Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

Dia mundial da poesia

Francisco Luís Fontinha 21 Mar 17

17362882_1710097872341005_3865831527745594647_n.jp

 

17308758_1710098099007649_8608048880842269746_n.jp

 

103 com vista para o mar

Francisco Luís Fontinha 21 Mar 17

No corredor aglomerados de aço

Cadáveres de barcos

Braços

Sombras de amor embalsamadas

Passeando na réstia manhã adormecida

Lá fora o mar entranhado nas ervas esquecidas pelo Criador

Chove

Há nas quatro paredes invisíveis

Gotículas de uma lágrima sem nome

Em direcção ao infinito

Os gemidos

A fome disfarçada de noite

Lá fora o mar

Pintado no térreo pavimento da dor

Não há palavras

Poemas

Textos

Nada

Nada

No corredor

Aglomerados

Aço

Enferrujado

Velho

Sem saber a que cidade pertence

A idade

A idade em corrida

Tropeça na Calçada

Dorme

Acorda

E finge…

Finge não ter medo da madrugada.

 

 

Francisco Luís Fontinha

Cidade em pó

Francisco Luís Fontinha 19 Mar 17

Imagino os teus olhos lacrimejantes nas paisagens do Congo,

Transportavas no corpo as serigrafias do sono…

Que apenas um rio te separava da inocência,

Tinhas na algibeira os cigarros e a fotografia da tua mãe…

Inventavas poemas com palavras esquecidas no capim,

Que o cacimbo apergaminhava na aventura da escuridão,

Lá longe ficava a barcaça imaginária de um dançarino obsoleto,

Sentavas-te nas montanhas da tristeza e rezavas,

Rezavas pela melancolia dos destinos transparentes do olhar de uma serpente,

E nunca percebeste que eu um dia eu te recordaria como um sonâmbulo obscuro,

Que transporta os alicerces de uma cidade em pó…

E em pó te transformaste.

 

 

Francisco Luís Fontinha

19/03/17

O beijo do silêncio madrugada

Francisco Luís Fontinha 18 Mar 17

Um beijo que o silêncio madrugada

Afaga na escuridão da ausência,

As silabas estonteantes do sono

Que adormecem nas velhas esplanadas junto aos rochedos,

Vive-se acreditando na miséria do sonho

Quando lá fora, uma árvore se despede da manhã,

Um beijo simples,

Simplificado livro na mão de uma criança,

Um beijo,

No desejo,

Sempre que a alvorada se aprisiona às metáforas da paixão,

Sinto,

Sinto este peso obscuro no meu coração,

Sinto o alimento supérfluo da memória

Quando as ardósias do amanhecer acordam junto ao rio…

E na fogueira,

Debaixo das mangueiras…

Os teus lábios me acorrentam ao cacimbo,

Sou um esqueleto tríptico,

Um ausente sem memória nas montanhas do adeus,

Um beijo que o silêncio madrugada

Afaga na escuridão da ausência,

A uniformidade das palavras

Que escrevo na tua boca,

Sempre que nasce o sol

Sempre que acordam as nuvens dos teus seios…

E um barco se afunda nas tuas coxas,

Oiço o mar,

Oiço os teus gemidos na noite de Lisboa…

Sem perceber que és construída em papel navegante…

Que embrulham os livros da aflição,

Um beijo, meu amor,

Um beijo em silêncio

Galgando os socalcos da insónia…

Vivo,

Vive-se…

Encostado a uma parede de vidro

Como leguminosas no prato do cárcere…

Alimento desperdiçado por mim.

Desamo.

Fujo.

Alcanço o inalcançado…

E morro.

 

 

Francisco Luís Fontinha

18/03/17

Pálpebras de xisto

Francisco Luís Fontinha 16 Mar 17

Saboreei a paixão convexa do desejo
Percorri os caminhos esconderijos do sofrimento
Como os livros que escrevi
E os que não quero escrever…
Saltei a ponte do esquecimento
Num voo frenético nunca antes alcançado
Em direcção ao mar
Em direcção ao abismo
Senti no corpo o peso do amanhecer
Senti nas mãos a enxada da vergonha
Descendo socalcos
Saltando montanhas desenhadas…
E as palavras
As palavras do sono inventando pálpebras de xisto
Como se inventam os rios
Quando cai a noite sobre a escuridão.


Francisco Luís Fontinha
16/03/17

Porta encerrada

Francisco Luís Fontinha 12 Mar 17

Há sempre uma porta encerrada

Nos fragosos lábios da madrugada

Uma canção desesperada

Ou um poema envenenado pela alvorada…

 

Sinto o peso do corpo nas lápides do xisto amanhecer

Que uma enxada revoltada consegue levantar

E nas palavras ficam o ser

O ser amaldiçoado do mar

E o amar?

Uma jangada que levita sobre as montanhas de brincar

E só uma criança sabe desenhar

Sobre a fina areia do sonho despertar

Depois o sono que aparece na janela do sofrimento

Como palmadinhas secretas de vento

Contra o meu olhar desonesto e profano

Há sempre uma porta encerrada

Ou um veneno…

Há sempre nos fragosos lábios de incenso

Uma porcelana palavra em lágrimas

Que morrem no livro sagrado

Amado

Desamado…

Alimento-me do teu sorriso leviano

Que numa qualquer página de jornal adormece

E esquece

O significado alterno do amor secreto…

O dia que não morre mais nas minhas mãos de silício

E do silêncio o suicídio anunciado

Uma faca apontada à minha sombra enfeitada de farrapos

Trapos

E velharias tantas… que esqueço o lençol do luar

Nas avenidas nuas desta cidade endiabrada.

 

 

Francisco Luís Fontinha

12/03/17

Sobre o autor

foto do autor

Feedback