Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

A partida do Adeus

Francisco Luís Fontinha 19 Mai 18

O burro morreu. Paciência, dizem uns, coitado, dirão outros, mas eu é que o perdi e é a mim que faz falta.

 

Em homenagem ao meu burro falecido…

 

Tinhas a alegria da paixão.

Todas as madrugadas, ouvia os teus sons melódicos da fome matutina,

Sentia-te nos teus aposentos, rosnavas como um cão e uivavas como um lobo, com só tu o sabias fazer,

Lias os livros perdidos comigo,

Escrevíamos lado a lado na secretária de madeira,

Com cheiro a poeiras e outros cheiros…

O Ópio abafava-nos, levava-nos aos confins do Universo, comíamos cenouras, bebíamos uísque de Sacavém…

E tinhas sempre um sorriso na algibeira.

Todas as flores eram nossas,

E, o quintal perdido na imensidão do desejo…, contiguas aos pássaros das árvores de brincar,

Sempre no desejo, de um dia, seres eterno como eu.

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 19 de Maio de 2018

Âncoras de desassossego

Francisco Luís Fontinha 6 Mai 18

Tinhas nas mãos os ossos enraivecidos da solidão,

Dos teus olhos desciam as palavras que eu escrevo no teu corpo; quando me escondo de ti na madrugada.

Tinhas nas mãos as sangrentas areias do deserto,

Poisavam livros nas tuas coxas, e do Luar regressava a nuvem da lamentação,

Uma lágrima chorada no teu rosto,

A alma desinquieta que atormenta os ventos nocturnos,

Como pequeníssimos papéis perdidos nos teus dedos.

Assim… ao deitar.

 

Sonhava com rugas, pedras e enxadas,

Rasgava a terra bolarenta dos segredos muros de xisto,

E, todas as manhãs, tinhas nas mãos a aurora neblina suspensa na janela do sonho.

 

Tinhas nas mãos a alavanca mecânica, o martelo e a minha dor…

 

Entre as penas dos melros brincando no meu jardim,

A sucata dos dias transformados em madrugada,

E os barcos, lá longe, vomitando âncoras de desassossego.

 

Perdi-me em ti, sabes?

 

Tinhas nas mãos a ânfora caminhada dos trilhos desenhados numa rocha,

Os santos em rebeldia nos altares das capelas,

O silêncio,

As pedras, os sargaços, e outras velharias…

 

Tinhas nas mãos o meu rosto…

 

E nunca percebi a claridade dos teus lábios.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 6 de Maio de 2018

A morte

Francisco Luís Fontinha 14 Abr 18

Fujam.

Escondam-se na minha mão,

Traguem todos os livros,

Semeiem todas as palavras no meu corpo, rasguem-no, devastem todos os rochedos do medo,

E da solidão.

 

Oiçam-me,

Não finjam que a luz da minha aldeia é fictícia, longínqua… como as pedras do teu olhar,

Na madrugada.

 

Façam de mim uma bola.

O rio quando me chama,

Francisco.

E lá vou eu,

Desço a ravina,

Entrego-me a ele…

 

E morro de tédio.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 14 de Abril de 2018

Encíclica manhã do deserto

Francisco Luís Fontinha 7 Abr 18

Habitas no infinito predicado da solidão.

Oiço a voz das flores na tua mão,

O frenesim angustiado das palavras silenciadas,

Presas na carcere do silêncio,

Habitas no meu corpo,

Na minha morada,

Longínqua…

Perdida em ti.

O coração prateado,

Nas estradas inabitadas do medo,

O soldado,

Carregando a mochila da saudade,

Desce a Calçada,

Senta-se no rio…

Madrugada dentro,

O uísque fervilhando dentro de um copo de vidro,

A cabeça estonteante,

Nos livros acorrentados aos teus lábios,

A cidade morre,

As janelas imaginadas por mim parecem cobras embriagadas,

Soltas,

Tontas,

Como eu…

A cair,

Sobre mim,

O jardim esquecido no luar de hoje,

O meu corpo não se mexe,

Dorme,

Na encíclica manhã do deserto,

Ao final da tarde,

O cansaço das vidraças,

Quando me abraças…

E sou feliz em ti.

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 7 de Abril de 2018

Montanha em fuga

Francisco Luís Fontinha 17 Mar 18

Este Sábado bafiento,

Perdido no ciúme da madrugada, presente no ausente,

Como uma ponte em cimento,

Latente,

O cheiro do teu cabelo numa esplanada de Verão,

O cigarro aceso, que tão mal faz ao coração,

Dizem eles, os médicos,

Mas eu não acredito,

Sendo iletrado,

Sou também um homem apaixonado,

Terno, lento,

Lanço este grito,

Quando o rio adormece na tua mão,

Tão lindas, as flores, meu amor,

Quando o poeta escreve a canção,

O dia, término cansaço da rua deserta,

Porta encerrada, porta aberta,

O carteiro traz-me a carta, a tua carta lacrada,

No marfim encarcerada,

Os beijos, as lanternas dos beijos emancipados,

Quando os corpos lançados,

Ao mar,

Um sopro de vento entra pela janela,

Encerrada,

Aberta,

Sem ninguém, ausente serpente do amar…

Tão bela,

E de lábios a palpitar,

Oiço o mar no teu corpo de limão,

Esqueleto camuflado pelas lâmpadas do anoitecer,

Sem querer,

Vou ao teu encontro, abraço-te e recordo a montanha,

Uma criança em fuga,

Que ninguém a apanha,

É isto o meu viver?

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 17 de Março de 2018

Hoje, só hoje!

Francisco Luís Fontinha 10 Mar 18

Hoje,

Só hoje,

O teu corpo dilacerado nas montanhas da insónia,

Mergulhado na planície do sofrimento,

Hoje,

Só hoje,

Os teus olhos comendo as lágrimas da madrugada,

Junto ao mar, hoje, só hoje…

Nas palavras de amar,

As tuas mãos enroladas no meu rosto,

Em pedra, frio como a tempestade…

De viver…

Hoje,

Só hoje,

Os barcos em busca da liberdade,

Quando os livros adormecem na tua mão,

E, no teu cabelo, uma andorinha… brinca, e, sofre…

Hoje,

Só hoje,

O teu coração sobre a mesa,

Quente,

Saltitante…

Como as serpentes do amor.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 10 de Março de 2018

O regresso

Francisco Luís Fontinha 11 Fev 18

Que seja hoje o teu último dia na minha mão.

Este meu corpo cansado das Avenidas embarcadas,

Quando junto ao rio uma nuvem de noite me absorve, alimenta e mata.

 

O regresso.

 

Que seja hoje o teu último momento,                                        

Nas palavras assassinadas da madrugada,

O cão,

O cão que vive nesta casa e se alicerça aos corredores a preto-e-branco,

Sem nada,

Sema nada.

 

O regresso.

 

Que seja hoje o teu último suspiro,

Nos meus lábios embainhados de serpentes…

 

Não mentes,

 

Do regresso,

 

Onde tudo sentes.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 11 de Fevereiro de 2018

Cansada palavra

Francisco Luís Fontinha 4 Fev 18

Semeei o teu corpo numa jangada de vidro,

Vi partir o teu corpo em direcção ao mar,

Levavas os livros, levavas as memórias das noites perdidas,

E os sonhos vividos,

Semeei o teu corpo pensando que um dia adormecerias em mim…

E da tua partida,

Pela madrugada,

Algumas nuvens brincando na alvorada,

Palavras imensas, palavras dispersas em ti como um grito de alegria,

Hoje pertences às sombras do infinito,

Argamassadas no sombreado jardim de pedra,

E, no entanto, meia-hora depois, sentia o teu rosto na minha mão.

Ninguém apareceu à minha partida, fui só, apenas eu…

Como nas noites junto ao rio,

Perdidamente angustiado na solidão dos dias,

Escrevia no chão a revolta da doença,

Lançava lágrimas na escuridão,

Pobre, sem-abrigo, neste corredor de lume,

A lareira também ela, doente, infeliz e triste,

A cinza, o silêncio das fotografias, que poisavam no teu olhar.

As mãos trémulas, as mãos cansadas como pedras…

Fundeadas nos teus cabelos.

A noite, meu amor, a noite mergulhada na madrugada,

O metro entre curvas e pingos de luz, deixando a terra, caminhando para o horário nocturno das sanzalas de ninguém,

Em foco, as luzes que te incendeiam os lábios, em cada beijo,

Uma cansada palavra.

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 4 de Fevereiro de 2018

Cabeça de xisto

Francisco Luís Fontinha 14 Jan 18

Lívido sacrifício das noites indomáveis,

Os livros da despedida esquecidos no espaço,

Viagem sem regresso,

Habito neste pobre musseque,

Que deambula pela madrugada do meu sono,

Os esqueletos teus no vidro meu,

Uma cabeça de xisto suspensa na alvorada,

E as dores que assolam o teu corpo, e as dores que dormem na tua cabeça…

Despedidas madrugadas sem dormir,

Pensando em ti,

Como uma jangada livremente sobre as nuvens…

Tenho em mim o sono da morte,

E o desejo do abismo,

Os cartazes escondidos no meu quarto,

Caras, rostos desfocados, simplesmente abandonados,

E deixo na tua mão o silêncio do rio,

Que entre montanhas,

Corre nas tuas veias…

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 14 de Janeiro de 2018

Viagem

Francisco Luís Fontinha 5 Dez 17

Bebo o veneno da insónia.
Desamarro as cordas da solidão, logo pela manhã,
Tenho na mão a magia do sono, desprovido de sonhos,
Na lentidão, o adeus, como as flores em despedida.
Desenho nuvens no teu triste olhar, uma desgraça…
Pois eu nunca soube desenhar,
Escrevo palavras, bebo livros de poesia, e assim passo o dia,
Cansado das árvores, cansado das casas envelhecidas,
Cansado da vida.
Bebo o veneno da insónia.
É madrugada, acendo o interruptor da desgraça, sou livre,
Aprendi a voar no teu cabelo,
Sou astronauta reformado,
Carpinteiro no activo,
Sou jardineiro sem-abrigo…
Nos teus lábios de trigo.
Bebo a poesia dos mortos, e percebo a tua dor, quando acorda a noite,
Puxo de um cobertor,
Fico à lareira,
Até que as estrelas me levem para longe.



Francisco Luís Fontinha
Alijó, 5 de Dezembro de 2017

Sobre o autor

foto do autor

Feedback