Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

25
Mar 14

Aqui vou procurando as sílabas perdidas em ti,

aqui abraço o cansaço dos teus lábios,

aqui adormeço, aqui... aqui habito como um sonâmbulo embriagado,

uns dias olho o luar, outros... outros apetece-me chorar,

aqui não há mar,

gaivotas,

cacilheiros travestidos de neblina,

aqui, eu, percorro as cinzas do teu olhar,

e sonho, e penso, e quero partir como partem as andorinhas depois do término da Primavera,

aqui me esqueço, aqui...

aqui fundeio o meu cadáver de pano,

e grito, Aqui... Aqui a vida é um engano,

 

Aqui me amanho como um rebanho de desejo,

escondo-me na montanha do adeus, e nada, e nada,

aqui tenho livros que não quero ler,

odeio as palavras, odeio o querer...

querer que não tendo vou ter,

o quê?

 

Que aqui vou procurando as sílabas perdidas em ti,

os jardins sem flores,

as nuvens tão negras, tão negras... que é sempre noite,

sempre... sempre noite,

aqui não há Cais do Sodré,

machimbombos, mangueiras... papagaios em papel colorido,

aqui me enforco, aqui habito imaginando que tenho ossos, que tenho vida...

tecto com estrelas em chita, aqui... aqui nada me excita,

nem as palavras, nem as imagens das fotografias assassinadas,

aqui não há madrugada,

amanhecer,

aqui, aqui apenas existe dor, aqui, aqui apenas existe... engano.

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Terça-feira, 25 de Março de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:52

24
Mar 14

Verdes pergaminhos do amanhecer amargurado,

cintilantes madrugadas com sabor a desejo,

vagabundas manhãs infestadas de corações de mel,

viajo dentro de ti como os pássaros quando regressa a chuva miudinha,

verdes cansados beijos,

verdes lábios,

… boca dispersa na Primavera das flores campestres,

verdes olhos, verdes... verdes pergaminhos do amanhecer amargurado,

viajante solitário procurando abrigo, e um abraço se levanta do chão,

e dou-me conta que é noite,

cortinados cerrados...

e da tua janela... e da tua janela apenas uma sombra de silêncio.

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Segunda-feira, 24 de Março de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:14

23
Mar 14

foto de: A&M ART and Photos

 

A noite não regressa, a noite é uma prostituta convicta, fã da escuridão,

eu, eu pertenço à noite, os teus lábios são filhos da noite, e as estrelas convencem-te que existe vida nas pedras, que existe vida nas árvores e gaivotas, que existe vida nos velhos cacilheiros...

atiro-me ao rio e procuro as tuas mãos que pertenceram ao meu rosto,

vivo, respiro pigmentos coloridos de saudade, e... e como fã da noite, sofro como sofrem os veleiros quando cessa o vento,

 

A noite entranha-se em mim, oleia-me os tentáculos sonoros do meu peito,

finjo viver quando lá fora, quando do outro lado da rua... não vivem, não existem...

nem noite, nem estrelas... e apenas uma corda de nylon me aprisiona a este cais poético derramando palavras nas searas de Carvalhais,

e escondia-me dentro do canastro... e sonhava que um dia, eu, eu pertenceria à noite.

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Domingo, 23 de Março de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:38

foto de: A&M ART and Photos

 

Sem o vento ardem as minhas asas,

evaporam-se todos os meus sonhos de neblina adormecida,

hoje, hoje pareço um transatlântico enferrujado, velho e cansado,

sem coração, eu, eu a pedra do muro em desgosto,

subo as escadas do silêncio... e, e sei que não lhes pertenço,

ausento-me, escondo-me, invento vidas anónimas com sabor a naftalina,

sem o vento,

ardem...

ardem as minhas mãos coloridas,

e de dentro de ti vêm a mim as palavras mortas, as palavras não minhas,

ardem e sinto,

sinto que deixei de caminhar nos teus olhos envergonhados...

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Domingo, 23 de Março de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 15:47

Recomeço, esqueço-me que estou vivo, oiço na TV um grupo de Jazz, deslumbrante para um Sábado sem memória, escrevo sem saber porque o faço, talvez recorde os teus beijos, talvez recorde a tua ausência, talvez viva sem o saber,

Que estou vivo,

Permaneço inconstante, finjo ser uma equação diferencial sem solução, pego numa integral tripla e acaricio os teus lábios de garra madrugada, e amanhã sobejam palavras escritas por mim na tua degradante janela, o velho Augusto pega no cigarro enrolado pela tristeza, amanhã não sei se estou vivo, amanhã não sei se estarás ao meu lado, amanhã sinto que tal como o título do Livro de Miguel Esteves Cardoso “O amor é Fodido” eu... eu estou fodido... tal como o amor, oiço o programa de jazz, imagino a tua pele rosada embainhada nos lençóis de uma cidade a que apelidaram de Lisboa, esqueço a poesia, tenho raiva da poesia, porque sou uma incógnita vestida de equação trigonométrica,

Que estou vivo,

Tenho medo que morras, porra... porque morrerás tu, porque escrevo sabendo que a inveja infesta as minhas palavras, os meus olhos, sei que existes dentro de um cubo de vidro, um aquário com barbatanas de papel, e lá fora regressam os corações de cintilantes pergaminhos com bordados e flores envelhecidas, percebo a tua dor, percebo que aos poucos te vou perder, e nada, nada consigo fazer para te resgatar do rio apelidado de medo, oiço-os, vejo-os na tua mão como se fossem pedras acabadas de nascer, que estou vivo? E amanhã o saberei,

A inveja dos outros quando as palavras crescem nos teus seios, a inveja de partires e não ser capaz de te procurar-te no Oceano mais longínquo das minhas veias argamassadas, via-te sentada numa esplada de vidro, sentia o pulsar do teu desejo quando abríamos um livros de AL Berto e líamos um dos mais belos poemas, depois... depois tínhamos o Pacheco e o magala travestido de poeta, eu, deambulando pela rua à procura do banco em madeira onde nos sentávamos, e... e pegava na tua mão, e escrevia no teu corpo, tantas e tantas... vezes em sentido, eu

Que estou vivo, que estou vivo sem o saber,

O uísque desaparece e entranha-se no gélido teu orgasmo, apaixonei-me pela escrita de António Lobo Antunes, cresci com Milan Kunera, e hoje, hoje apenas vivo finjindo que vivo, sou um cadáver em movimento curvíleneeo e uniformente acelerado, não sou Angolado, não sou Português... sinto-me apátrida como o destino, penso, não caminho, olho os jardins e sei que algures por lá andas escondida, talves te tivesses transfomado em arbusto, em saudade ou... ou em objecto de velharia na banca de uma qualquer feira, recomeço, esqueço-me que estou vivo, oiço na TV um grupo de Jazz, deslumbrante para um Sábado sem memória, escrevo sem saber porque o faço, talvez recorde os teus beijos, talvez recorde a tua ausência, talvez viva sem o saber,

Que estou vivo, que há pessoas prontas a assassinarem-me intelectualmente, mas eu, eu estou vacinado conta a inveja, mas eu, eu estou habituado a ser huminhado, e o velho Augusto perdido nos cigarros de enrolar, e eu perdido no gélido teu corpo de amendoeira, e, eu...

Que estou vivo, que estou vivo sem o saber,

Que amnhã existirá um amanhecer, que amanhã... amanhã sem o saber, tu, tu quererás pertencer às minhas palavras, porra... não podes morrer, não, não poedes,

Que estou vivo?

E uma âncora de desejo permanecerá no teu corpo...

 

 

(texto de ficção)

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Domingo, 23 de Marvo de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 03:02

22
Mar 14

foto: Algures entre Luanda e Lisboa – Setembro/1971

 

Percebia-se nas tuas tristes pétalas o cansaço da manhã,

flutuávamos sobre as palmeiras hilariantes junto à Baía, davas-me a mão, e obrigavas-me a sonhar,

dizias-me que os barcos eram corpos moribundos de passageiros em viagem,

e do cais observávamos os caixotes em madeira prontos para o suicídio da loucura,

eu, eu acorrentava-me a ti como se tu fosses um embondeiro entre nuvens e sanzalas, que voava,

que... que acreditava em papagaios de papel e nos alicerces nocturnos de uma cidade em construção,

 

Gosto muito de ti, dizia-te!

Quero ser como tu, simples, como as primeiras palavras que me ensinaste e os primeiros rabiscos que deixei em todas as paredes da casa onde tínhamos as mangueiras e as pombas... e o portão, o portão...

imaginava-me a sobrevoar todo o bairro em cima de um velho triciclo,

e... e nunca me esquecia de te esperar no final do dia,

“percebia-se nas tuas tristes pétalas o cansaço da manhã”,

e chorava quando adormecia sem perceber que já tinhas chegado...

 

E chorava quando me mostravas o mar, e as gaivotas, e... e os coqueiros,

levavas-me ao Baleizão, sentávamos-nos na esplanada, e eu, eu sonhava como essa cidade em construção que um dia tive de abandonar, regressei às tuas mãos, regressei como um velho caixote em madeira... procurando corpos moribundos em viagem,

afinal... afinal também me transformei em passageiro em viagem,

um caixote em madeira, com olhos, com braços, com mãos... e sonhos de sonhar,

barco, dei-me conta que hoje sou um barco rumo ao desconhecido,

um barco travestido de saudade.

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sábado, 22 de Março de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:59

21
Mar 14

foto de: A&M ART and Photos

 

Nas minhas mãos cinzentas,

promíscuos cigarros me enganam...

obscenas, elas, elas vestidas de papel de parede,

nas minhas mãos habita uma árvore de nome Primavera,

e eu, sem o saber, escrevo no seu tronco as palavras minhas da noite incógnita,

ela, ela chora, ela, ela não tem corpo, ela, ela é de porcelana invisível,

e vive numa cidade, com nome...

“a cidade do amor”... a cidade que me engana.

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sexta-feira, 21 de Março de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:02

O meu poema, escrito e publicado ontem, “Gaivota madrugada” foi lido hoje na Antena 1 no programa de José Candeias (aprox. minuto 8).

 

Link:

 

http://www.rtp.pt/play/p661/e148044/jose-candeias

 

Quero agradecer ao João Moreira de Sá dos Blogues Sapo, à Antena 1 e ao José Candeias. Obrigado.

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:15

20
Mar 14

foto de: A&M ART and Photos

 

Voas nos meus olhos, gaivota madrugada,

procuras em mim, palavras,

voas porque sentes nos teus lábios o vento em desejo,

e no teu prometido beijo, uma simples canção, melódica... e adormeço,

e esqueço que lá fora habitam telhados de vidro, esqueletos de prata,

bairros em lata,

lá fora, na imensidão nocturna da embriaguez,

e um dia, talvez... talvez percebas as minhas tristes palavras,

como pertence aos muros o xisto envenenado,

dos socalcos... o cansaço humano vestido de negro,

e no rio... no rio o meu corpo ensanguentado pelas nobres estrelas da cidade,

voas, voas sem saber que estou vivo...

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quinta-feira, 20 de Março de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:52

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:11

Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO