Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

Sem nada

Francisco Luís Fontinha 28 Abr 12

Nas paredes curvilíneas da memória

poiso os meus braços de prata

acaricio pacificamente

os meus lábios de incenso

e as pinceladas do meu rosto

vagueiam livremente no vidro transparente

de linho amanhecer

antes do pequeno-almoço

 

oiço a tua voz misturada

nas acácias do fim de tarde

oiço-te enquanto me olho nas paredes curvilíneas da memória

sem palavras sem estória

 

sem nada

 

poiso os meus braços de prata

acaricio pacificamente

os meus lábios de incenso

e nas pinceladas do meu rosto

acorda a madrugada

cresce uma rua sem saída

suspensa numa cidade imaginária

com muitas portas e janelas

e calçadas

e velhos que se esqueceram de acordar

e fingem orgasmos pulmonares

e constroem a felicidade

num vão de escada

sem nada

com barcos mergulhados

em oceanos testiculares

 

sem nada

 

de mão dada

às paredes curvilíneas da memória

os meus braços de prata

pacificamente acariciados

felizes

contentes

tal como os velhinhos

num vão de escada

 

sem nada...

Havia

Francisco Luís Fontinha 28 Abr 12

Havia sorrisos nos livros que eu lia

havia palavras nos sorrisos

nos livros que eu lia

havia

 

manhãs em desespero

dias intermináveis

sem sonhos

sem poesia

 

havia

 

(um rio que se despedia

nos livros que eu lia)

 

havia sílabas

e vogais

e jornais

com palavras intermináveis

e desenhos de algodão

e outras coisas mais

 

havia

 

(um rio que se despedia

nos livros que eu lia)

 

e morreu

antes de nascer o dia...

Sobre o autor

foto do autor

Feedback