Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

De tudo ou nada; estou farto.

Francisco Luís Fontinha 22 Abr 17

De tudo estou farto,

Às vezes, quando regressa timidamente o amanhecer, sinto as ruas sem saída desta cidade envenenada pelo tempo esquecido na minha mão,

Um livro desajeitado mergulha no olhar da tua presença, e ao longe, imagino as clareiras em construção que se afundam nos rochedos teus seios…

As noites são claras, as noites esperam-nos enquanto lá fora as gaivotas brincam nas tuas livres coxas,

De tudo estou farto,

Do deserto teu nome, do silêncio a tua amargura vestida de nada, e sei que nos trilhos da bênção existem sonolentas cabanas abandonadas,

Perdoa-me, e de tudo estou farto,

Às vezes, o nocturno vento inventando pálpebras de xisto, as janelas encaixadas no embriagado molusco da morte, de tudo estou farto…

Do corpo me afasto, do corpo me ausento saboreando a morte dos peixes sem nome, como se fossem caixotes de madeira com cabeças de ternura suspensas na cama da saudade,

De tudo estou farto, meu amor…

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 22 de Abril de 2017

Sobre o autor

foto do autor

Feedback