Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

30
Ago 11

29 de Agosto de 2011,

Fim do dia,

 

Despede-se de mim o dia, procuro sobre a mesa-de-cabeceira as sobras do silêncio, e pequenas migalhas poisam sobre o naperon da velha Arminda, uma borboleta visita-me, olha-me e adormece na minha mão, termina o dia,

 

30 de Agosto de 2011,

Início do dia,

 

Começa a terça-feira, e lá fora oiço o mar que bate na janela do quarto, e oiço e oiço e oiço, e oiço as sombras engasgadas que aos poucos descem a parede e em direção ao pavimento desparecem, e nas fendas dos velhinhos tacos de madeira esconde-se a voz do locutor da rádio Até amanhã, se deus quiser!, e se deus não quiser, o amanhã não existe, e se eu não tenho amanhã concluo que é porque deus não quer,

 

Terça-feira, início do dia, e a anoite balança no pêndulo do relógio pendurado na parede da sala, e oiço-o, oiço-o de quinze em quinze minutos martelar os quartos de horas, as meias horas e as horas, e peco a paciência, e já nem ouvi-lo quanto mais olhar-lhe os anos esquecidos quando o trouxeram para casa,

 

O mar lentamente deixa de bater na janela do quarto, transfiro a borboleta da minha mão e que dorme carinhosamente e lentamente para o naperon da velha Arminda, desenho-lhe um sorriso sobre as asas, e espero que a manhã acorde,

 

Se acordar,

 

Se deus quiser que haja manhã,

 

A borboleta suspira, e eu apago a luz do candeeiro.

publicado por Francisco Luís Fontinha às 00:23

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Agosto 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO