Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

08
Set 11

Um murmúrio interrompe a noite, dos lábios dela as ondas do mar em silêncios e flores que se despregam aos bocadinhos e se disfarçam de beijos, os beijos evaporam-se entre as mandibulas das estrelas e a lua, e junto às rochas os chinelos dela poisados sobre o sorriso de uma gaivota, a areia molhada, a impressão dos pés no soalho da praia, e enquanto caminha o vento faz balançar-lhe a saia de ganga,

 

- A menina olha-me e percebo que dos olhos dela acorda o espanto, e percebo que dos olhos dela subtrai-se a admiração, e talvez se questione, julgo eu pelo sorriso que lhe cresce nos lábios, ela pergunta-se Quem será esta ave de rapina que a esta hora caminha junto à praia, e só, simplesmente só, e nem a sombra o acompanha?, e eu, eu repondo-lhe com um sorriso que nunca ando só e não sou ave de rapina Nunca ando só e não sou ave de rapina!, olhem-me esta miúda, ave de rapina…, eu nem sei voar,

 

Os chinelos tombam do sorriso da gaivota, e adormecem sobre a peugada esquecida na areia, e algo está errado, porque se os chinelos são dela e a peugada na areia lhe pertence, Porque não coincidem chinelos e peugada,

 

- Oiço uma voz Estás maluquinho, meu querido!, e não bastava eu ser ave de rapina, e não bastava eu não conseguir voar, agora, agora também sou maluquinho, e daqui a pouco dizem-me que estou a sonhar Estás a sonhar, rapazinho!, qual mar, qual praia, ave de rapina e gaivotas, chinelos e peugada, e oiço outra voz Estás maluquinho, meu querido!,

E inclino-me sobre o meu lado direito, e o mar travestiu-se de estante, a peugada e os chinelos de mão dada aos livros, e as gaivotas e a ave de rapina encolhidas nos cachimbos,

E ela tem razão, e esta miúda é mesmo esperta, E queres ver que estou mesmo maluquinho?,

 

Um murmúrio interrompe a noite, dos lábios dela as ondas do mar em silêncios e flores que se despregam aos bocadinhos e se disfarçam de beijos, os beijos evaporam-se entre as mandibulas das estrelas e a lua, e malmequeres caminham junto à praia, a água bate-lhes nos pezinhos, sentem um silencioso arrepio e saltitam sobre a areia ainda quente,

 

- Cerrar os cortinados da noite, e sobre a cama puxo os lençóis de espuma, cubro-me com o mar, ela apaga o candeeiro de estrelas, e quando lhe pego não mão o mar encostado ao meu peito adormece, e brinco com os lábios dela,

 

Sentem um silencioso arrepio e saltitam sobre a areia ainda quente, e em espaços desordenados desaparecem sobre o mar…

 

(texto de ficção)

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:48

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Setembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO