Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

Rosas encarnadas

Francisco Luís Fontinha 28 Abr 11

Que flor tão bela

Poisada na tarde em despedida

Na mão dela

Nua e despida

 

As horas ensonadas

No relógio embrulhado na escuridão

Rosas encarnadas

Rosas na tua mão.

 

 

Luís Fontinha

28 de Abril de 2011

Alijó

Precisa-se trabalho

Francisco Luís Fontinha 28 Abr 11

 

Desenhador de construção civil (Autocad) com 19 anos de experiência, frequência do 2º Ano do curso de Engenharia Mecânica e conhecimentos:

- Programa de cálculo Cype;

- Ansys;

- Matlab;

Procura trabalho em qualquer área (desde a escrita ao desenho).

 

Contactar Luís Fontinha

 

Fontinha_francisco@sapo.pt

 

Despedida da manhã

Francisco Luís Fontinha 28 Abr 11

Amor que se encosta à janela

Nos cortinados de renda púrpura

Os lábios da manhã à espera

Da minha boca em secura

 

Numa árvore o meu corpo pendurado

E nos meus ossos a brancura

Que do meu coração cansado

Despede-se a manhã com ternura.

 

 

Luís Fontinha

28 de Abril de 2011

Alijó

O sorriso de uma abelha

Francisco Luís Fontinha 28 Abr 11

Corre-me nas veias o sorriso de uma abelha

Na manhã desgovernada

No silêncio

Das pétalas que brincam na areia dos teus olhos

 

E nas paredes do meu esqueleto

Os pássaros que poisam e me sujam de porcaria

Eu sonâmbulo quando a noite me vem buscar

 

Para passear nas sombras dos candeeiros em delírio

Arrumadinhos junto à tua mão

Apanhando as lágrimas da tarde

Quando os malmequeres em demandada

 

Correm para o mar…

Corre-me nas veias o sorriso de uma abelha

Na manhã desgovernada

Na manhã de tristeza.

 

 

Luís Fontinha

28 de Abril de 2011

Alijó

Sobre o autor

foto do autor

Feedback