Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

08
Ago 15

desenho_08_08_2015_2.png

(desenho de Francisco Luís Fontinha)

 

Canso-me dos teus olhos

Quando a fotografia se suicida na madrugada indolor,

Não tenho medo da noite,

Da morte…

Mas canso-me dos teus olhos

Semeados numa seara de vento,

Sem nome,

Sem gente,

Há na tua mão uma triste flor,

Com pétalas descalças,

E nos lábios…

Transportam dor,

 

Ai meu amor…

Os rochedos da insónia alicerçados aos cortinados do sofrimento!

 

Canso-me,

Dos teus olhos impregnados nas minhas palavras,

São tão tristes… os teus beijos

Dançando na barcaça do “Adeus”,

São tão tristes os teus desejos,

E os desenhos esquecidos no teu corpo… em movimento,

 

(Ai meu amor…

Os rochedos da insónia alicerçados aos cortinados do sofrimento!)

 

Se há noite… meu amor…

Que me leve…

E me faça adormecer,

Para sempre,

Como os teus olhos…

Que me cansam… e cansam…

 

E me fazem chorar

Quando me olho no espelho da manhã…

Sabes, meu amor!

 

(Ai meu amor…

Os rochedos da insónia alicerçados aos cortinados do sofrimento!)

 

O silêncio é uma faca cravada no meu peito.

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sábado, 8 de Agosto de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 18:11

desenho_08_08_2015.png

(desenho de Francisco Luís Fontinha)

 

No teu corpo viverei…

Sentado numa esplanada,

Ouvindo os teus gritos

Cansados da sombra sem regresso,

Do teu corpo…

As lágrimas das montanhas apaixonadas,

Do amor,

O Sol,

Vestidos de negro,

Fugindo das madrugadas,

No teu corpo… desenho o cansaço das algemas imaginárias,

Embainhadas nos rochedos do medo,

 

Como amo o silêncio da noite

E as ruas assustadas,

 

Ouvido,

Ouvido os teus nostálgicos gemidos,

Entre gritos

E palavras famintas,

 

Não sei quem fui

Quando escrevias amo-te no muro da saudade,

Corria em direcção ao mar,

Inventava sorrisos nos vidros embaciados…

 

Ouvindo,

E gritando…

 

Os teus gemidos encarcerados nas algibeiras do sono,

 

Nunca fui amado…

 

Ouvindo,

E gritando…

 

Os Cacilheiros embriagados,

 

A solidão entre círculos de espuma

E gaivotas quadriculadas…

Hoje, sou um rio que não consegue encontrar o mar,

Um barco em lata calcinada,

 

Amo-te,

 

Sinto a alegria escondida dentro dos meus livros,

A saliva encardida dos abutres desnorteados,

A vida…

É uma fotografia acorrentada ao passado,

Como são todos os esqueletos abandonados,

Sentava-me à porta do engate,

Corria como um animal em Cio…

Do rio,

A tua esfarrapada desculpa…

OCUPADO,

Sem tempo,

… No teu corpo viverei…

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sábado, 8 de Agosto de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 02:05

07
Ago 15

desenho_07_08_2015_2.png

 (desenho de Francisco Luís Fontinha)

publicado por Francisco Luís Fontinha às 18:49

Sinto as garras dos teus ossos no pano encarnado da minha solidão,

Quero fugir do teu olhar,

Sem sorrir, nunca sorrir…

Partir,

Em direcção ao mar,

Descalço,

Bandido…

Anexo perdido sobre uma secretária de vidro,

Hoje,

Partir,

Sentir dentro de mim a alegria do luar,

Quero,

 

Sem sorrir…

Partir,

Fugir dos teus lábios,

 

Afogar-me nas tuas coxas rochosas,

 

Quero,

 

Sentir,

 

Partir…

 

Fugir…

 

E sinto,

E minto,

 

Às amoreiras em flor

E às pedras chorosas,

 

E sinto, meu amor,

Que a terra é uma lápide de lágrimas,

De dor,

E pedras preciosas encharcadas…

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sexta-feira, 7 de Agosto de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 17:43

desenho_07_08_2015.png

(desenho de Francisco Luís Fontinha)

 

Sinto-me um abutre sem dono

Margaridas, meu amor, margaridas no teu corpo,

Margaridas em sono,

Em flor,

Em dor,

Sinto-me um transeunte vestido de negro,

Confundindo-me com a noite,

Quando a noite era apenas um desenho incógnito,

 

Sou a luz da escuridão iluminada,

Margaridas, meu amor,

Margaridas na esplanada,

Margaridas sem nada…

 

Oiço a tua voz envergonhada,

Sinto o teu corpo recheado de amendoeiras,

Margaridas, meu amor,

Margaridas… margaridas entranhadas nas videiras,

 

Quando tínhamos as janelas encerradas,

Não existiam madrugadas,

Margaridas, meu amor, margaridas roubadas,

 

Margaridas em ti assassinadas.

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sexta-feira, 7 de Agosto de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 02:45

06
Ago 15

desenho_06_08_2015.png

(desenho de Francisco Luís Fontinha)

 

Sentíamos o vento saltitar na janela dos sonhos,

Havia em nós a clandestinidade de um amor proibido,

Sem sentido… como quase todos os amores,

Livros,

Líamos os textos que durante anos viveram encaixotados na ínfima sombra da madrugada,

Mas nada,

Nada tinha vida nesta cidade abandonada,

Desenhávamos beijos nos socalcos sorrisos da solidão,

Pegava na tua mão…

E sabia que uma gaivota

Brincava no teu cabelo,

Como brinca hoje no meu cabelo o silêncio envenenado pela paixão…

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quinta-feira, 6 de Agosto de 2015

 

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:14

05
Ago 15

Fernando_Fontinha_23_05_2015.jpg

Fernando Martins Fontinha

29-11-1938 / 29-07-2015

 

Em todas as guerras há sempre um vencedor e um vencido. Infelizmente perdemos a guerra e venceu a doença. Nem sempre é assim, e é com enorme felicidade quando temos conhecimento que alguém ganha esta guerra.

Tudo foi feito por parte do IPO-Porto e seus Profissionais, tal como da nossa parte, eu e a minha mãe.

Quando se fala tão mal do nosso SNS, apenas queria deixar algumas considerações; se o meu pai tivesse uma vida contributiva até aos 100 anos, provavelmente não pagaria um décimo do que esta Instituição gastou com ele (cirurgia, radioterapia, quimioterapia, tratamentos inovadores, PET´S vários…, etc.). Nunca nos disseram que não fazia isto ou aquilo porque era dispendioso.

Durante as sete semanas de Radioterapia ficou na Liga Portuguesa Contra o Cancro – Núcleo Regional do Norte sem qualquer custo para nós. Veio a falecer na Unidade de Cuidados Paliativos sita no edifício da Liga Portuguesa contra o Cancro.

Perdemos a guerra mas o nosso “General” tombou com toda a dignidade, nunca recusou nenhum tratamento, nunca nos falou que ia morrer… lutou até ao último segundo de vida.

 

Agradecemos:

 

IPO-Porto e todos os seus Profissionais. Foram fantásticos;

Liga Portuguesa contra o Cancro – Núcleo Regional do Norte e seus voluntários;

Unidade de Cuidados Paliativos do IPO-Porto e todos os seus Profissionais;

ECCI de Alijó;

Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Alijó (Direcção, Comando e Corpo Activo). Um grande obrigado por todo o apoio e amizade;

Aos nossos familiares e amigos;

 

Terminamos com a mensagem recebida de uma Profissional da Clinica da Pele, Tecidos Moles e Ossos, após o conhecimento do falecimento do nosso ente-querido:

 

“Sinto muito, mesmo muito Sr Francisco! O Sr Fontinha foi um guerreiro, um lutador, Grande Homem! O senhor foi um filho exemplar, sempre presente e a acompanha-lo e a sua mãe uma grande mulher, uma verdadeira companheira! Partilhamos a vossa dor... vocês são o exemplo do que uma família "a sério" deve ser, muitos parabéns por isso! Um grande beijinho de toda a equipa.”

 

Obrigado a todos

 

Arminda Fontinha

Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 18:11

desenho_05_08_2015.png

(desenho de Francisco Luís Fontinha)

 

Todas as coisas belas… morrem,

Morrem as palavras,

Os livros, as searas enganadas,

Morrem os cadáveres de lona,

As flores,

O amor,

E insónia,

Não tenho Pátria,

Dizem que nasci algures na sombra de uma palmeira,

Amo-te,

Quando as fores,

Morrem junto aos cadáveres de lona…

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quarta-feira, 5 de Agosto de 2015

 

publicado por Francisco Luís Fontinha às 17:47

03
Ago 15

desenho_04_08_2015.png

 (desenho de Francisco Luís Fontinha)

 

Sabia que a Primavera terminaria brevemente,

As flores em papel que brincavam nas tuas mãos,

Cessaram…

Recordo os teus beijos junto a dois carris invisíveis,

Sabíamos que tínhamos um Cacilheiro em cada braço,

O cheiro do teu corpo voando no olhar dos marinheiros sem Pátria,

É triste o amor, meu amor…

É triste a tristeza, meu amor,

Como são tristes todas as palavras embrulhadas na solidão,

Meu amor…

 

Desenhei o teu rosto infinitamente nas lágrimas da noite,

Olhava-te,

E sentia o odor do teu cabelo nas réstias sombras da tinta embriagada pelo luar,

Morre a tela onde poisava o teu corpo de seara embarcadiça,

 

O Oceano entre quatro paredes,

Uma porta com fotografia para o rochedo da insónia,

 

… Meu amor, o que é a insónia!

 

Sabia que todas as luzes do eléctrico fugiram para um qualquer bar de Alcântara,

Os barcos na minha algibeira,

O silêncio junto à casa de banho…

E sentia-me um pedaço de vidro combatendo a morte,

Sabes, meu amor,

Desenhei a tua voz no meu peito cravado de palavras,

Nunca mias vi o mar…

 

Meu amor,

 

O sexo enlatado nos melódicos sons do vizinho do quarto esquerdo,

Range a cama,

Sinto a minha voz escondida no espelho da minha amante,

E meu amor,

Nunca mais vi o mar…

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Terça-feira, 4 de Agosto de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:44

desenho_03_08_2015.png

 (desenho de Francisco Luís Fontinha / 03-08-2015)

 

Sinto o Tejo cravado no peito,

Acaricio os cigarros olhando a ponte,

Pego na tua mão,

Permaneço secreto como os barcos que brincam nos nossos lábios,

Desenho beijos na face oculta do teu olhar,

E vejo a alegria entranhada nos teus cabelos,

Sinto o Tejo cravado no peito,

A paixão esperando o regresso do vento,

As palavras deixaram de habitar as cartas envidraçadas,

Cerrei todos os livros,

E todas as madrugadas,

Hoje, és uma rua deserta,

 

Perdida na cidade…

Sem nome,

Sem nada…

Sofro,

Tenho no rosto as lágrimas argamassadas da fuga,

Quero fugir,

Sem rumo,

Procurando o Tejo cravado no peito,

 

Ou pegar na tua mão…

 

Sem jeito,

 

Sem Tejo cravado no coração.

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Segunda-feira, 3 de Agosto de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 00:05

Agosto 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO