Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

10
Ago 11

Dispo-te, dos cansaços do dia, dispo-te, do sofrimento das noites em que deixas o sono à janela e olhas infinitamente o mar, do outro lado da rua, dispo-te, sempre que te procuro nas arcadas da tarde, entre os moinhos da montanha, dispo-te, dos silêncios que poisam nos teus lábios de mel, e nos teus ombros os pássaros que me olham como se eu fosse um desconhecido, e eles, e eles que conhecem cada milímetro quadrado da tua pele e que conhecem cada decilitro da tua dor,

 

Dispo-te, quando as nuvens entram no meu quarto, e antes do jantar, se deitam sobre nós, as palavras cansam-se da minha voz, e apenas te olho como quando me sento no xisto amarrotado do douro e o rio que emagrece nos meus olhos, e depois da curva dos socalcos desaparece como uma janela que se encerra permanentemente, olha, como quando eu era bebé e esquecia-me de comer e ficava deitado a olhar o teto, passeavam-se andorinhas, sorriam-me lilases de baraços compridos e que me abraçavam, tal como tu o fazes agora,

 

Dispo-te, porque não preciso da tua roupa para nada, e tão pouco aprecio curvas, olha, já me chegam as curvas do douro, e a mulher, como tu és, o que interessa é o que está por dentro, há casas lindíssimas por fora, e no interior só lixo, mal divididas e sem estética, e há casas muito feias exteriormente, e lá dentro, lá dentro são tão lindas e apetece ficar agarrado nos teus braços, e despir-te,

 

O que me interessa viver numa vivenda lindíssima exteriormente se no seu interior me sinto mal, e nem me apetece dormir, e nem me apetece sonhar…

 

Não, Não estou louco,

 

As coisas mais belas são as mais simples, e despir-te será muito mais importante do que guardar um diamante no bolso, e que de nada me serve, passeio-me com vinte cêntimos no bolso e sou tão feliz,

 

Dispo-te, quando a manhã se cansa e acorda a tarde, e junto ao Tejo sorri uma criança, que brinca, que acredita nos sonhos, e que depois de te despir, sim, olha, depois de te despir um papagaio de papel na tua janela, e tu deitas a cabeça no meu peito e da rua vem até nós o silício disfarçado de roas vermelhas, e sinto que a tua mão me toca, e os nossos corpos evaporam-se entre a roupa semeada no pavimento…

 

E na areia do chão crescem papoilas, margaridas, malmequeres, e flores selvagens. O dia despede-se da noite e o mar embrulha-se nos nossos corpos cobertos de flores, e dou-me conta que o teu corpo se disfarça de maré e me empurra para os teus braços…

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:57

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Agosto 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO