Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

08
Jul 14

Esta tenaz vagarosa mergulhada nas minhas palavras,

da lareira do silêncio, oiço as moléculas transparentes do amor,

sufocam-me, alimentam-se do meu cansaço,

o cansaço de escrever,

o cansaço das palavras,

 

A lanterna do teu olhar, cega-me, transforma os meus olhos em pedaços de papel,

e nele... escrevo as palavras que ninguém... que ninguém lê...

 

Não sou capaz de desistir,

partir para outros Oceanos, mais calmos, tranquilos... como os teus braços,

há sempre um espelho que transporta o meu rosto para o futuro...

envelheço, e sento-me num abandonado banco de jardim com uma concertina na mão,

e dela sinto em mim as recordações das tempestades voluptuosas...

 

Não há um fim, apenas o passar de uma parede negra... para uma outra, a curta distância...

uma parede castanha, alvenaria com cicatrizes comestíveis,

flores,

tenho as flores que sobejaram do jardim ardido na lareira do silêncio...

e deixei de ter o pavimento térreo que me acompanhava nas horas indolores do meu pulso,

 

A lanterna do teu olhar, cega-me, transforma os meus olhos em pedaços de papel,

e nele... escrevo as palavras que ninguém... que ninguém lê...

 

E ninguém quer...

 

Esta tenaz vestida de forca,

embrulhada numa túnica branca,

há uma porta dos fundo que me serve de escapatória...

um ponto de fuga, um simples ponto triste, um ponto tridimensional esquecido na solidão,

e ninguém quer...

 

Que... que a clarabóia das lágrimas ressuscite da montanha!

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Terça-feira, 8 de Julho de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:38

Participação de Francisco Luís Fontinha – Alijó

 

 

Participação de Francisco Luís Fontinha – Alijó

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:43

07
Jul 14

O teu beijo amorfo,

clandestino do enclave da insónia,

cai a noite sem perceberes que a noite é uma mulher invisível,

uma amante cobiçada por todos,

suspensa nos tentáculos das estrelas sem nome,

o teu beijo silencia-se e morre...

o teu beijo deixa de ser beijo,

e transforma-se em desejo,

inverso, transverso esforço que alicerça o teu corpo à ponte metálica...

balança e não cai,

e levita depois de acordar a madrugada,

como se de um pôr-do-sol em decomposição se tratasse...

 

O teu beijo amorfo... evapora-se,

morde os lábios de cetim, e... e vai à janela da solidão procurar pedacinhos de papel colorido,

imagina-me uma sombra com pequenos ramos que partem na ferocidade do vento,

vergo-me, troço-me até palmilhar a terra húmida depois da chuva do fim de tarde,

e fico estendido como uma pedra entre o sacrifício e a vontade de correr...

beija-me, penso-o enquanto aos poucos esforço-me para me levantar,

 

Agarro o teu beijo amorfo,

acaricio-o na palma da minha mão de caduca folha,

sinto-me desgovernado quando imagino o mar a entrar no meu corpo,

penso que vou morrer,

penso que serei o primeiro a partir... por motivos de um beijo amorfo...

sei que a morte é natural... normal,

mas... tudo por um beijo?

o cansaço invade-me,

a força motriz que alimenta os eléctrodos do meu coração... começa a esvaziar-se,

os eléctrodos apaixonam-se por mim,

e fico sem jeito,

fico... impávido enquanto o teu beijo amorfo desce a Calçada da Ajuda...

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Segunda-feira, 7 de Julho de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:46

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:16

06
Jul 14

Não escrevo

morro

despeço-me das palavras... com... com as palavras impossíveis

esmoreço

desapareço

evaporo-me no centro da galáxia mais distante do amor

me canso

e esqueço

não escrevo

e... e morro

vestido com o amor impossível

porque impossíveis são as palavras com que me despeço.

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Domingo, 6 de Julho de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:06

Perdi o teu nome numa noite de geometria,

reinventei palavras para te desenhar na tela do silêncio,

escrevi no teu corpo quando a solidão zarpava janela adentro,

eu, eu sentava-me no cadeirão cinzento... e procurava-te nos livros que lia,

o teu nome..., o teu nome não aparecia,

e eu, eu mentia,

dizia que te chamavas de “amor”...

e...

 

e... e nunca conheci mulher alguma com esse nome,

e nunca conheci flor alguma que tivesse nas pétalas a cor do teu olhar,

abria a janela,

e gritava...

“amor”... “amor”...

e...

e... e ninguém se apelidava assim,

gritava, gritava... até que o luar me trouxe a insónia,

 

Cerrava a janela,

sentava-me no cadeirão cinzento,

abria um livro,

fechava-o... e o teu nome continuava desconhecido,

amargo,

tão amargo que dos meus lábios brotavam pedacinhos de cinza,

algumas pérolas de papel... e um ínfimo desejo despertava...

… e tu entravas, e tu entravas e eu não me recordava do teu nome...

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Domingo, 6 de Julho de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:23

A caixinha envidraçada, suspensa na madrugada, sentia-se o silêncio no espelho da mágoa, havia entre nós o sentimento de que nunca mais regressávamos, partíamos..., e

Sentia-me escuro, desabafava com o meu pai, e ele, não tenhas medo, não, meu filho,

Dentro da caixinha trazíamos pedacinhos de saudade, poucos tarecos e amanheceres de nada, partíamos para o desconhecido, partíamos sem sabermos o que nos esperava, lá longe, ma Metrópole,

Pai? Sim filho, o que é... essa coisa de..., Metrópole, meu filho? Sim, sim pai, é a nossa terra, responde-me ele secamente, não percebi, pois sempre ouvi (com todas as letras) dizer que a minha terra era Angola, não...

Não essa Metrópole, não essa coisa de..., deixa lá pai, não faz mal, depois explicas-me, e cresci, e vivi, ou melhor, fui vivendo sem perceber o significado de Metrópole, esta angústia, este desassossego, sentia-me enforcado numa sombra de uma das mangueiras do meu quintal,

Sentia-me escuro, desabafava com o meu pai, e ele, não tenhas medo, não, meu filho, e eu perguntava-me por era tão grande aquele paquete de papel..., pai? Sim, filho, não tenhas medo, meu filho, não tenhas...

Não te sentes, desculpa?, proibido fumar ou foguear ou todas as coisas terminadas em AR, o café está amargo, poucas coisas sobrevivem às tuas mãos, os cigarros, as orelhas postiças dos animais de brincar, desculpa?, não te sentes, e hoje o café não DELTA, e hoje não, não te sentes, circula, corre, caminha, veste-te de vento e vai até às nuvens de fumo, faz-te homem meu rapaz, faz-te homem

- tantas vezes o ouvi, tantas vezes, e no entanto as perdizes livres como as árvores nas planícies junto ao mar, proibido, proibido morrer, e o beijos, hoje, amargos, não DELTA,

faz-te de homem porque lá fora, da rua, os animais perdidos na cidade inventada pelos silêncios heterossexuais das navalhas de prata, coisas pouco belas, algumas até, horríveis como as luzes dos carrinhos de choque que todos os anos estacionam junto ao lago da miséria, os pássaros perderam as asas e as abelhas hoje são doutoras, os barcos enferrujados e que passavam as terdes no cais da desgraça, hoje

- hoje não DELTA, o café amargo, cintilações de silicone suspensas nas difíceis noites sem dormir,

desculpa?, proibido fumar ou foguear, ouvia-o, tantas vezes, algumas vezes, coisas, loiças de porcelana, pulseiras de marfim, dentes de carneiro, e cornos sem fim, palavras, difíceis de engolir, quando a fome entra nos orifícios cinzentos das marés de Setembro, o barco gigantesco faz-se à vida, aproxima-se em pequeníssimas apalpadelas, e aqui, e ali, debaixo de uma ponte de ferro, a criança descobre o amor quando vê dois corações de vidro loucamente entrelaçados como se fossem dois fios de arame, os calções desciam, desciam, desciam pelas escadas transversais da colmeia, e são doirados, lindos, os olhos de Lisboa à noite, ouvia-o

- hoje,

e deixamos de o ouvir quando o barco se amarrou aos cais e as abelhas cor de mel desceram silenciosamente até perderem numa pensão de meia-tigela esquecida numa ruela sem janelas, árvores, gaivotas, velas, esquecida numa ruela sem jornais, cortinados, velhas e velhos de chocolate com mãos de açúcar, e hoje

- hoje não DELTA, o café amargo, cintilações de silicone suspensas nas difíceis noites sem dormir, e hoje os barcos enferrujados, velhos, apodrecidos, os barcos enferrujados e que passavam as terdes no cais da desgraça, hoje, hoje também são doutores, ouvia-o

desculpa?

- quantas horas tens de mar? ouvia-o,

desculpa?, muitos dias, noites e marés, não falando nas noites de descanso vividas em longínquas coxas de oiro, e púbis de cetim, desculpa?, ouvia-o

- estás licenciado, por equivalência és doutor, também

e pela primeira vez na vida o miúdo percebeu o que era o amor, a paixão, Lisboa à noite, e apetece-me recordar e escrever (Lisboa há noite), ninguém sobrevive ao medo das calçadas que terminam no rio, ouvia-o, faz-te de homem porque lá fora, da rua, os animais perdidos na cidade inventada pelos silêncios heterossexuais das navalhas de prata, coisas pouco belas, algumas até, outras não, e eu inventava-me de homem, comprei um fato e uma gravata, e sapatos pontiagudos, estás lindo

- perfeito meu querido, perfeito,

e eu tal como os barcos, também doutor, por equivalência,

- a carta de marinheiro,

e Setembro foi sempre um barco que regressava de longe, um miúdo que descobria o amor, dois corações de vidro loucamente entrelaçados como se fossem dois fios de arame, os calções desciam, desciam, desciam pelas escadas transversais da colmeia, e um paspalho qualquer aos gritos

- Lisboa, Lisboa, Lisboa,

Vivia numa caixa de sapatos tamanho trinta e cinco, com seis anos vi e calcei o meu primeiro par de botas, ouvia o meu pai

Temos de compra umas botas ao rapaz,

Questionava-me, perguntava-me,

O que são botas?

Começava o frio e eu estava habituado aos calções e às sandálias de couro, não tínhamos nada, ou pior, tínhamos tudo aquilo que muitos não tinham, mas como diz o OUTRO

AGUENTAMOS, ENTÃO NÃO AGUENTAMOS? Claro que aguentamos e felizmente estamos os três vivos e de boa saúde, eu sabia-o como sabia que seria difícil andar com umas botas pesadíssimas e depois de as descalçar os meus pequeninos pés pareciam pedaços de tecido, escuro, com bolinhas escuras, e eu pensava

Deve ser das noites de Inverno, pensava eu e hoje digo-o

E pensava muito bem, pois o Inverno realmente enrija-nos os ossos e alguns de nós ficamos mais espertos, outros, como eu, mais aparvalhado, e ainda outros, coitados dos outros

Moribundos como as geadas de Janeiro, passamos o Natal no interior da penumbra branca, esguia, solidamente como a neve suspensa na grade enferrujada da varanda com vista para a Praça, acordei cedo, corri desassossegadamente para a inventada chaminé e dava-me conta que nada existia dentro da bota que tinha deixado ficar sobre o fogão como sempre o tinha feito em Luanda (não como uma bota mas com um sapato), pensei

De certeza a causa mais provável é a pesadíssima bota, depois imaginei um senhor vestido de vermelho com barbas brancas, um pouco barrigudo, olhei para a inventada chaminé e nenhuma dificuldade encontrei para o dito senhor não me ter deixado alguma coisa, enfureci-me e mentalmente insultei-o, e chamei-lhe todos os nomes possíveis e imaginários, comecei e, Boi e terminei em filho da puta, até que um dos meus irmãos mais velhos me explicou

Não vês rapaz que ele ainda não tem a tua nova direcção, e confesso que não percebi, Direcção, que direcção? O que é uma direcção? E ele explicava-me pacientemente que era a minha nova morada e eu a chorar perguntava-lhe Porquê, Porque viemos, e se fosse hoje ele talvez me dissesse que o meu nome não constava da base de dados, mas eu estava ontem, e ontem eu só tinha uma folha de papel selado com vinte e cinco linhas, mas

Vou entregá-la a quem? Ontem não se podia reclamar de nada, como ia eu queixar-me do homem vestido de vermelho com barbas brancas e algo de barrigudo? Não podia,

Mas como diz o OUTRO

AGUENTAMOS, ENTÃO NÃO AGUENTAMOS?

Eu e os meus pais e os meus irmãos mais velhos e os nossos vizinhos e os vizinhos dos vizinhos,

Todos

Aguentamos e estamos vivos e de boa saúde.

Sem muros, a seara livremente em movimento, a seara alegremente voando como os teus doces dedos quando se entranham no meu branco cabelo, e algumas das minhas folhas, ainda por escrever... vão-se alicerçando nos braços da madrugada, venho de ti chorando porque percebi que as cadeiras da vida, algumas, não muitas, estão a morrer, primeiro o maldito bicho, depois... depois... a maldita morte, e depois, bom, depois a tua aspereza dos violinos em flor, havia sons que mal distinguíamos nos soníferas luzes da noite, e o castanho corpo teu... amaldiçoado pelo cansaço

Tomba,

O musseque engorda,

A sanzala incha como pequenos frascos em vidro quando miúdo colocávamos grilos e outros bichos, nãos os que matam as cadeiras da vida, estes, estes apenas nos roubam os sonhos, roubavam, porque hoje, nem bichos, nem sonhos, nem... nem o teu corpo castanho,

Tomba,

Entre os charcos acabados de preencher como o impresso de candidatura com o respectivo currículo, depois de entregue

Lixo,

Depois de entregue

Nem para limpar o cu serve,

Brancooo é papel e só serve para limpar o cu”, gritavam elas,

E a sanzala inchava, crescia, multiplicava-se,

Lixo,

Sem muros, como vértices de areia engolidos por sexos baratos, regressava da feira da Ladra apenas com as cuecas e pouco mais, a vida de difícil passou a horrível,

E a diferença

Está no número, de autocarro é um, de eléctrico... talvez seja outro, mas todos vão dar ao mesmo, e todos me levavam de regresso, entrava em casa, subia as escadas tão devagar que nem as ratazanas davam pela minha presença, mas ela

Isto são horas de chegares?

E eu perguntava-me se existem horas certas para regressar a casa, mesmo apenas em cuecas, se existem horas certas para as refeições...

Horas, tem horas?

Não, não as tenho, sou alérgico,

Mas ela entre perguntas e respostas, entre o vai e o vou, fui e nunca mais voltei à sanzala, cansei-me das viagens nocturnas pelas avenidas transatlânticas com bancos em madeira e pássaros de pedaços papel, fartei-me da cubata apenas só com uma porta de entrada, e juro

Detesto,

Juro que me irrita entrar e sair sempre pelo mesmo sítio, parece de loucos, e de loucos, juro, preferia entrar pela porta e sair pela janela, mas a cabra da cubata nem janelas tem, nem cortinados tem, nem tecto onde suspender um par de calças

Tem?

Não, não tem não,

E entro em casa de cuecas na mão, ela

De onde vens tu?

Venho da lua, venho do mar, venho de onde não te interessa,

Adeus,

Era Domingo, acordei cedo, sem muros, a seara livremente em movimento, a seara alegremente voando como os teus doces dedos quando se entranham no meu branco cabelo, e algumas das minhas folhas, ainda por escrever... vão-se alicerçando nos braços da madrugada, venho de ti chorando porque percebi que as cadeiras da vida, algumas, não muitas, estão a morrer, primeiro o maldito bicho, depois... depois... a maldita morte, e depois, bom, depois a tua aspereza dos violinos em flor, havia sons que mal distinguíamos nos soníferas luzes da noite, e o castanho corpo teu... amaldiçoado pelo cansaço

Tomba,

E O musseque engorda...

A caixinha envidraçada, suspensa na madrugada, sentia-se o silêncio no espelho da mágoa, havia entre nós o sentimento de que nunca mais regressávamos, partíamos..., e

Sentia-me escuro, desabafava com o meu pai, e ele, não tenhas medo, não, meu filho,

Dentro da caixinha trazíamos pedacinhos de saudade, poucos tarecos e amanheceres de nada, partíamos para o desconhecido, partíamos sem sabermos o que nos esperava, lá longe, ma Metrópole,

Pai? Sim filho, o que é... essa coisa de..., Metrópole, meu filho? Sim, sim pai, é a nossa terra, responde-me ele secamente, não percebi, pois sempre ouvi (com todas as letras) dizer que a minha terra era Angola, não...

Não essa Metrópole, não essa coisa de..., deixa lá pai, não faz mal, depois explicas-me, e cresci, e vivi, ou melhor, fui vivendo sem perceber o significado de Metrópole, esta angústia, este desassossego...

Pai? Sim meu filho...! Será esta a nossa última viagem? Não sei, não sei... não sei meu filho...

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó

publicado por Francisco Luís Fontinha às 12:10

05
Jul 14

Sacia a minha solidão que habita em teus lábios de pergaminho,

desenha os meus beijos na face oculta da lua,

não tenhas medo de amar, coração de areia,

sacia-me enquanto eu for a madrugada recheada de gaivotas,

bandeiras suspensas nos mastros invisíveis que só a noite percebe,

e escreve,

no meu corpo as tuas mágoas, os teus medos...

os rochedos das tuas pálpebras...

 

Sacia a ninha tristeza,

abraça-me quando descer sobre a relva de granito as lágrimas da Primavera,

um livro que que se encerra,

morre...

uma página esfarrapada pelas garras do amor,

há poemas e palavras,

que... que desconheces,

e que são o teu corpo com asas de silêncio...

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sábado, 5 de Julho de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:10

04
Jul 14

Sabias dizer-me a cor dos teus olhos,

nunca esqueceste o cansaço dos meus cabelos,

sabias... e deixaste de saber...

o que escrevo,

o que quero escrever,

sabias como eram as madrugadas de Agosto num jardim clandestino,

tão pequenino,

tão...

e deixaste de perceber os silêncios do amanhecer,

sabias dizer-me a cor dos teus olhos,

sabias,

sabias e tinhas medo da minha voz trémula,

 

Desfocada no espelho de um quarto escuro...

sabias,

e não me querias dizer...

como eram belas as gaivotas do Tejo,

 

De como eram belas as ruas desertas de Belém,

sabias a cor dos teus olhos...

… e não sabias... e não querias saber...

de como eram belos os barcos que vociferavam palavras nas noites frias de Inverno,

que inferno,

saberes...

e não me quereres dizer,

que... que havia uma janela pintada de veludo,

que... que havia uma clarabóia sobre o esqueleto do Oceano,

tu sabias,

tu sempre soubeste...

que eu, que eu era construído em ferro fundido dúctil.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sexta-feira, 4 de Julho de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:18

03
Jul 14

Um fino lençol de areia embrulhava a triste caligrafia,

nas minhas pálpebras de papel um poema crescia,

e sentia-me absorvido pelo silêncio do algodão vestido de chuva,

uma vezes sentia o cansaço disfarçado de melodia,

outras... outras eu sofria,

cantava,

chorava,

inventava beijos de alegria,

e de alegria não tinha nada,

a caligrafia derramava-se nas encostas íngremes da montanha adormecida,

e o papel onde eu escrevia...

amarrotava-se... e... e ardia...

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quinta-feira, 3 de Julho de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:55

Julho 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO