Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

26
Jul 11

A fábrica dos desejos dentro do peito que liberta pela boca os sonhos da noite, os cortinados dos olhos que se prendem ao sentido proibido da rua, as sandálias de cabedal e os calções que fogem dos mabecos, e as árvores que abraçam o esqueleto em equilíbrio estático na varanda das nuvens,

 

- Despeço-me da vida com a vida sem vida, alimentava-se a candeia de azeite na surdez da cozinha,

 

Os móveis na garganta do caruncho que sorriam através das fendas milimétricas da tarde, o calendário na parede em apalpões a uma mulher nua, máquinas agrícolas e industriais limitada, e hoje é dia, ele à procura do número de telefone do anunciante, a mulher questionava-o para que ele queria o número e em sorrisos respondia Para nada!, e continuava Apetece-me conversar com alguém!, a mulher fincava o dentes e com focinho de penico gritava-lhe E eu, não sirvo para conversar?, e ele ignorava-a nos azulejos da cozinha,

 

- E o que é a vida?, perguntava-se a candeia virada para o calendário, para mim apenas sucessivos números em viagem para o futuro, a voz do calendário na saliva dos minutos,

 

Está a ouvir-me?, continuava a mulher em gritos, Fala mais baixinho que não sou surdo, ria-se o palerma paralisado na gaja nua do calendário, deixa-me em paz responde-lhe ele, E se te fosses foder?, E fodido já eu estou Natália!, És mesmo um parvalhão…, olha, Vou sair!, A esta hora?, Venho já, vou comprar cigarros!,

 

- E nunca mais voltou?, e o Carlos explica à namorada que desde aquela noite nunca mias voltou a ver o pai, não sei se está vivo, não sei se morreu, E a tua mãe?, a minha mãe morreu uns anos depois,

 

A fábrica dos desejos dentro do peito que liberta pela boca os sonhos da noite, os cortinados dos olhos que se prendem ao sentido proibido da rua, e na cozinha a candeia que espera o regresso da sombra dos cigarros, o azeite consumido pelo desejo de uma criança e a gaja nua do calendário envelhecida, o corpo parece um amontoado de silêncios, a pele coberta de espinhos, o sorriso agreste entupido na prótese dentária, e dos seios nasceram-lhe seixos que olham o mar e quando passam os barcos lhe tocam e uma luz se acende nos olhos dela…

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:45

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Julho 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9






Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO