Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

08
Mar 14

foto de: A&M ART and Photos

 

Não pertencias aos ciprestes voltados para o rio,

trazias na algibeira um punhado de tabaco, algumas gotinhas de vodka... e eras marinheiro fundeado na paixão dos homens,

olhávamos a ponte submersa nos rochedos vermelhos,

e sabíamos que nunca mais haveria sol dentro de nós,

eu, eu era uma gaivota suspensa nos teus lábios... e voava em ti como uma louca espuma depois do adeus,

 

Desenhávamos relógios de luar nas pálpebras de Belém,

dávamos as mãos... e caminhávamos até deixarmos de ver as estrelas,

o silêncio transformava os cigarros em longos suspiros que só o desejo percebe,

e sabe,

e às vezes, poucas, éramos visitados pelo “chapelhudo” vestido de verde seara de trigo,

 

Não pertencias aos ciprestes e tínhamos inventado o alegre som melódico das palavras,

(acorda agora o “Planeta 3”)

os corpos murchos deambulavam nos cansados campestres telhados de colmo,

não pertencias nem nunca pertencerás às engasgadas folhas de papel pardo, sem poemas, nuas como nós,

e tínhamos uma noite imaginária dentro de uma Lisboa que escrevia nos nossos corpos o desassossego,

e eu, e eu gostava do teu olhar que transpirava vogais com sabor a amêndoa e a chocolate,

 

Vinha o dia e com ele, os círculos e os quadrados..., vinha o dia e tu não me pertencias,

vagueavas de esquina em esquina,

de cidade em cidade, e de porto em porto, de barco para barco,

e os cigarros fumavam-se sem que eu percebesse a tua ausência, e tu não estavas lá, como sempre, eras apenas uma sombra da noite com roupas de amanhecer, talvez fosses a madrugada, ou... o rio sem palavra,

 

E nada como dantes, Dead Combo, e uma esplanada vazia, hirta... sem coração,

Lisboa pertencia aos guindastes com dentes de marfim,

sentávamos-nos sobre a calçada descalça, e via-mos os beijos das estátuas de granito abraçados aos sofás de ardósia esperando o regresso da tarde, e vinha a tarde... e queríamos a noite, a noite só para nós...

e não, nunca, pertenceste ou pertencerás aos ciprestes voltados para o rio.

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sábado, 8 de Março de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:50

foto de: A&M ART and Photos

 

Tocavas-me e eu sentia-te fervilhar nas minhas veias dilatadas,

embrulhavas-te nos meu seios de xisto como ventos desgovernados,

frívolos e cansados,

ouvias-me em pedacinhos gemidos... e ficava no cortinado, impregnado, um pequeno... um pequeno AI... sem sentido,

as sílabas estonteantes vagueavam no tecto da paixão,

cessavas-me as carícias e eu mais parecia um veleiro à espera do pôr-do-sol do que uma mulher em desejo,

depois... depois vinham as andorinhas, sorriam-nos os botões de rosa...e... e anoitecia em nós o amor das palavras,

tínhamos medo das estrelas,

e dos longínquos cadeados do silêncio sobre as nossas pálpebras de cogumelo,

acordavam as alegres melodias poéticas que vinham a nós em nuvens, pequenas abelhas... e anoitecia em nós o amor das palavras,

tocavas-me e eu sentia, queria... dizer-te que sou apenas uma mulher em fúria, uma mulher como os as mãos das amoreiras em flor... à tua espera.

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sábado, 8 de Março de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 20:33

07
Mar 14

foto de: A&M ART and Photos

 

O fluorescente cansaço do abismo embainhado,

às vezes, é um penhasco enamorado,

às vezes, transforma-se em vértice, equação, às vezes grita... não.

O fluorescente cansaço padece de um imaginário número complexo,

uma paixão sem sucesso...

às vezes, despe-se,

e às vezes..., e às vezes não parece,

mas... não passa de um triste cubículo sem nexo,

vive fingindo sonhar,

e dorme... dorme fingindo escrever poemas de “nada”,

às vezes chora, e às vezes é a madrugada,

mas o fluorescente cansaço... é um amor sem solução.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sexta-feira, 7 de Março de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:59

05
Mar 14

foto de: A&M ART and Photos

 

Hoje, hoje apareceram em ti as palavras de ontem,

aquelas que deixámos sobre as amoreiras, aquelas que transvestimos na noite em colarinhos de prata,

não, não eram as estrelas com sabor a chocolate adormecido,

eram páginas límpidas, páginas desejadas pela mão da madrugada,

hoje, nada, hoje não aconteceu nada em mim,

nem vi o mar, nem estive sentado na montanha,

hoje... hoje apenas percebi o perfume do rio,

selvagem, longínquo... um rio morto,

hoje, hoje apareceram de ti as pálpebras minhas, cansadas... tristes, desamadas,

como as tuas palavras,

palavras desinteressadas,

palavras... palavras parvas.

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quarta-feira, 5 de Março de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:54

04
Mar 14

foto de: A&M ART and Photos

 

Sabíamos que o tempo era um conceito restrito, ambíguo... talvez... talvez em fatias de tristeza,

sabíamos que apesar das equações de Einstein estarem correctas, talvez... mas não, nada aconteceu,

nada,

e tudo, e tudo se perdeu,

apenas em poucos segundo, apenas... apenas fingindo que havia madrugada,

 

Apenas...

nada,

como sílabas engasgadas na boca da tempestade, uma nuvem suicidada, morreu...

e nada,

nada como dantes... talvez... talvez tivéssemos tempo de fugir, escondermos-nos nos vagões de aço,

 

Talvez...

um abraço,

um beijo,

talvez... talvez fossemos hoje os donos de todos os Oceanos,

e de todas as marés,

 

Mas...

mas nada aconteceu,

e talvez,

talvez... houvesse uma ténue luz no teu olhar,

mas não, tudo, mas tudo ficou no mar...

 

Sabíamos que um dia chegaria noite,

e que essa noite era construída de pedacinhos papel,

e talvez, novamente, regressassem as sanzalas e todos os musseques,

e talvez, talvez hoje estivéssemos sentados nas sombras dos embondeiros com lábios de amar...

talvez, apenas... uma saudade pertencente a ti.

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Terça-feira, 4 de Março de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:40

foto de: A&M ART and Photos

 

Uma casa,

pensava que o teu corpo se ausentava das tardes de Primavera,

uma casa em ruínas cansada das ruas sem saída,

uma casa em solidão, uma casa acorrentada a esqueletos de insónia,

uma casa em desejo, que o desejo se perdeu...

pensa eu,

uma casa só, triste, uma casa que se entranhava nas frestas da madrugada,

uma casa de sorriso cor-de-rosa com flores de papel,

e mesmo assim, tínhamos uma varanda com acesso às estrelas,

sentávamos-nos sobre a mesa granítica da paixão...

e sonhávamos... e, e dormíamos pensava eu,

(pensava que o teu corpo se ausentava das tardes de Primavera),

 

E esta casa sou eu,

um corpo flutuante no Oceano do sofrimento, pinto nos teus olhos... pinto a dor,

e desenho no teu corpo, um outro corpo, um corpo com fatias de xisto para te encobrir as pálpebras dos nocturnos sótãos como melódicas sandálias de prata,

uma casa em forma de homem, uma casa, eu,

pensava,

acreditava que a cidade era linda quando acordava a noite,

descia a calçada, corria em direcção a Cais do Sodré, e via o meu corpo, o meu corpo em formato de casa, desabitada, límpida... com braços entrelaçados no luar,

com corredores mais longos do que a própria morte,

uma casa, esta casa, a casa que sobejou da tempestade,

sentada,

à mesa dispersa nos confinados corações de espuma...

a casa que o meu corpo construiu nas ardósia manhãs que o Inverno levou...

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Terça-feira, 4 de Março de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 13:31

03
Mar 14

foto de: A&M ART and Photos

 

Menina,

menina dos caracóis mimada que a sanzala ilumina,

embandeiro da insónia,

menina,

menina dos seios de prata que o capim apaixona,

imunda chuva nos charcos de lata,

o fumo engole e consome,

o que o amor desperdiça,

menina,

menina das noites de preguiça,

desejando o mar,

desejando o corpo das serpentes de marfim dos pobres corações amar...

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Segunda-feira, 3 de Março de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:03

03
Mar 14

foto de: A&M ART and Photos

 

Deixei de ouvir os pássaros que poisavam na prisão minha janela,

as conversas entre nós, cessaram, voaram como pedaços de papel, cansados,

tristes,

malignos beijos na boca da ausência,

a rua que eu observava quando acordava, não está lá, desapareceu como desapareceram os lábios da madrugada,

evaporaram-se nas mãos dos peixes voadores,

deixei de ouvir a tua voz, os pássaros que poisavam na prisão minha janela,

sós,

como círculos de vaidade descendo a calçada,

saltando sombras, saltando muros invisíveis com sabor a amêndoa desleixada, desamada,

e assim escrevo no teu corpo imaginário, poemas, palavras desencaixadas dos pilares de algodão...

deixei... de ouvir... que poisavam na prisão minha janela,

 

(a solidão emagrece, torna-se um polvo deslumbrante, alegre, amado,

a paixão, tal como a solidão, emagrece, desce... e morre como morrem todas as lâmpadas de desejo,

a solidão, a solidão aparece,

desaparece,

e tal como a paixão,

e tal como o amor...

padece,

esquece que o no meu corpo habita a dor...).

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Domingo, 2 de Março de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 00:41

foto de: A&M ART and Photos

 

Há asas pinceladas nos teus verdes olhos de andorinha,

uma colmeia de palavras emerge da solidão nocturna,

há de ti as marés envergonhadas, tristes, marés... marés dos telhados de vidro,

sinto-te cambaleando sobre as nuvens cinzentas das janelas amarelas,

o jardim deixou de sorrir,

e partiu em direcção ao mar,

o amor de ti em mim... sem mim, uma coisa estranha, amarga, diluindo as ditas palavras castanhas,

há asas pinceladas,

há asas a arder sobre os teus ombros de melancolia,

e sei que no fundo do mar, vives, dormes... e passeias-te nua como ventos de nortada,

acendo a luz da paixão, e ao meu lado apenas uma imagens de néon...

gemendo sílabas e bebendo carícias de madrugada.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Domingo, 2 de Março de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 20:47

foto de: A&M ART and Photos

 

Perdi o teu olhar na penumbra seara de trigo,

tínhamos descoberto o silêncios dos rios que dormiam nas nossas veias,

perdi o teu olhar das palavras por escrever,

e sentia em ti o desejo de partires,

à janela apareciam as imagens que tínhamos deixado do outro lado do muro,

havia um fino sorriso de melancolia e as tuas mãos tremiam como tremia a tua voz de centeio,

perdi o teu olhar,

e da penumbra seara de trigo apenas sobejaram as flores envenenadas dos beijos adormecidos,

Descemos a montanha,

dormíamos nas almofadas clarabóias das rochas graníticas,

líamos as estrelas junto ao cais das laranjeiras, e... e sentíamos o florescer da manhã com rosas,

sobre nós um papagaio de papel lançava pequenos grãos de areia e alguns favos de mel...

as abelhas descoloridas morriam,

como nós, hoje,

cadáveres de gesso suspensos nas amoreiras,

e havia sempre uma criança em ti que me fazia sonhar...

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Domingo, 2 de Março de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 15:48

Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO