Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

30
Jul 11

A força cansa-se no finíssimo cacimbo

De luanda

E os meus braços começam a evaporar-se na avenida

Nua e crua junto à baía

O vento sopra e com ele vem o invisível perfume da madrugada

E uma manga desprende-se do céu,

 

O mar vem até mim e entra-me pela algibeira

O velhote barco enferrujado ancora nas poucas moedas

E o sol prende-se ao infinito

Um miúdo grita-me,

 

Uma gaivota alicerça-se nos meus lábios

E na chuva miudinha da tarde

A terra em mergulhos no capim

E some-se-me dos dedos…

 

Procuro os cigarros agachados entre as madeixas do meu cabelo

E no meu corpo ergue-se uma nuvem e das lagrimas de cera

Acende-se a manhã

E quando os ponteiros do relógio caminham para a noite

O musseque que brilha no zinco do amanhecer

Funde-se nos meus olhos,

 

E percebo que o meu destino…

Ver o dia caminhar na solidão das minhas mãos

Viver miseravelmente miserável…

E ser covarde.

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:59

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Julho 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9






Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO