Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

30
Jan 13

Me perdi, desencontrei, me amei e chorei por você, me perdi, e me cansei, me desorientei, tudo, tudo por você, sonhei, escrevi versos sobre a luminosidade das pálidas tardes que eu inventava para

Para você,

Inventei um sol e uma lua, construí jangadas de beijos e pintei

Para você,

E pintei o céu nocturno das planícies complexas dos orvalhos destinos em círculos de luz com olhos verdes e cabelo castanho, havia uma rosa dentro e um livro que eu roubei

Que tu roubaste num público jardim,

Que eu roubei de um silêncio de Primavera, para você, me perdi, desencontrei, e me amei

E chorei, inventei as loucas abelhas das paredes de xisto, e me cansei de procurar as ditas palavras do amor, me amei, e me apaixonei, tudo

Por você,

Amanhã serei um fio de solidão suspenso entre dois postes de iluminação, amanhã serei uma bola de neve com uma cenoura e duas azeitonas, muitos vão acreditar

E dizerem

Este é o dito António das névoas, homem de poucas palavras, desamado, desacreditado, este é ele, aquele que vocês diziam ter poderes mágicos na língua e que das mãos saiam versos, afinal, afinal este não é ninguém, por você

Amei, e chorei, e sonhei, e tombei

No pavimento térreo das amoreiras voadoras, tive sonhos e tive grandes loucuras sobre barcos com lentes de contacto, tive o céu ao meu dispor, e nada disso eu quis, não quero, detesto, as palavras do amor, os versos que escrevo, os versos que reescrevo, invento, a ventosidade, alimento-me das dálias masculinas e femininas dos jardins da Babilónia, e

Amei, e chorei, e sonhei, e tombei, da Babilónia para você

Um magnifico frigorífico a cores, uma máquina de café expresso, alguns livros e umas telas ranhosas que em horas vadias o dito António das névoas desenhou e pintou, tudo, tudo para você,

E hoje pergunto-me onde está ele? Nunca mais o vi, nunca mais ouvi os seus lamentos quando se sentava na varanda, quando puxava de um cigarro maroto, e desabafava palavras dele com as minhas palavras, quando misturava o fumo dele com o meu próprio fumo, e hoje

(Pergunto-me),

Amanhã serei um fio de solidão suspenso entre dois postes de iluminação, amanhã serei uma bola de neve com uma cenoura e duas azeitonas, muitos vão acreditar, outros nem por isso, há ainda aqueles que dizem ser eu uma aventura de rapazes meios loucos caminhando na margem esquerda do rio sem destino, e amanhã, onde estará ele?

Dizias-me que o amor era uma flor com pétalas de papel embrulhadas em perfume de amêndoa, a princípio pensei em chocolate, depois em camarão, verifiquei e lembrei-me

Desculpa filho, mas como sabes sou alérgica ao camarão,

E lembrei-me da dita rosa embalsamada dentro de um parvo livro, e pergunto-me, onde estará ele? E ela pergunta-se

Viste-o?

Pergunta-se porque deixaram de crescer as ervas à volta da eira, debaixo do canastro uma réstia de lâmina de amanhecer ainda resiste às tardes de prazer, como se os alicerces dos muros em betão que nos separam estejam prestes a ruir, e então

Deixo de perguntar-me

E também pouco importa, porque ambos estamos mortos, desde a manhã de Sábado quando o tejo entrou através das nossas janelas da paixão, e

Afogou-nos como duas barcaças de linho, e dizerem

Este é o dito António das névoas, homem de poucas palavras, desamado, desacreditado, este é ele, aquele que vocês diziam ter poderes mágicos na língua e que das mãos saiam versos, afinal, afinal este não é ninguém, por você

Amei, e chorei, e sonhei, e tombei nas suas coxas de diamante lapidado...

 

(texto de ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:09

Janeiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO