Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

12
Jun 11

Flutua nas minhas veias o desejo de partir, e enquanto fabrico cálculos complexos no meu cérebro as gaivotas correm para o mar, os pequeníssimos moluscos que se agarram às rochas, aos poucos, desistem e deixam-se levar pela gravidade da tempestade, caiem no mar e enterram-se na água como corpos voando sobre as nuvens, mergulham e fundem-se na areia finíssima do pavimento térreo do oceano, as ondas em crista sobrepõem-se aos silêncios da noite, e um veleiro é empurrado por uma mãozinha de vento rumo à ilha que na garganta da manhã cospe pedacinhos de fogo, dos pulmões afagados pelo nevoeiro emerge a sombra da maré, e eu em passos adormecidos encosto-me ao candeeiro que treme no olhar do jardim, do outro lado da rua, do outro lado da rua a relva de algodão doce, as rosas em beijos desgovernados, as formigas carregando pesadíssimas migalhas de pão, ela dorme e eu olho-a coberta por lençóis de seda e com desenhos abstractos, respira e sonha, e do espelho do quarto o meu esqueleto desengonçado preso com finíssimos arames, o crucifixo na parede ajuda-me, deita-me a mão e alguns dos meus ossos voltam às cartilagens originais, não tenho dores, apenas sono e vontade de me deitar junto a ela, enrolar-me no nos seus lábios e olhar a janela pendurada no quarto andar,

 

- Porque me olham as mimosas,

 

E se eu abrir a janela e lançar-me em queda livre, será que o vento me leva para o mar, e as mimosas, porque me olham?

 

Por entre as pedras o silvado vergado pelo peso das amoras bravias, um lagarto junto à parede refresca-se no sol escaldante da tarde, na vinha um coelho que brinca com frestas de xisto e corre para a ribeira, e eu penso, aqui éramos felizes,

 

- O cheiro das mimosas entranha-se na minha pele macia,

 

E eu indeciso, acordo-a, deixo-a dormir, dou-lhe um beijo ou, ou simplesmente espero que os ponteiros do relógio se apaguem quando o sol adormecer, cruzo os braços, e recordo as tardes quando brincava na eira em Carvalhais, deitava-me no chão e olhava o milho pregado às sombras do canastro. E sonhava que um dia caminharia sobre o mar e que um dia regressaria a Luanda…

 

Ela acorda, encosta a língua no lábio superior, sorri, e num suspiro incandescente diz-me,

 

- Amor, que estranho…, sonhei com mimosas penduradas na janela.

 

 

(texto de ficção)

Luís Fontinha

12 de Junho de 2011

Alijó

publicado por Francisco Luís Fontinha às 18:28

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Junho 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO