia no teu corpo como se brincasse nas planícies do sofrimento

Deixei de estar presente no teu ventre

Desenhei pássaros na tua face rosada

E bebíamos como se o amanhã não existisse mais

Amava-te

Como amo as sombras desta casa

A lareira embriagada nos trilhos das montanhas da paixão

Novamente o abismo da escrita

O sexo suspenso na clarabóia do luar

Os gemidos invisíveis das noites com geada

Os términos suspiros das alvoradas

Amava-te

E tinha medo do teu cabelo

Como ainda hoje tenho medo do teu cabelo

Veio o sonho

Trouxe a morte

E acordaram todos os vampiros da madrugada

As motorizadas dos caquécticos transeuntes

Contra o medo dos dias

Tinha-me esquecido de acordar

Tinha no quarto uma fenda no espelho

Eu parecia um monstro

Uma ribeira em direcção ao púbis do Rio

Depois acordava o mar

Depois acordava o amor

A paixão

E a desilusão de não te amar

Os lençóis quase em brasa

O suor acorrentado à tua pele de cereja

Ai… ai meu amor

Que inveja

Que saudade

São dóceis as brincadeiras do teu olhar

São dóceis os sofridos orgasmos das tuas lágrimas

E tão longe

O mar

E tão longe

O mar de papel que habita nas tuas coxas…

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

quarta-feira, 9 de Dezembro de 2015

Indefesa árvore que me protege

Francisco Luís Fontinha 17 Nov 15

Tudo ou nada

Nada de tudo

Tudo de mim

Desde a árvore indefesa que me protege

E habita o meu jardim

Até ao rochedo invisível que caminha comigo

Quando cresce a noite

E adormece o dia nos teus olhos

Tudo ou nada

E nada tenho

De mim

Nada de tudo

Assim, como as flores que choram junto à minha lápide

E nunca perceberam o significado da palavra “chorar”

Tudo

Avassalador

Triste

Tudo consumido na fogueira da paixão

De nada ter

E de tudo perder

Tudo ou nada

Nada de tudo

Assim

De mim

Sem o saber.

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

terça-feira, 17 de Novembro de 2015

Os livros e as palavras

Francisco Luís Fontinha 16 Out 15

Tínhamos no corpo o sorriso do desejo,

Tínhamos no peito as espadas do prazer cravadas,

Sentíamos a dor dos beijos na escuridão,

Sentíamos as lágrimas das madrugadas,

Acordados… e em vão,

Tínhamos os livros e as palavras,

As gotículas de suor quando o sol poisava sobre nós,

Ao final da tarde,

Gemíamos a cada verso declamado,

Sentíamos o peso das pálpebras quando abríamos a janela…

E o rio abraçava-nos como se fossemos duas crianças inventadas,

Brincando junto ao mar…

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sexta-feira, 16 de Outubro de 2015

O grito

Francisco Luís Fontinha 21 Set 15

desenho_21_09_2015.jpg

(Fontinha – Setembro/2015)

 

Lembrei-me de ti, hoje, e das fotografias tiradas quando se escondia a noite nos coqueiros junto ao mar,

Lembrei-me da solidão

E dos passeios agarrado à tua mão,

Lembrei-me de ti, hoje, e das palavras que escrevias no meu olhar,

Como se eu fosse uma fina folha em papel,

Sofrida,

Cansada de ser riscada,

Velha e tonta… amada,

Lembrei-me de ti, hoje, e das tardes a desenhar os barcos em cartão,

Sós no imenso Porto de embarque e desembarque… sem destino algum,

Ensinaste-me o que eram as montanhas vestidas de branco,

Ensinaste-me o sabor da geada…

E hoje, e hoje lembrei-me de ti e das tuas lágrimas choradas,

Quando acordava a madrugada…

E eu, e eu sem sono… sem sono… gritava.

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Segunda-feira, 21 de Setembro de 2015

 

Pensão ruína

Francisco Luís Fontinha 5 Set 15

desenho_05_09_2015.jpg

(desenho de Francisco Luís Fontinha – Setembro/2015)

 

Mastigava as palavras nocturnas do sono,

Enquanto do outro lado da rua,

Alguém,

Alguém gemia,

Uma rosa nua?

Uma pétala de rosa tua?

Alguém,

Enquanto eu dormia,

Alimentava-se dos meus sonhos entre círculos e triângulos rectângulos,

Acariciava os catetos,

Beijava a hipotenusa,

E enquanto eu dormia,

Alguém,

Alguém vestido de musa…

Nua a rosa,

Pétala a tua,

Mastigava as palavras nocturnas do sono,

Desenhava na ardósia negra do sentido proibido

Os teus seios mendigando o meu peito,

Nunca,

Nunca tive jeito,

Vontade…

E alguém,

Sem eu saber,

Entranhava-se nos meus tristes ossos,

Alguém,

Alguém gemia,

Do outro lado da rua,

E eu,

E eu sentia,

A lua,

O mar agachado nas tuas coxas silenciadas pela amargura,

Tanto tempo perdido,

Em pequeníssimas folhas de papel quadriculado,

Chorava e gemia,

Do outro lado da rua…

O poeta suicidado,

Uma rosa nua?

Uma pétala de rosa tua?

Alguém,

Enquanto eu dormia,

Roubava-me a tela da agonia…

Acorrentava-me às paredes pinceladas de bolor…

Colocava sobre as minhas pálpebras um cubo de gelo,

No meu cabelo,

Uma rosa,

Tua,

Uma tua rosa nua,

Sem sentido,

Os livros que li,

As palavras que escrevo e escrevi,

Não,

Não eram para ti,

Porque alguém,

Não sei quem,

Injectava-me nas veias finas lâminas de saudade,

Cerrava os olhos, fingia estar vivo quando os barcos da alvorada subiam as escadas da sufocada pensão,

E eu,

E alguém…

Gritava,

Chorava,

Sem saber a razão,

Do poeta suicidado

Subir e descer as escadas da pensão,

Quando a pensão estava deserta,

Morta,

Sem janelas,

Sem cortinados nas janelas…

E todas as portas,

Também elas,

Todas,

Todas mortas,

E alguém,

Não sei quem,

Inventava fotografias para eu folhear…

Enquanto a pensão,

Enquanto a pensão se afundava no meio da rua,

Mesmo em frente ao meu cadáver descarnado pelo tempo,

Havia vento,

Havia lágrimas nos lábios do vento,

E alguém,

Sem saber porquê…

Ou razão…

Deixava o meu nome nas ruinas de uma pensão.

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sábado, 5 de Setembro de 2015

Sobre o autor

foto do autor

Mais comentados

Feedback