Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

08
Fev 14

foto de: A&M ART and Photos

 

Há uma fogueira sem nome que alimenta as lágrimas tuas,

há uma lareira em fome procurando os teus lábios mergulhados no nocturno sofrimento do desejo,

há em ti uma luz ténue que consome, que vive, que... que escreve no teu corpo os versos da solidão,

há uma fogueira que morre,

uma labareda dançando na calçada da vida, que vive, não vive... e sofre, e morre... morre como morrem as pétalas dos jardins de papel,

há uma fogueira sem nome dentro do teu peito anónimo, perdido, uma fogueira... com mãos de mendigo,

 

Há uma fogueira nos barcos que passeiam no teu rio, o rio que tens dentro das tuas vadias veias,

há um menino que chora,

há uma mulher que não dorme, e acredita nos telhados de vidro,

há lá fora um cão chato, que não se cala, que... e sofre, e morre... morre como morrem as pétalas dos jardins de ternura,

há um vestido suspenso no guarda-fato, “procura-se empregada doméstica”, menina séria, menina honesta,

há... há uma vida construída de pequenos aviões, sem motor, sem palavras... sem sonhos, nada, nada há nos teus sobejantes cansaços em delírios febris.

 

 

@Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sábado, 8 de Fevereiro de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:18

07
Fev 14

foto de: A&M ART and Photos

 

Hoje preciso de sorrir,

simplesmente... hoje, um simples olhar, como as pálpebras do silêncio entranhada nos teus olhos,

hoje sinto-me como uma gaivota apaixonada,

alegre,

não cansada, pelo contrário... cessaram os cansaços,

os... cessaram os triste segundos de tristeza...

hoje, hoje apenas um sorriso,

hoje... como ontem sentíamos os desejos em pequenos pedaços de papel...

 

 

@Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sexta-feira, 7 de Fevereiro de2014

(só agora percebi que tenho andado a publicar poemas escritos em Fevereiro e coloco-lhes a data de Janeiro... coisas da vida)

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:21

Francisco Luís Fontinha - Alijó

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:40

06
Fev 14

foto de: A&M ART and Photos

 

O arvoredo das encostas socalcos que iluminam as mãos de pérola adormecida teu olhar,

não existem,

não brincam como brincávamos junto ao cais de embarque,

havia entre nós uma rede supérflua de mendicidade que nunca acreditados deixar de existir,

sofríamos,

dançávamos sobre os telhados lânguidos das esplanadas com tosse,

e ouvíamos os silêncios da solidão palmilharem os andaimes do desassossego,

íamos vivendo como morcegos prisioneiros de uma noite inventada por uma locomotiva enlouquecida,

e triste,

e triste como toda a noite o é,

e triste como todos os livros em palavras embriagadas...

o arvoredo das encostas socalcos que iluminam os dissecados objectos de porcelana,

 

O alicate da saudade poisado sobre a almofada do cansaço,

o medo de perder as imagens das fotografias embalsamadas,

e triste...

triste não existir no olhar da madrugada,

e triste...

triste pertencer aos laminados lábios do desejo,

como vampiros beijos subindo as encostas socalcos,

os malvados suspiros da paixão,

a dor transformada em iluminação pública,

doirada como os teus abraços quando acordam as sílabas envenenadas...

e a toda a velocidade, e como todos os jardins suspensos da Babilónia...

tu, tu pertences-me como me pertencem os teus doces cabelos de maré ensonada.

 

 

@Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quinta-feira, 6 de Janeiro de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:07

05
Fev 14

foto de A&M ART and Photos

 

Sorrisos do pincelado amarelo na tela da insónia,

pequenas poucas palavras sobrevivem nos teus lábios de sanzala perdida na noite,

ouves as vozes do deambulante cacimbo caminhar sobre os charcos invisíveis da madrugada,

e sorrisos do pincelado amarelo, sobressaem dos granitos verdes em jardins de papel, sorrisos, amarelo pincelado na tela da saudade, mergulhados... encarcerados todos, todos os homens de gabardina cinzenta...

nas cavernas das tempestades nocturnas dos comboios em movimento,

 

Sei que sou perdidamente um filho do circo,

um trapezista, um mísero malabarista... um feliz palhaço com dentes em marfim,

um velho crocodilo de mpingo apaixonado pela terra encarnada das manhãs tuas mãos...

 

Sorrisos que eu não esperava,

que eu... nunca acreditei existirem,

nuvens de porcelana,

janelas sem persiana... portas com vidro duplo e de gonzos embriagados,

sorrisos, tantos sorrisos de pincelado amarelo...

sorrisos cansados da vida construída sobre as árvores de cetim.

 

 

@Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quarta-feira, 5 de Janeiro de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:58

04
Fev 14

foto de: A&M ART and Photos

 

Sentes o vento nos finos tapetes de solidão, e cansas-te, e murmuras...,

e murmuras os ínfimos castigos da cidade em construção,

tens medo dos holofotes que a madrugada desenha na tua vidraça, choras?

das gravuras que deixaram no teu olhar sinto a voz do silêncio,

observo as árvores que balançam, e quebram...

choras?

sentes o vento nas acácias manhãs de Inverno,

tempestuosas,

tormentosas...

como as mentiras dos carrinhos de choque na feira da alegria,

há sempre uma palavra no teu sorriso,

há sempre um sorriso meu... nas palavras tuas,

 

Sentes, choras, sentes os orifícios das conchas perdidas,

ouves o mar, e sabes que dentro dele eu, eu... eu brinco nas invisíveis ondas de espuma,

desço às profundas mágoas que a tempestade transporta,

há uma porta de entrada vazia, chorosa... ranhosa..., uma porta com dentes de carvão,

sentes e choras, e brincamos como crianças nas tristes ardósias junto ao rio,

há socalcos dentro de socalcos,

há ruas perdidas dentro da tua algibeira...

sentes o vento nos finos tapetes de solidão, e sabes, e sabes que hoje tive uma bandeira na minha mão,

cresceu uma flor no meu cabelo,

e diz-me o espelho nocturno dos milagres incompreendidos que... que amanhã...

que amanhã não choras, que amanhã não sentes,

que amanhã melhoras.

 

 

@Francisco Luís Fontinha – Alijó

Terça-feira, 4 de Janeiro de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:15

03
Fev 14

foto de: A&M ART and Photos

 

Hoje não percebi as minguas palavras dos teus lábios,

hoje tive medo às trémulas tuas mãos, parecem grãos de areia semeadas nas planícies dos sonhos adormecidos,

e lá fora, longe de ti, beijos que se entrelaçam como réstias de silêncio provocadas pelo diurno ciume, às lâmpadas os filamentos osmóticos da solidão vaporizada, e depois... o batimento do coração de uma doente árvore, há lágrimas, há... há sofrimento nas pálpebras do abismo, e há pássaros suspensos no peitoril da tua janela sem fotografias para o mar...

hoje sofri, hoje... hoje também tive a oportunidade de sorrir, brincar contigo... e dizer-te até amanhã sem que tu percebas que para mim... para mim é-me difícil entender o amanhã, porque sinto os alicerces dos Oceanos em papel, ou... ou porque recordo os barcos das tempestades de zinco sobre o capim em overdose de saudade...

há..., há cais marítimos onde os corpos mergulham no álcool da atmosfera saturada, cansada, pedindo perdão às mesas desertas... e coitadas delas, esperando as pinceladas vãs dos pequenos cadernos de argolas,

e hoje, hoje não percebi os teus olhos, tristes, magoados, negros... negros porque tu vestiste-te de noite e como noite, que és, percorres todas as sombras da triste cidade, vês passar o metropolitano, imaginas os mabecos de quando eras ainda um rebelde adolescente, não tinhas onde atracar... e só quando havia a preia mar e baixa mar... tu, ausente de ti, dizias-nos que eras uma flor de pétala encarnada... há, há cais marítimos em cio, há gaivotas em cio... há doenças em cio,

e os corpos são de aço quando sentes as ventosas nos teus abraços,

vives, e vives acreditando na penumbra marginal de veludo,

vives e olhas-me como se eu fosse uma rocha granítica voando sobre os teus cabelos de cinza poeira,

e hoje não percebi,

e hoje... hoje tive o pressentimento que a noite é uma prostituta embrulhada nos corpos do nada, sémen, sábado à noite, o bar encerrado, e hoje... hoje não tive coragem de chorar...

 

 

 

@Francisco Luís Fontinha – Alijó

Segunda-feira, 3 de Janeiro de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:21

02
Fev 14

foto de: A&M ART and Photos

 

Círculos, círculos de ténue luz sobre os teus olhos cinzentos,

lá fora ouve-se o granizo comendo os sonhos daqueles que dormem, e saltitam sobre as nuvens de vento,

lá fora há pálpebras que choram,

automóveis que se recusam a andar,

suspendem-se nas canadianas, procuram de vez em quando uma bengala de verniz...

lá fora tudo parece ser feliz, as plantas argumentam nas palavras os distintos sons dos teus lábios,

círculos,

quadrados,

quarta-feira... a luz inverna e todos os silêncios ancorados a ti,

tu, quem és?

tu... tu o que fazes junto a mim quando me olho no espelho, quando descrevo as nódoas do meu rosto por meia dúzia de palavras, tão poucas... mínimas... que apenas pronuncio... “ausência e dor”,

e círculos..., círculos viciados em sexo e drogas, deitados na relva do pôr-do-sol,

e... e círculos, círculos de ténue luz sobre os teus olhos cinzentos.

 

 

@Francisco Luís Fontinha – Alijó

Domingo, 2 de Janeiro de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:46

01
Fev 14

foto de: A&M ART and Photos

 

Uma cabeça voa nas esferas transversais da paixão,

pausa, recomeça num ritmo desenfreado como se fosse uma gaivota na roda da solidão, chove,

dormes fingindo que sonhas, e sonhas... fingindo que as mãos do desejo existem como existem... como existem as árvores, como existem os pássaros... pássaros, como existem as nádegas tuas nas cansadas geadas,

oiço e sinto-te quando caminhas no corredor da escuridão, trémulo, estonteante, como um vagabundo em busca de moedas esquecidas nas madrugadas do adeus, e chove e ris-te como se eu fosse o teu único espelho das manhãs sem sentido,

uma cabeça, uma cabeça regressada do infinito espaço das arcadas sem janelas,

os pássaros, os malditos pássaros, a loucura, a eterna loucura quando imitas os pingos Invernais da chuva,

hoje chove,

hoje parecias triste, ausente... um ninguém... sem cabeça, ela voa, ela parece um pássaro à porta de entrada do pólipo envenenado, hoje, hoje chove e tu, e tu... uma cabeça voa nas esferas transversais da paixão,

não dormes,

não comes... mentes,

e acreditas nas palavras que escrevo quando eu nunca escrevi nada, nada, nada do que tu percebas, do que tu entendas, porque eu, eu... sou uma cabeça que voa, que voa, voa... da paixão,

e na paixão adormeceu... e da paixão... morreu.

 

 

@Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sábado, 1 de Fevereiro de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:03

Fevereiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO