Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

25
Ago 11

E há dias assim, em que nos arrependemos de ter acordado, dias em que não apetece fazer nada, estar vivo, dias assim, dias em que não queremos ver as árvores, olhar o céu, e há dias em que dava tudo para que não existisse céu, luz, noite, pássaros, e pessoas, e há dias assim, e para uns são passageiros e logo em seguida o sol a brilhar, os pássaros a cantar e as flores a sorrirem, e para outros, e há dias assim, dias eternos e que nunca mais terminam, dias que se transforma em semanas, messes, anos,

 

Pergunto-me se o calendário não será igual para todos, e há dias assim, e alguém me responde que não Não, o calendário não é igual para todos, e há dias assim, que o nosso cão nos irrita, os livros não passam de um embuste e às vezes apetecia-me transportá-los para o quintal, e há dias assim, fazer uma pilha de livros, e eu a sorrir, e alguém rebate a minha frase Que lindo uma pilha de livros, e depois de os acender com um combustível qualquer, sentar-me e olhar cada pedacinho de página a arder, e ficar em migalhas de cinza,

 

E claro que ninguém, às vezes, ninguém mata os próprios filhos, e os livros são os meus filhos, e há dias assim, e claro que eu era incapaz de queimar os meus livros, e se dessem para comer, porque há dias assim, eu queria morrer à fome, não conseguiria comer os meu próprios livros, os meus filhos, porque há dias assim e não se comem os filhos,

 

E há dias assim, dias em que nos apetece berrar bem alto, atirar com um paralelo contra uma montra, e há dias assim, ou simplesmente ficar sentado num banco de jardim e conversar com os plátanos, e há dias assim, tristes, e há dias assim, alegres, e há dias assim, dias de monstruosidade, mas independentemente dos meus dias, ninguém, ninguém tem culpa, e há dias assim, nem a nossa raiva devem servir de desculpa para nada, e há dias assim,

 

E há dias assim, os dias sempre iguais aos dias assim de ontem, e eu sem espaço para guardar tanta fotocópia, e há dias assim, fotocópia de fotocópia, e há dias assim,

 

Dias de inferno.

publicado por Francisco Luís Fontinha às 16:18
tags: , ,

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Agosto 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO