Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

Radiografia

Francisco Luís Fontinha 8 Out 17

Radiografia de tecidos envergonhados,

Trapos vagabundos no telhado pendurados,

A caligrafia cessante nas palavras imaginárias,

Do louco amante…

Nas tardes acorrentadas,

 

O silêncio dos teus ossos suicidados

Na noite desassossegada,

 

Os corpos mutilados,

E a tristeza dormindo na madrugada,

 

Radiografia de tecidos envenenados,

Tristes livros assassinados,

Palavras ensanguentadas

Como acontece a todos os corpos rasurados…

Na clemência das palavras.

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 8 de Outubro de 2017

Naftalina madrugada

Francisco Luís Fontinha 8 Nov 14

O teu corpo radiografado por um louco poema

os teus ossos catalogados e encaixotados em pequenos cubos de vidro

a gaivota amar que voa nos teus seios

e não dorme

e...

e o teu corpo radiografado passeando na seara morta

as tuas coxas pinceladas pela mão do louco poema

e... e os teus ossos descendo a calçada do Adeus

pedindo esmola na rua dos muros amarelos

um vulto faz-se à vida

parte o invisível vidro do carro abandonado

e rouba o louco poema sem pronunciar a palavra “obrigado”,

 

O teu corpo que mergulha na minha mão

em fatiados abutres de madeira prensada

gritam

gritam e não fazem nada...

 

Há uma estória não terminada

uma canção escrita e guardada nas prateleiras da insónia

o teu corpo que chora

e sonha

e habita na minha memória

morta

como a seara deambulando no silêncio enfeitiçado

os ossos em pó

puro pó virgem...

sofrendo nos canos de uma espingarda

sofrendo...

o cansaço da naftalina madrugada.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sábado, 8 de Novembro de 2014

Janela de esqueletos

Francisco Luís Fontinha 12 Fev 14

foto de: A&M ART and Photos

 

Parecemos esplanadas de vento correndo nos algerozes das montanhas abandonadas,

penso se não existirá dentro de nós a melancolia dos barcos apodrecidos, como ossos molhados, como corpos cansados, como eu, e como tu, dois ventres desventrados, amorfos, humildes como sanzalas de granito, vadios...

parecemos dois loucos escondidos na sombra da madrugada ainda não nascida,

perdidos nas palavras ainda por escrever...

olhamos as estrelas que deixaram de brilhar,

comemos o pão como quem come a sombra de uma árvore...

indolor, infestados de giz depois do recreio escolar,

tu, e eu, debaixo de um busto sem nome,

 

Correndo, brincando... enganando a fome...

correndo, correndo calçada abaixo, até que acordava o dia, até que da tua bocas eu sentia a tristeza dos perdidos calendários de Fevereiro,

o medo,

o medo das clandestinas vozes da escuridão,

e no entanto,

sem o sabermos,

inventávamos estórias de adormecer,

sem o sabermos... estávamos mortos numa janela de esqueletos.

 

@Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quarta-feira, 12 de Fevereiro de 2014

A catalogadora de ossos

Francisco Luís Fontinha 7 Fev 13

As cerejas pareciam loucas de ciúme enquanto ele saboreava um cacho de uvas cor de sílabas mentirosas e sorrisos de poeira, e conforme o retirou da nobre videira assim foi saboreando cada bago, bolinhas de sumo com sabor inconfundível, bolinhas imaginárias com olhos de prata apontando os desfiladeiros que o levavam até ao rio, curvas de carris caminhavam como se fossem grãos de areia a descer a montanha, bem lá no altíssimo altar da natureza, jazia um abrunheiro com bronquite e ao lado, na cama número treze, um pequeno pessegueiro a queixar-se de dores intensas na coluna, o médico, um castanheiro de meia-idade tinha-lhe diagnosticado reumatismo agudo, devido à doença da Tinta, em frente a ele, na cama número nove dormia o limoeiro, que devido aos sedativos que sobejavam dos pingos das bolhas castanhas que uma fina prata de alumínio derramava, pedrado como os seixos brancos dos mares clandestinos, há dois dias que tinha levantado voo e apenas víamos o corpo esquelético sobre os cobertores de aço onde se deitava, o resto

Ninguém sabia onde encontrar,

Tinham-se esquecido de encerrar as janelas, estava vento, tínhamos medo que a sua força levasse os frágeis ossos do adormecido limoeiro, uma roseira, experiente catalogadora de ossos, numerou-os, e um a um, todos, como se fossem pedras de granito quando um ricaço qualquer as resolve transladar para outro local, a bananeira, desenhadora e escritora, fez o respectivo esboço, e assim, tínhamos a garantia que tudo o que acontecesse ao coitado do limoeiro, sempre o podíamos reconstruir, e levá-lo para outro local, se necessário,

Tenho quarenta e sete anos, sou um plátano e perdi vinte e cinco quilogramas, e tudo por apenas três drageias por semana, agora sinto-me..., sinto-me como se tivesse vinte anos, o tronco está mais delgado, e os meus ramos, encolheram, e agora até já consigo sentar-me num dos bancos de madeira que vivem no jardim ou baixar-me e colocar a caixa vazia de cigarros na papeleira, e tudo quase sem esforço, e tudo por pouco dinheiro,

E ninguém sabia onde encontrá-lo, na aldeia até já tinham pedido ao senhor Prior para rezar uma missa pela sua pecadora alma, e em uníssono diziam

Coitado do limoeiro, no fundo era um desgraçado, e tirando o vício, uma jóia, uma jóia de árvore

O senhor Prior rezou a missa pelo seu desaparecimento, ao centro da Igreja tinham colocado a fotografia a preto e branco de quando ele ainda era uma árvore robusta, forte, e nem a mais agreste das tempestades a conseguiam derrubar, mas agora, agora vive na agonia de partir sem que venham a saber a verdadeira história dele, e talvez por essa razão, hoje relate a vida e os saborosos limões que este meu amigo limoeiro deu, vendeu, e se não fosse o maldito vento

Ninguém sabia onde o encontrar, e o maldito vento conseguia arrastar as rochas do fundo do mar até ao santuário, nas algibeiras viemos a descobri pedaços de corda de nylon, não percebíamos qual a sua utilidade, mas hoje sabemos que foi com essas mesmas cordas que o triste limoeiro se suicidou, quando acordou da sonolenta paixão pelas bolhas castanhas, amarrou-se com uma das pontas da corda de nylon e a outra ponta prendeu-a a um dos pilares da enfermaria, depois

Depois coitado, ninguém sabia onde o encontrar,

E depois, quando já a noite poisava sobre o pavimento irregular da enfermaria-montanha, ergueu-se, cruzou os braços e voou em direcção ao abismo, e gritava enquanto sufocava

Detesto mentiras, Detesto mentiras, Detesto...

 

(texto de ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

A cadeira de vime

Francisco Luís Fontinha 6 Mai 11

Estou sentado no futuro, e uma cadeira de vime suspende o meu esqueleto desordenado, desintegrado junto ao mar, o canino já não canino, ossos que vagueiam na maré, estou sentado e sinto o cansaço do meu corpo, o canino em latidos e soluços, eu à espera do infinito, as nuvens encostam-se nos meus ouvidos, e sinto que dentro da minha cabeça andam pássaros a esvoaçar, sinto-os, sinto o mar na fúria da noite, estou com medo, eu sentado no futuro, e uma cadeira de vime suspende-me na noite, deixei de dormir, deixei de comer, deixei de ser eu, e agora tenho a perfeita noção que eu não eu, eu um conjunto de ossos desclassificados e não numerados, preciso de me levantar, preciso de caminhar, mas esqueci-me de numerar os meus ossos e agora não sei qual a verdadeira posição deles, o chão só ossos, e na areia palavras vão-se escrevendo com a chuva, e quando o sol transporta o silêncio, silêncio nenhum, barulho que escorre de todas as esquinas, e em todas as ruas,

- As ruas apertam-se e abraçam-se, ontem eu no meio delas engasgado nos cigarros e hoje nem cigarros nem cachimbos, nem água, hoje o mar que me entra pela janela, e apenas o mar conversa comigo, leva as palavras que a chuva escreve na areia, e hoje,

E hoje eu perdido no medo da noite, sentado, não me levanto, e nunca mais me vou levantar desta cadeira de vime,

- E os ossos sem número,

Hoje sentado junto ao mar, e os ossos esperam que alguém apreça e os numere, e depois, e depois possivelmente já me posso levantar e caminhar, quem sabe até correr juntamente com o canino na areia finíssima junto ao mar, quem sabe, quem sabe novamente ser eu.

 

 

(texto de ficção)

Luís Fontinha

6 de Maio de 2011

Alijó

Sobre o autor

foto do autor

Feedback