Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

Com asas

Francisco Luís Fontinha 29 Abr 12

Um cachimbo com asas

abraçado a uma pomba tricolor

uma fogueira sem brasas

que beija as pétalas de uma flor

 

um cachimbo com asas

mergulhado no oceano do cansaço

um cachimbo rasca

à rasca

na sombra de um abraço

 

sem brasas

o cachimbo adormece sobre um livro doente

o cachimbo é eterno e infinitamente mente

com asas

 

um cachimbo prateado

cansado

moribundo

coitado do “Edmundo” (e não conheço nenhum)

chega a casa e sente

os gemidos do cachimbo doente

que infinitamente mente

que infinitamente com asas

em brasas

os lábios da sua amante

prateado

coitado

 

coitadinho do cachimbo

no limbo

sem sorte

à espera pacientemente da morte

coitado

deitado

 

com asas.

Vida sofrer

Francisco Luís Fontinha 29 Abr 12

A esta miséria viver

a que chamam de vida sofrer

 

caminhar numa rua sem saída

 

a esta miséria viver

quando escrevo um poema sobre o mar

a que chamam de vida sofrer

a que chamam silêncio de amar.

Sobre o autor

foto do autor

Feedback