Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

Palavras em lágrimas

Francisco Luís Fontinha 15 Ago 17

Porque choram as palavras, meu amor!

 

Neste silêncio cubículo guardo o meu corpo embalsamado pelo tempo,

Sinto o abraço das palavras tristes quando as lágrimas da paixão brotam do sorriso sol,

Sento-me no teu colo, beijos incandescentes nos teus lábios em flor…

Me resigno enquanto me é permitido,

Fujo de ti, escondo-me numa esquina de luz em ciúme,

E tenho na mão direita o fogo do teu peito,

A morte vem, oiço-a na montanha branca onde habitam os teus braços cansados,

E sei que as palavras choram, por ti, por mim, meu amor…

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 15 de Agosto de 2017

Nascer no tempo… no tempo de sofrer

Francisco Luís Fontinha 23 Jun 17

Não vou ter tempo para desenhar o tempo no silêncio da noite teu corpo,

Não vou ter tempo para semear nas tuas cochas o mais belo poema de amor…

Porque não sou poeta,

Porque não sou desenhador,

 

Não vou ter tempo para ver o nosso filho escrever no pavimento térreo do quintal,

Porque nem sequer temos um filho,

Porque nem sequer temos um quintal,

 

Não vou ter tempo para acariciar a chuva miudinha que se entranha no teu cabelo,

Não vou ter tempo para ir à lua e trazer-te um beijo…

Porque sendo astronauta não tenho esse desejo,

 

Não, não vou ter tempo!

 

Não vou ter tempo para te desejar,

Não vou ter tempo para no teu corpo brincar…

E juntos, sem tempo, olharmos o mar,

 

Não vou ter tempo para muito viver,

Já muito vi sem querer…

 

Não, não vou ter tempo!

 

Não vou ter tempo para escrever,

Tempo para amar,

Tempo para ver nascer…

Nascer no tempo… no tempo de sofrer.

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 23 de Junho de 2017

De nada ter

Francisco Luís Fontinha 13 Dez 16

E se o tempo cessasse de crescer
Como cessam os sonhos em mim
O poço da escuridão quase a morrer
Num qualquer jardim
E se o tempo começasse a chorar
Como choram as minhas palavras
Quando não me apetece escrever
Certamente o poço da escuridão
Não cessava de sofrer…
As roldanas do coração
Empenadas e gastas de caminhar
Sobre a água de chover…
E se o tempo cessasse de crescer
Como cessaram as acácias de viver
O tempo é uma jangada à deriva nas pedras do ser
Um relógio cansado de bater
Horas
Minutos
Segundos…
De nada ter.

 

 

Francisco Luís Fontinha

13/12/16

Perdido

Francisco Luís Fontinha 16 Set 16

perdido,

corredor…

não existo neste cansaço,

nem permaneço neste espaço,

sou um pássaro envenenado,

cascata Princesa da madrugada,

desisto,

prometo caminhar sobre a água salgada

onde habitas… minha amada,

sem tempo,

sem espaço,

corredor…

o cansaço,

e a dor,

sinto no corpo as tempestades do Além…

e ninguém,

e nada…

consegue sobrevoar este esqueleto de pedra,

sentado,

me esqueço no silêncio,

me esqueço da alvorada,

perdido,

achado,

querido…

cansado,

no regresso das tuas mãos.

 

Francisco Luís Fontinha

sexta-feira, 16 de Setembro de 2016

Triste tempo recheado de fotografias

Francisco Luís Fontinha 17 Ago 15

Não tenho tempo

Para desenhar lágrimas no meu rosto cansado,

Não tenho tempo

Para folhear os álbuns de fotografias…

Esquecidos sobre uma secretária,

Que mais parecem um cemitério, umas mortas, outras perdidas,

Outras… vivas quase mortas,

Gente anónima,

Sem tempo para conversar,

Não,

Não tenho tempo

Para o amor

E esculpir a paixão na madrugada,

Não tenho tempo para construir sonhos

Que acabam sempre por ruir…

Não tenho tempo

Para imaginar-me dentro de um espelho,

Triste,

Derrotado pela força do vento,

Não tenho tempo

Para ninguém…

Apenas estou aqui,

Sentado,

A olhar o meu relógio parado…

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Segunda-feira, 17 de Agosto de 2015

Cinzas entre relógios de pulso

Francisco Luís Fontinha 20 Jul 15

Não tenho tempo,

Cessaram os relógios de pulso no meu peito fictício,

Ambulante circo de cidade em cidade,

De montanha em montanha,

O tempo escoou-se no aéreo sonho da noite,

Morreu,

Partiu em direcção ao mar…

Olho as minhas cinzas,

Embrulham-se na maré,

E nunca mais regressarão à minha mão,

Levo um livro na algibeira,

E uma caneta na boca…

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Segunda-feira, 20 de Julho de 2015

Corpo inventado

Francisco Luís Fontinha 5 Jun 15

Quanto tempo

Tempo algum

Sobre o corpo nu,

 

O cadáver de rocha fendilhada

Descendo as escadas do tempo

Quanto tempo

Tempo algum

Sobre o corpo nu

Acorrentado na madrugada,

 

Não o sei,

Nunca o saberei,

 

Quanto tempo

Esta janela encerrada

De cortinados enfartados

Das palavras

Minhas

Que o tempo

Alimenta

Quanto tempo

Este tempo

Demora a entranhar-se na minha janela

Sem vidros

Sem ementa,

 

Quanto tempo

No tempo

Que nunca sonhei…

Quanto tempo

O tempo

Sobre o corpo nu,

 

No corpo que inventei!

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sexta-feira, 5 de Junho de 2015

As mãos de um sábado...

Francisco Luís Fontinha 7 Mar 15

P1010003.JPG

(desenho de Francisco Luís Fontinha)

 

 

habito dentro deste livro inacabado

existo porque gritam as palavras

e os sonhos amargurados

não tenho tempo para olhar o mar

nem percebo o cheiro deste rio envenenado pelo silêncio

um cigarro

mal-educado

apagado

sessenta anos encurralado nestes socalcos sem nome

habito

dentro

do livro inacabado...

 

os tristes sorrisos das lanternas da solidão

vendo-me

vende-se

tudo

nada

coisas estranhas

esta calçada

viva

vivo

apagado

não tenho

o tempo

 

nem a vida

de marinheiro

sou um barco enferrujado

sou o aço triturado pelas mãos de um sábado...

apenas

outras coisas

como as simples janelas de uma prisão

prisão

a prisão

do meu falar...

habito

habitar no teu peito de livro encalhado.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sábado, 7 de Março de 2015

 

 

 

Cigarros sem alma

Francisco Luís Fontinha 17 Dez 14

(desenho de Francisco Luís Fontinha)

 

 

O biombo da saudade

que morre no teu ventre

o pensamento em pequenos voos

lentamente em direcção ao mar

rumo à cidade

do adeus...

o meu corpo sobre os carris do cansaço

tenho medo

tenho pena...

que este pobre poema

não consiga acordar a madrugada

que vive acorrentada,

 

há nas pálpebras do teu sorriso

fios de luz em decomposição

canções melódicas ensanguentadas pelo silêncio da tua voz...

… amarga

complexa

nesta triste matriz composta

neste triste cubo de vidro

com braços de papel...

o biombo da saudade

que morre no teu ventre

inventa-se

a cada segundo que o tempo come,

 

a rua incendeia-se

e todos os mendigos... não mendigos

e toda a fome... não fome

apenas as palavras sobrevivem aos teus encantos

e lamentos...

apenas as sombras nocturnas do adeus

conseguem trepar o muro da agonia

e resta este pobre poema

que um dia...

que um dia ressuscitará

das cinzas

como cigarros sem alma.

 

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quarta-feira, 17 de Dezembro de 2014

A estátua do medo

Francisco Luís Fontinha 14 Dez 14

(desenho de Francisco Luís Fontinha)

 

Sinto as tuas finíssimas lâminas de agonia

sobre os meus ombros de xisto

tenho nos versos a enxada do silêncio

e no peito a espada do cansaço

sinto as tuas lágrimas de estanho

descendo a calçada

como uma fotografia

morta

rasgada

e a noite constrói-se no teu cabelo

sempre que um relógio engasgado

adormece no pulso da insónia,

não existem imagens nas minhas mãos

tenho medo da cidade depois de se erguer a madrugada

sinto as tuas finíssimas lâminas de agonia

sinto as tuas lágrimas de estanho

nesta triste parede embriagada

pelo medo

pelo tédio...

morta

rasgada

uma algibeira sem nome

perdida na estrada

sem nome... esquecida na perpétua estátua da liberdade.

 

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Domingo, 14 de Dezembro de 2014

Sobre o autor

foto do autor

Feedback