Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

09
Fev 13

Conheci um velho, fumava cachimbo e tinha como hobby encantar e desencantar as serpentes invisíveis de um circo ambulante, apaixonei-me pelo circo desde muito novo, fascinava-me olhar as luzes, as mulheres que voavam sobre a circunferência em formato de palco, no chão apenas um tapete de lona, sobre as cadeiras uma penumbra de giz brincava nas ardósias masculinas que acompanhavam os filhos, e as filhas, e as mulheres, e as namoradas, e os namorados, e todas as moscas devido à presença de animais domesticados que o domador ia desenhando numa parede verde com flores amarelas, conheci o velho Domingos e desde esse dia

Nunca mais o esqueceu, iam passear para os descampados longínquos das casas de madeira e zincadas, como as chaves de casa, ou quando se abriam os portões dos quintais com mesas de madeira, e cadeiras de cimento, e sobre as mesas, garrafas vazias de cerveja Cuca, botões em decomposição que saltavam das camisas que aos poucos inchavam como pedaços de esponja com as chuvas de fim de tarde, e ele entre voos e fantasias, acreditava que um dia ia ser artista de circo, malabarista, trapezista ou encantador de serpentes como o velho Domingos, acabou por ser mordomo e apaixonou-se pela patroa,

Saboreava as quitetas com o molho de sombra de mangueira, de olhos vendados, noite e dia, lembrava-se das ondas do mar de barcos em fila para entrarem na barra, um triste rebocador puxava-o até que ele depois de encostar na plateia, sentava-se, alinhava-se na cadeira e empurrava as pernas até encontrar os silêncios de capim do recinto onde tinham atracado o circo dos sonhos, os barcos misturados com as bailarinas, em círculos concêntricos, e acabavam a noite a extrair a raiz quadrada dos seios da menina Augusta, que sobre as mesas de madeira dos quintais, e cadeiras de cimento, e sobre as mesas, garrafas vazias de cerveja Cuca, botões em decomposição que saltavam das camisas que aos poucos inchavam como pedaços de esponja com as chuvas de fim de tarde, ela só, e só ela, abraçava-se à serpente que só o velho Domingos com os seus dedos de arame sabia entreter,

Eu era um menino húmido com pétalas de papel crepe,

(fico triste, muito deprimido, quando termino a leitura de um livro e começo a leitura de um novo, e fico com a sensação que algo dentro de mim se perdeu, morreu, enterro as personagens antigas e visto-me com as novas, apago com o apagador o giz da história de ontem e recomeço esta noite com uma nova história, e às vezes tenho a necessidade de deixar uma história em suspenso, hoje não sei, se recomeço “O Ano Em que Zumbi Tomou o Rio” de José Eduardo Agualusa, ou comece um novo que espera por mim há tempos infinitos e que por falta de tempo ou paciência fui deixando para o futuro, e hoje, hoje talvez pegue no “Livro do Desassossego”, porque não? Terminado o livro “Dentro do Segredo” de José Luís Peixoto, que dizer? Que uma tristeza se apoderou de mim como os tentáculos de um polvo em volta do meu pescoço de cana de açúcar; e por mais que eu tente, não consigo imaginar-me a viver num País como a Coreia do Norte),

Prefiro ser mordomo e loucamente apaixonado pela minha patroa, senhora distinta, frágil como uma semente de girassol, foi artista de circo, trapezista nas nocturnas noites de Luanda, sobre o arame não havia igual, e tal como as serpentes do velho Domingos, também ela necessita de uns dedos de arame com sabor a baunilha, e beijos e beterraba, e

Havia flores no cabelo da Patroa, o mordomo, loucamente apaixonado pelos circos ambulantes que aportam nas cidades e aldeias e vilas e mares clandestinos das avenidas mortas pelo tédio das grandes e longas mãos que engolem a flauta do velho Domingos, e a serpente de areia saltita em pedaços de milímetros amarrotados nas manhãs antes de acordarem as sombras do tio Francisco, o amor, o amor e a velha paixão de amar o desconhecido poema com palavras de vidro, e

E

Eu era um menino húmido com pétalas de papel crepe,

E

Nunca mais o esqueceu, iam passear para os descampados longínquos das casas de madeira e zincadas, como as chaves de casa, ou quando se abriam os portões dos quintais com mesas de madeira, e cadeiras de cimento, e sobre as mesas, garrafas vazias de cerveja Cuca, botões em decomposição que saltavam das camisas que aos poucos inchavam como pedaços de esponja com as chuvas de fim de tarde, numa parede verde com flores amarelas.

 

(texto de ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:48

Não sei

nunca percebi as tuas palavras despidas

e nuas

não sei e não percebo as antigas línguas de fogo

que as tuas mãos aprisionam como o fazem todos os amores das noites inventadas,

 

Acordam os amantes e as lágrimas derramadas

barbies madrugadas com seios de prata

e olhos em penumbra escuridão aos lábios em marés de silêncio

não sei

como será a lua depois da morte,

 

Não sei

como será o amor depois do vidro coração

se partir e repartir em pedacinhos

que as alvoradas cintilações adormecem

e comem como se comem as torradas com fénix dilacerada,

 

E nada

nem a noite

nem a triste madrugada

nem uma janela desesperada

no asfixiar sémen das palavras por dizer,

 

Ela suicida-se nos peitos amargos dos amantes de luz

deita a cabeça

cerra hermeticamente os olhos de solidão

puxa por um cigarro esquecido sobre a mesa-de-cabeceira

e percebe que ele há nove meses que não fuma,

 

E não sabe

e eu também não sei

se é menino

menina

ou gémeos contratados como as estrelas de papel dos orgasmos nocturnos,

 

Que voam

voam como pássaros imundos

sujos

sem cigarros como eu

como eu há nove meses sem fumar.

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:21

08
Fev 13

Desejava morangos, ofereceste-me pêssegos com sabor a ácido acetilsalícilico, hesitei, depois deste-me um pau de carvão para escrever o meu nome na parede do sono, tentei, sabes que sim, mas foi tão difícil, e não consegui, desisti, e mergulhei

Na triste insónia da dor que as madrugadas deixam ficar sobre os corpos húmidos dos amantes antes de partirem, e trazem depois o dia, tristes às vezes, límpidos, suados, molhados como as folhas das árvores depois da miudinha chuva de fim de tarde, nas Primaveras cansadas, entre pedras de paixões proibidas e os vidros fumados dos pulmões doentes do velho de mãos encardidas pelo tempo dos sonhos, ouvia-te mergulhar nas lágrimas dos poemas de amor que a tua mãe tinha semeado, antes de partir para o eterno descanso, e assim nasceu o primeiro beijo, construído com hélices de tungsténio e as turbinas que os púbis desprotegidos das montanhas deixam ficar junto à ribeira das águas onde brincavam as palmeiras do largo com pavimento em paralelepípedo,

Ontem havia cenouras ao jantar, cansavam-me os pêssegos com sabor a ácido acetilsalícilico, e confesso, a ti, só a ti, o que eu desejava mesmo eram morangos com pétalas azuis e olhos esverdeados, como as nocturnas miúdas que esperam pelo amor junto aos candeeiros a petróleo, sílabas, palavras cada uma a cinco cêntimos

Vai uma voltinha, meu querido poeta?

Inseria a moeda na ranhura, fincava os dentes como se tivesse na minha boca um aloquete made in China, e eu sentia o perfume das flores mortas dentro dos lençóis de carqueja que até chegar ao cimo da montanha desgovernada, eu, o desgraçadinho homem das sete palavras e meia, ia deixando aqui e ali, e hoje, hoje a montanha parece um ninho de morcegos, quartos duplos com casa de banho privativa, pequeno-almoço incluído, por uma módica quantia de vinte e cinco euros, a pensão envelhecia, do proibido amor, que

Vai uma voltinha, meu querido poeta?

O poeta desgraçadinho, aquele que desejava morangos em vez de pêssegos com sabor a ácido acetilsalícilico

Desculpa, não percebi,

E as portadas da noite desciam até encobrirem todas as árvores da cidade que um coração de xisto alimentava, acariciava, que todos os homens fingiam não existir, que todas as mulheres diziam ser um embuste, falso, maligno, o coração de pedra, e no entanto, eu

Desculpa?

Eu prefiro os corações de pedra aos fingidos torrões de açúcar.

 

(texto de ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:31

Um vulcão de areia

entranha-se na minha pedra mão

como se os Sábados fossem silêncios de prata

cansados do orvalho que durante a noite

poisa levemente sobre as árvores nuas,

 

Acreditava eu

que os bichos tinham na algibeira beijos de silício

e ramos de alecrim

acreditava ela

que eu escrevia palavras nos lábios das estrelas,

 

E suspendiam-se em mim

as garras perfeitas das canetas de tinta permanente

que sobre a solidão de uma folha de papel

sozinha

desenhava sorrisos com dentes de poesia mórbida,

 

Ouviam-se os corredores da morte

procurando as suas almas

e mesmo assim

acreditava que me amavas

como os pássaros amam os pedacinhos de sol das searas abandonadas,

 

Tinha medo das cartas de amor

que nunca conseguiste escrever

porque dentro de ti

há uma janela com diamantes

que deixa fugir todas as palavras belas que a paixão amealhou.

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:31
tags: , ,

07
Fev 13

As cerejas pareciam loucas de ciúme enquanto ele saboreava um cacho de uvas cor de sílabas mentirosas e sorrisos de poeira, e conforme o retirou da nobre videira assim foi saboreando cada bago, bolinhas de sumo com sabor inconfundível, bolinhas imaginárias com olhos de prata apontando os desfiladeiros que o levavam até ao rio, curvas de carris caminhavam como se fossem grãos de areia a descer a montanha, bem lá no altíssimo altar da natureza, jazia um abrunheiro com bronquite e ao lado, na cama número treze, um pequeno pessegueiro a queixar-se de dores intensas na coluna, o médico, um castanheiro de meia-idade tinha-lhe diagnosticado reumatismo agudo, devido à doença da Tinta, em frente a ele, na cama número nove dormia o limoeiro, que devido aos sedativos que sobejavam dos pingos das bolhas castanhas que uma fina prata de alumínio derramava, pedrado como os seixos brancos dos mares clandestinos, há dois dias que tinha levantado voo e apenas víamos o corpo esquelético sobre os cobertores de aço onde se deitava, o resto

Ninguém sabia onde encontrar,

Tinham-se esquecido de encerrar as janelas, estava vento, tínhamos medo que a sua força levasse os frágeis ossos do adormecido limoeiro, uma roseira, experiente catalogadora de ossos, numerou-os, e um a um, todos, como se fossem pedras de granito quando um ricaço qualquer as resolve transladar para outro local, a bananeira, desenhadora e escritora, fez o respectivo esboço, e assim, tínhamos a garantia que tudo o que acontecesse ao coitado do limoeiro, sempre o podíamos reconstruir, e levá-lo para outro local, se necessário,

Tenho quarenta e sete anos, sou um plátano e perdi vinte e cinco quilogramas, e tudo por apenas três drageias por semana, agora sinto-me..., sinto-me como se tivesse vinte anos, o tronco está mais delgado, e os meus ramos, encolheram, e agora até já consigo sentar-me num dos bancos de madeira que vivem no jardim ou baixar-me e colocar a caixa vazia de cigarros na papeleira, e tudo quase sem esforço, e tudo por pouco dinheiro,

E ninguém sabia onde encontrá-lo, na aldeia até já tinham pedido ao senhor Prior para rezar uma missa pela sua pecadora alma, e em uníssono diziam

Coitado do limoeiro, no fundo era um desgraçado, e tirando o vício, uma jóia, uma jóia de árvore

O senhor Prior rezou a missa pelo seu desaparecimento, ao centro da Igreja tinham colocado a fotografia a preto e branco de quando ele ainda era uma árvore robusta, forte, e nem a mais agreste das tempestades a conseguiam derrubar, mas agora, agora vive na agonia de partir sem que venham a saber a verdadeira história dele, e talvez por essa razão, hoje relate a vida e os saborosos limões que este meu amigo limoeiro deu, vendeu, e se não fosse o maldito vento

Ninguém sabia onde o encontrar, e o maldito vento conseguia arrastar as rochas do fundo do mar até ao santuário, nas algibeiras viemos a descobri pedaços de corda de nylon, não percebíamos qual a sua utilidade, mas hoje sabemos que foi com essas mesmas cordas que o triste limoeiro se suicidou, quando acordou da sonolenta paixão pelas bolhas castanhas, amarrou-se com uma das pontas da corda de nylon e a outra ponta prendeu-a a um dos pilares da enfermaria, depois

Depois coitado, ninguém sabia onde o encontrar,

E depois, quando já a noite poisava sobre o pavimento irregular da enfermaria-montanha, ergueu-se, cruzou os braços e voou em direcção ao abismo, e gritava enquanto sufocava

Detesto mentiras, Detesto mentiras, Detesto...

 

(texto de ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:21

06
Fev 13

Cessaram-se-lhe todos os ínfimos pingos de chuva que mergulhavam nos olhos vendados do homem prisioneiro da janela dos sonhos, havia silos de areia para ornamentar o regresso das navalhas de prata que docemente alimentariam o peito almofadado, acordava o vento que dançava abraçado aos ramos cintilantes das eternas manhãs desprovidas do orvalho semeado durante a noite por um vagabundo com um chapéu de palha seca, começava a chover pedacinhos de botões de açúcar, e mesmo antes de cessarem-se-lhe todos os ínfimos pingos de chuva que mergulhavam nos olhos vendados, ele cuspia pequenas golfadas de vento que fazia correr as folhas mortas que poisavam sobre a relva como um cobertor de lã sobre uma cama imaginária, que todos sabíamos, só ele, apenas ele, conseguiria ver, tocar, deitar-se nela, os dias passava-os sentado numa pedra granítica que tinha sobejado da reconstrução do cais do silêncio, e tinha por hábito cruzar os braços e fincar os lábios nos dentes de gesso há muito fora de validade,

Eu temia o regresso às árvores de poeira com ramos de algodão, sentia-lhes o cheiro intenso quando um interruptor de luz desligava-me os aparelhos vários que dentro de mim habitavam, e que eu já me tinha habituado, tão habituado, que muitas das vezes nem de dava conta que vivia com electrodomésticos no interior do meu estômago, ou um exaustor no interior dos meus pulmões calcinados pelo betuminoso que eu pisava na rodovia que me levava até casa, sentia-me completamente só, e nem os pássaros embalsamados, também eles sós, dormiam tão tristemente como eu dormia, quando as noites chegavam e eu fazia de conta que não estava em casa, batiam-me à porta e eu sabia que do outro lado ninguém à minha espera, talvez um velho morcego, em voos nocturnos, ou um pedra da calçada que se tenha soltado quando da passagem do eléctrico,

Ele acreditava nos abraços do amor e nas relíquias de espuma que o desejo deixava ficar sobre a mesa de pedra no centro do quintal, em volta, uma ramada servia de parede diurna e que quando da vindima colhiam uvas ranhosas completamente embriagadas pelas abelhas do senhor António Joaquim José de Pedro, e um enormíssimo ramo de flores com apetites de pólen esvoaçava como esvoaçavam as gaivotas sobre os velhos cacilheiros que o antigo Tejo abrigava como um pai quando pega no seu filho, e o beija, e o acaricia, e lhe diz baixinho,

Deus te proteja, meu querido filho,

Desconheço se algum dia o meu pai fez o mesmo, e se o fez, nem sequer me apercebi, porque perante Deus não existo, como não existo

Ele tinha medo do sono,

Como não existo nos dias ímpares, como não existo estatisticamente neste País de marinheiros sem embarcações robustas, e as poucas que existem, são como o xisto dos socalcos do Douro, parecem esponjas que absorvem toda a água, e os rios tornam-se chatos, amargos, tristes, e de olhar carrancudo,

Ele tinha medo do sono, vestia-se de preto, e no pouco cabelo que lhe cambaleava sobre a cabeça, prendia-lhe uma rosa com um arame de oiro, descia e subia os poste da iluminação pública, e não quero mentir, mas dizia-se que ele era filho da noite e da Lua crescia, fruto de uma relação proibida e extraconjugal, como muitas, e tantas, algumas felizes, outras

Como não existo quando os sons da Primavera dançam no cimo da copa das árvores, como não existo quando me olhas como um louco, um morto-vivo, moribundo, murmúrio magma dos seios de marfim que um artesão esculpiu nas paredes de mármore do meu empobrecido túmulo, como nunca existi

Outras, um fumo azul-celeste rompia a sujidade húmida do cachimbo usado pelo velho António Joaquim José de Pedro, sabíamos que no tabaco bolorento misturava-lhe as drageias para a próstata, insónia e reumático, às vezes, quando não se esquecia, introduzia também pequenos grãos de pólen para as constipações, dizia-nos ele quando lhe perguntávamos o que faziam grãos de pólen misturados no tabaco de cachimbo,

Hoje ninguém se interessa pelo magnetismo que tinham e têm os espectáculos de circo, a magia da inocência, as pálpebras de lona suspensas no tecto embaciado das matinés embrulhadas no ténue cacimbo da saudade, ouviam-se os lilases sorrisos da menina trapezista sobre um arame invisível, eu conseguia ouvir-lhe a respiração ofegante, trémula às vezes, em gemidos de Pôr-do-Sol, outras,

Ele tinha medo do sono,

Duas galinhas tinham acabado de morrer por afogamento, e o zinco que as cobria, em círculos no quintal do vizinho, eu gostava dele porque às vezes via-o em pequenos voos em volta das mangueiras, e com um saco de rede, recolhia todas as sombras que encontrava, dizia-nos que serviam para nas horas vagas fazer pequenas esculturas que posteriormente as vendia na Baía de chocolate banhada pelo mar de amêndoa, e também sejamos francos, o que são duas galinhas e três ou quatro chapas de zinco?, trocos, miúdos (de frango?), bonecos de borracha pendurados num triciclo enferrujado, como eu, que deixei de existir, que deixei

Medo do sono,

Colorir-me com o medo do senhor António Joaquim José de Pedro e quando acordar em mim a insónia, fazer de conta que não existo, como sei que nunca existi

Para ti, para mim, para eles, para elas,

Em vidro opacos completamente mergulhados nas roldanas de um relógio de pulso, e sabia-o

Que nunca existiram pingos de chuva,

E sabia-o

Que nunca existiram olhos vendados,

E sabia-o

Que nunca existiu um homem prisioneiro e a janela dos sonhos era uma grade de aço com boca de quadriculas que faziam sombra nos silos de areia.

 

(texto de ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:45

05
Fev 13

Que faço eu sobre este pedaço de gelo esquecido no intranquilo mar da solidão? Perguntavam-se-lhes homens com cabeça de abóbora e olhos de cinzento amanhecer, não respondiam, cerravam os lábios de giesta nas rochas onduladas do faminto monte dos milagres incompreendidos, olhávamos-nos, e víamos entre os poste de cimento que seguravam as velhíssimas videiras, constituindo assim a ramada mais longa e indigesta da aldeia dos bebés filhos da água, os feridos pássaros pelos suspiros das almas gémeas, havia

Que faço eu aqui, meu querido?

Peso? Espaço? Solidão ou paixão em limites parêntesis das quadriculas enumeradas pelo professor de Matemática, via nas equações o sofrimento das palavras, dos homens, e das mulheres disfarçadas de flores com pétalas de sol, e no entanto, não me respondes à simples questão

Que faço eu aqui, meu querido?

Havia pinheiros velhos com bengalas de sombra e da penumbra escuridão dos olhos cinzentos dos homens com cabeça de abóbora uma atmosfera de embriaguez soltou-se da mesa com piso de mármore onde deixavas ficar os pedaços de papel e a caneta esfomeada, sem tinta, secos os mamilos da poesia, e no entanto

Quando me perguntas

O que faço eu aqui?

Não sei minha pobre filha com sabor a morango, e no entanto, uma navalha entranha-se-te e olhas-me de soslaio sabendo tu que nas minhas mãos vivem grãos de pólen e sementes de aveia, e tu apenas desejas que eu te responda à simples questão

Que faço eu aqui, meu querido? E dizes-me que não és abelha, Eu não sou uma abelha, portanto não preciso do pólen das tuas mãos, confesso em voz baixa que

Ela tem razão, como têm todas as noites de vigia que eu passava a olhar as bandeiras pintadas de orvalho quando desciam a calçada as meninas com borboletas pintadas na saia, sobre os cabelos tinham uma vaga escura vinda do oceano quando ainda tínhamos oceano em casa, abríamos a janela e encontrávamos os lábios da doce nuvem pintalgada de desejo e olhar doentio, e quantas vezes perdemos o que desejamos por nos calarmos? Ouvia-a enquanto queimava alguns dos meus desenhos na lareira, e confesso em voz baixa que começo a ficar um sonhador liquefeito, e confesso em voz baixa que começo a ficar sonolento, e sinto-me escorrer para a sarjeta em frente à casa dos pilares de areia, cheira-me a ferro fundido, a aço emagrecido, cheira-me a bolhas de luz com dentes de alumínio, e

Quando me perguntavas

O que faço eu aqui?

Dizia-te que havia pinheiros velhos com bengalas de sombra e da penumbra escuridão dos olhos cinzentos dos homens com cabeça de abóbora uma atmosfera de embriaguez soltava-se da mesa com piso de mármore onde deixavam ficar os pedaços de papel e a caneta esfomeada, sem tinta, secos os mamilos da poesia, e no entanto, tal como ontem, hoje, amanhã, continuarás a perguntar-me

O que faço eu aqui?

E eu perguntar-te-ei se gostas de cá andar

Gostas de cá andar? No mundo? Responder-me-ás

E vais esconder-te nos dejectos das palavras em cio,

Como os rios misturados nos envergonhados barcos, ao longe sente-se o latido de um canino solitário, talvez, tal como a caneta de tinta permanente, aquela que há pouco ficou esquecida sobre a mesa de mármore, esfomeada, sem tinta, com os mamilos da poesia secos, extintos, talvez eu tenha de assassinar a mulher de porcelana e o homem de vidro, que vivem, que vivem perguntando-me

O que fazemos aqui? Quantos éramos antes de possuirmos o teu corpo?

Que vivem disfarçados e disfarçadas como as raízes dissolvidas no almofariz da noite voadora com penas de cetim, havia, havia, havia em cada electrão um raio ínfimo com a capacidade de transformarem-me em gelo, e assim, deitava-me liquefeito e acordava solidamente sorridente, como as perdizes cansadas que deixaram de voar no monte da fantasia, bastando-lhes para isso, baixarem bruscamente a temperatura do amor confuso, fusco, vigiado por cabeças de alfinete ante do Big Bang, e depois eu ficava um pedaço de gelo esquecido no intranquilo mar da solidão.

 

(texto de ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:20

04
Fev 13

Hoje, vive em mim o sono trémulo das searas de xisto onde brincam os corações invisíveis das terras longínquas que mergulham no cimento frio das mãos húmidas que as palavras incendeiam quando entram dentro da lareira, a voz rouca da solidão transforma-se num vulcão de sabão e dele saem pequeníssimas bolinhas mortas, algumas sobrevivem às almofadas do quarto escuro onde se esconde o libertino cortinado de amêndoa, outras, transparentes como as asas das borboletas castradas enroladas em fios de luz perdidos nas ruas desertas da cidade abandonada, sós e tristes, sós e cansadas, às vezes vêm até nós o esqueleto moribundo do velho Francisco dos lábios ensanguentados pelas pétalas das rosas mais belas do jardim do silêncio, ouviam-se os murmúrios das palavras que um miúdo escrevia nas paredes de vidro, e havia dentes de marfim nas clandestinas bocas das armadilhas enfeitadas com ventosas de aço, que

Hoje, vivem eternamente prisioneiros dos aviões de papel,

Que o segredo acordava todos os dias pela madrugada, vestia-se de negro, descia as escadas até à cave e abrindo uma porta de madeira prensada, começava o enfezado caminho através dos perpétuos corredores da morte, um labirinto de desenhos pintados com lápis de cor e acrílico sobre tela de linho, rodeavam o tecto fingindo o céu com as estrelas, as verdadeiras estrelas que a loucura semeou nas varandas dos edifícios perdidamente apaixonados pela cidade, muitos, muitos sucumbiam até derreterem-se, e via-os a despirem-se e apenas ficava o líquido pegajoso de chocolate fora de validade, passaram os anos, e todas as ligaduras que suspendiam as cabeças de areia à velha janela, acordaram e quando se olharam ao espelho da enfermaria, todas, gritaram

Agora somos pó,

Hoje, vivem eternamente prisioneiros dos aviões de papel,

Gritaram e não abri a porta, fingi que dormia profundamente, e quem do outro lado incessantemente procurava por mim, acabou por desistir, como todos aqueles que me procuram

Agora somos pó,

Desistem, morrem, fogem durante a noite enquanto os carris de aço dormem como flores de abelha nas esplanadas de mel, queria pintar-me de preto, vestir-me de preto, construir umas asas de mulher apaixonada com pele cremosa e suada, com cabelo curtíssimo, corte tipo rapazola, e voar até que a morte nos separasse, e voar

(Gritaram e não abri a porta, fingi que dormia profundamente, e quem do outro lado incessantemente procurava por mim, acabou por desistir, como todos aqueles que me procuram),

E eu não sabia que o amor pode viver numa esquina de um prédio em ruínas no centro da cidade, e eu não sabia que o amor pode viver dentro de uma árvore de tecido com olhos verdes, ou castanhos, ou mesmo azuis, porque eu sou um parvalhão e um grandessíssimo estúpido, e não sabia que o amor vive e está em todo o lado, e em cada esquina um poeta procura por palavras, porque

Eu não sabia

Agora somos pó,

Porque o amor é uma coisa esquisita, indefinida (para mim, claro, que sou um grandessíssimo estúpido e parvalhão), e eu não sabia que o amor pode ter asas, e voar, como os pássaros que vejo todas as noites poisados sobre a mesa-de-cabeceira, juntamente com o “Dentro do Segredo” de José Luís Peixoto, e confesso, confesso que não sabia que o amor era isto, coisas, papeis nas paredes da inocência, cabelos soltos no vento da manhã saborosamente que uma caneta de açúcar vai escrevendo no relógio de pulso do poema acabado de escrever, porque

Eu não sabia

Agora somos pó,

Porque eu não sabia,

Que todos, alguns, desistem, morrem, fogem durante a noite enquanto os carris de aço dormem como flores de abelha nas esplanadas de mel, queria pintar-me de preto, vestir-me de preto, construir umas asas de mulher apaixonada com pele cremosa e suada, com cabelo curtíssimo, corte tipo rapazola, e voar até que a morte nos separasse, e voar, voar, e voar até à morte do poema,

Porque eu não sabia que o amor é tão simples com a aritmética...

 

(texto de ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:03

03
Fev 13

Desenho-te vezes sem conta

nos lençóis obscuros de púrpura neblina

quando do cais dos teus seios de infância

há barcos em silêncio

e ondas invisíveis no sorriso da tua pele ornamentada,

 

Finjo que nunca te amei

como acredito que as árvores têm palavras amigas

quando encosto o meu ouvido ao tronco sólido sentindo o desejo

e a mágoa desajeitada das sílabas sem papel nem tinta permanente

quando regressas a casa e finges que eu não existo,

 

Não me importo

como nunca me importei

com o dinheiro

riqueza

casas com piscina,

 

Nada me faz feliz

a não ser

desenhar-te incessantemente nos lençóis obscuros de púrpura neblina

quando do cais dos teus seios de infância

há barcos em silêncio,

 

Há casas desabitadas

com telhados de vidro

há flores de cartolina com pincéis de lábios de ti menina

menina dos sonhos de oiro

quando regressa a noite,

 

E finges que sou um livro sobre uma mesa-de-cabeceira

louca como todas as mesas-de-cabeceira

trôpega como todos dos guarda-fato com espelhos convexos

e dentes perplexos

como as bocas das cansadas madrugadas de areia...

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:46

O fim dos dias,

Ontem tinha a certeza que das poucas coisas que me restavam eram estes poucos poeirentos livros, alguns antigos, mais velhos do que eu, alguns até mais velhos que o meu pai, outros, oferecidos por mulheres apaixonadas, outros, coisa nenhuma, apenas amizades que prezo e sempre prezei, o mais importante da vida são os amigos, claro que eu sou apelidado de louco e muitos irão pensar que estou errado, outros, outros que tenho razão, e outros ainda, que sou um parvalhão sem eira nem beira, e talvez o seja, e talvez não

E fico sempre assim, assim como? Assim, sempre que assisto ao fim dos dias, assim como se eu fosse um vulto vestido de sombra à procura de um espelho, olhava-me e via do outro lado alguns arbustos e um pedaço de rio em relâmpagos cinzentos acabando por despenharem-se nas raízes da paixão, como os limos, como os orgasmos que voam entre quatro paredes, como eles, os toques disponíveis no Facebook (servem para quê?), explicam-me que

Servem para não me ficar a dormir enquanto conduzo, isto é, enquanto escrevo, que servem também para eu perceber que estou vivo, ou

Para anunciarem-me o fim dos dias

Será?

Sim, o fim dos dias sem eira nem beira, oiço-os e fico furioso quando me dão toques e quando respondo, não me respondem, tal como a noite quando regressa, saio de casa, fecho hermeticamente a porta de entrada, meto as chaves na algibeira, puxo por um cigarro virtual, e

Fica dia,

Volto a meter o cigarro virtual na algibeira, volto a tirar vagarosamente as chaves, abro a porta de entrada, entro em casa, e

Fica novamente noite,

Desisto,

O fim dos dias,

(Manuseio-o e aprecio a beleza de um Cachimbo construído pelo artesão João Reis, é lindo, e felizmente tenho um entre mãos, manuseio-o e recorda-me os silêncios intermináveis das noites em que eu ainda conseguia voar entre quatro paredes como os orgasmos, ou com um pouco de sorte encontrar nas centenas de poeirentos livros alguns com a tua dedicatória, possivelmente existirá um, um apenas, como os toque que não servem para nada

A não ser,

A não ser proibir-me de adormecer enquanto escrevo),

O fim dos dias, os vultos meus pintados no espelho do guarda-fato, queria ficar sempre lá, como um prisioneiro condenado a prisão perpétua, até que um toque me acordava e libertava,

Abaixo as ditaduras e todos os ditadores deste planeta, abaixo as paixões e os amores das flores carnívoras, abaixo as janelas e as fotografias e os rios que dormem nas cidades de vidro, abaixo os toque, os malditos toques que não servem para nada, rigorosamente nada,

Como uma, apenas uma se existir, dedicatória num dos meus velhos e poeirentos livros,

Na fogueira que cresce, se alimenta, e sorri, à lareira

A tua lareira embrulhada em sonhos e quadradinhos de chocolate, há palavras por dizer, e frases por escrever, e

O fim dos dias,

E

Sim, o fim dos dias sem eira nem beira, oiço-os e fico furioso quando me dão toques e quando respondo, não me respondem, tal como a noite quando regressa, saio de casa, fecho hermeticamente a porta de entrada, meto as chaves na algibeira, puxo por um cigarro virtual, e

E

(acabo de receber mais um toque “virtual”).

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 20:29

Fevereiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO