Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

20
Jun 11

Existo.

Nas sílabas amargas da minha sombra, entre o rio que me sufoca e os socalcos que deixam as minhas asas em brasa, no ténue vento da manhã, voar dentro de mim e bater com a cabeça no infinito, existo, não sei,

 

Existo.

Nas sílabas amargas da minha sombra, entre o rio que me sufoca e os socalcos que deixam as minhas asas em brasa, no ténue vento da manhã, voar dentro de mim e bater com a cabeça no infinito, existo, não sei, onde estão as amarras imaginárias que me prendem a esta terra, não existem, porque não voo, voar, ser livre nos céus quando me sento no xisto esfarrapado pela chuva, quando me deito na cama, e a cama silenciosamente presa ao pavimento, sentado, a cama deitada, o espelho do quarto olha-me, eu olho-o, e dentro do espelho não eu, dentro do espelho,

- Círculos, quadrados, rectas em rotação, milhões de pontos esfomeados, o hipercubo aproxima-se de uma cabeça, a cabeça abre e fecha a boca, nos dentes o marfim separa-se e cola-se a uma das faces, a cabeça entra no hipercubo, e cabeça e hipercubo em rotação, e os pequeníssimos pontos começam a separar-se, e a anos-luz, desaparecem, perdem-se,

Os pontos são pontos. Os pontos existem. E com a distância deixo de os ver,

Tenho medo. Cada objecto constituído por milhões de pontos, o meu corpo pontos, e quando me distancio do observador, quando me distancio deixam de me ver, começo em ponto e termino em nada, mas existo, vocês é que não me vêem, braços, pernas, cabeça, coração, olhos, nos olhos lágrimas, e nas mãos, nas mãos rectas paralelas, e querem que eu acredite que no infinito se vão encontrar, e eu acredito,

- Voar dentro de mim e bater com a cabeça no infinito, o espelho escuro, frio, longe do quarto, abre a janela, corre o cortinado, e de dentro de mim milhões de pontos em movimento, escoam-se pela janela como se fosse um líquido, o equilíbrio, a temperatura fica constante, e os pontos através de uma fresta do tempo começam a unir-se, o meu corpo fica corpo, novamente um ponto, que de dentro do quarto, não existe, não me vêem,

Existo.

Na poeira que a terra cospe, nos rabelos estacionados no Douro, quando as forças que equilibram o meu corpo deixam de estar em equilíbrio, um pequeníssimo ponto moveu-se, o corpo tomba e morre, sobre ele o vento que imprime na tela dos socalcos o arco-íris, a luz decompõe-se e abraça-se aos tenros rebentos das videiras,

- Voar, ser livre nos céus quando me sento no xisto esfarrapado pela chuva, o sangue que nas veias engrossa, movimenta-se silenciosamente dentro da tarde, no relógio cinco horas, um milionésimo de segundo-luz, deixo de ser eu,

Existo.

publicado por Francisco Luís Fontinha às 17:05

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Junho 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO