Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

Viver

Francisco Luís Fontinha 30 Jun 17

Que sobre o amor nada tenho a dizer,
Saboreio a vida com prazer,
Todos os dias ao acordar,
Danço, escrevo e consigo navegar
Nos teus braços de manteiga,
Aceito,
Amo,
Percorro caminhos obscuros da maternidade…
Tenho em mim a saudade,
Da verdade,
Da sabedoria de nada saber…
A não ser…
Que a morte existe,
Persiste…
Persiste em me atormentar,
Navego no teu colo nascer do sol,
Quando o tempo se esquece de mim,
Tenho o teu jardim,
Desenhado,
Desenhado num caderninho…
Num caderninho dentro de mim,
Que sobre o amor nada tenho a escrever,
A não ser,
Viver.


Francisco Luís Fontinha

A casa

Francisco Luís Fontinha 28 Jun 17

A casa desocupada e infestada de bichos marinhos,

Os ninhos do meu quintal estão recheados de pergaminhos,

Palavras soltas,

Palavras mortas,

Vivas palavras rompendo a madrugada,

Sem nada,

O infeliz meu corpo deitado na casa desocupada,

Escrevo no chão,

Minha mão estremece a cada sílaba adormecida,

Vomito poesia sobre a janela envidraçada,

E imagino a louca Calçada…

Ajuda, não ajuda,

O eléctrico dorme na minha cama esganiçada,

O comboio para Cais do Sodré engasga-se em Alcântara Mar,

E o sonâmbulo adormecido descarrilha ao passar pela minha sombra,

Uma tragédia, meu amor,

A casa,

Desocupada e infestada,

De livros,

Quadros,

Esqueletos…

E restos de ossos,

Poeira,

Alvorada fora até ao nascer do Sol,

Bebedeira, o esqueleto cambaleia…

Saltita,

E volta a adormecer no meu peito,

Nada me resta,

Nada tenho para te oferecer, meu amor,

A não ser, a não ser… algumas velhas flores,

Pedres,

Envelhecidas como nós.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 28 de Junho de 2017

Envenenadas pelo silêncio

Francisco Luís Fontinha 26 Jun 17

Percorro este caminho de pedras envenenadas,

Cada palavra escrita é um novo suicídio…

A aldeia de chocolate evapora-se ao pôr-do-sol,

O teu corpo permanece impávido com a minha presença,

Aventuro-me no teu cabelo…

Fresco ao nascer do sol,

Um livro poisa nos teus lábios recheados de poemas e beijos abstractos,

Sinto-o…, sinto-o quando acordo e apenas vejo a tua sombra

Na penumbra dos meus aposentos empoeirados,

Não me vês, não pertences aos esqueletos de prata

Que brincam na minha biblioteca,

E, no entanto, sei que existe em mim a tua pobre sombra,

Ao fundo do horizonte um rio que chora a tua partida,

Apenas cruzo os braços e deixo-te partir como uma gaivota sobrevoando o mar…

Deixo-te ir…

E canto uma canção para alegrar os arbustos em teu redor,

O Tejo é o Tejo…

A ponte que te iluminava nas noites inquietas,

Os cacilheiros apressados e tu indiferente aos seus anseios…

Não tenho pena nem sinto tristeza,

Já tive e vi muitos barcos…

Reais, de papel… e de esferovite,

Desenhei-te pela última vez de costas para a cidade,

Sentias-te cansada das minhas mãos…

E das minhas palavras,

Percorro este caminho…

De pedras…

Envenenadas pelo silêncio.

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 26 de Junho de 2017

A casa dos encantos

Francisco Luís Fontinha 25 Jun 17

Domingo, um abraço chuvoso,

O fogo absorve-te na imensidão do espaço,

Evapora-se nos teus cabelos frescos como a água da ribeira…

Domingo,

Um abraço na carcere do esquecimento,

A flauta suspensa nos teus lábios…

Enquanto em mim permanece acesa a musicalidade da saudade,

Tenho em mim os marinheiros esfomeados do sexo,

E das bebedeiras noites junto ao mar,

A inocência granítica do teu corpo voando na minha mão,

És uma estátua invisível como são invisíveis todas as estátuas,

Olhos cerrados,

Mãos maniatadas,

O uísque em pequenos tragos na melancolia do dia,

As palavras, Domingo, um abraço chuvoso,

A poesia incinerada na tua boca de papel…

Ardem as cidades do sono,

O fogo…

No teu corpo de vidro,

Os barcos amarrotados esperando seus passageiros clandestinos,

Um comandante embriagado…

Prisioneiro de um Domingo chuvoso,

Um abraço,

Até sempre…

No espelho convexo da tua nuvem favorita,

A poesia morre?

Domingo, um abraço, chuvoso,

E o fogo leva-te para as minhas cinzas misturadas na terra húmida…

E toda a sanzala é nossa…

A casa dos encantos.

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 25 de Junho de 2017

O grito

Francisco Luís Fontinha 24 Jun 17

Neste cansaço dia

Sinto o abraço da alegria,

Sou um homem desajeitado

E sem sono,

Sou uma pedra imperfeita,

Sou uma nuvem desfeita…

E este corpo ancorado,

E este corpo cruxificado ao teu olhar madrugada,

O feitiço de amar,

Na planície magoada

Pela bela trovoada…

Sou um homem desiludido com a cidade dos Deuses Tristes de Morrer…

Uma amêndoa apodrecida jaz sobre a minha mão de escrever,

Sempre me recordam as cinzas do teu silêncio amanhecer,

Neste cansaço dia

Sinto o abraço sem perceber o que sentia,

As albufeiras da solidão

Descem a montanha até ao meu coração,

Irritado,

Sou uma pedra de granito

E grito…

E sinto sem sentir…

A alegria de sorrir,

Na tristeza do grito.

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 24 de Junho de 2017

Nascer no tempo… no tempo de sofrer

Francisco Luís Fontinha 23 Jun 17

Não vou ter tempo para desenhar o tempo no silêncio da noite teu corpo,

Não vou ter tempo para semear nas tuas cochas o mais belo poema de amor…

Porque não sou poeta,

Porque não sou desenhador,

 

Não vou ter tempo para ver o nosso filho escrever no pavimento térreo do quintal,

Porque nem sequer temos um filho,

Porque nem sequer temos um quintal,

 

Não vou ter tempo para acariciar a chuva miudinha que se entranha no teu cabelo,

Não vou ter tempo para ir à lua e trazer-te um beijo…

Porque sendo astronauta não tenho esse desejo,

 

Não, não vou ter tempo!

 

Não vou ter tempo para te desejar,

Não vou ter tempo para no teu corpo brincar…

E juntos, sem tempo, olharmos o mar,

 

Não vou ter tempo para muito viver,

Já muito vi sem querer…

 

Não, não vou ter tempo!

 

Não vou ter tempo para escrever,

Tempo para amar,

Tempo para ver nascer…

Nascer no tempo… no tempo de sofrer.

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 23 de Junho de 2017

Cansaço

Francisco Luís Fontinha 22 Jun 17

Canso-me das tuas palavras, meu amor,

Canso-me do teu sorriso… quando sou alicerçado aos rochedos e na minha vida não existem sorrisos,

Canso-me do teu olhar, meu amor… quando regressa a noite e odeio um simples olhar,

Canso-me da riqueza e da beleza das coisas… mesmo as mais belas,

Canso-me da tua sombra quando o orvalho rompe pela manhã e nas tuas mãos trazes o lenço da saudade,

Canso-me de mim, meu amor,

Canso-me dos meus poemas, meu amor… quando os meus poemas são apenas palavras desconexas e perdidas no vento,

Canso-me do silêncio, meu amor… quando amo a trovoada e a chuva de Verão,

Canso-me dos rios e dos montes,

Canso-me do mar e da infância…

Canso-me tanto, meu amor…

Canso-me tanto, meu amor.

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 22 de Junho de 2017

Vou escrevendo

Francisco Luís Fontinha 20 Jun 17

Vou escrevendo antes que termine o dia,

E o meu corpo, se transforme em cinza luar,

Vou escrevendo sem alegria,

Porque regressando a noite escura,

Não tenho força para abraçar o mar…

Nem tempo para a ternura,

 

Sei que aos teus olhos sou um cadáver sem destino,

Um barco ancorado ao teu sorriso de prata,

Um pobre menino…

Vivendo num bairro de lata,

 

Vou escrevendo…

 

Vou escrevendo antes que termine o dia,

E o meu corpo, se transforme em cinza luar…

 

Vou vivendo o dia, antes que este termine e regresse o teu cabelo desajeitado,

Oiço no teu silêncio a viagem do mendigo…

Quando em tempos sentia

O peso esquecido

Da morte espada sentes de lutar,

 

Há-de crescer um dia,

Onde vou escrever as palavras dardos de sangue das tuas coxas de xisto prateado…

Sento-me na rua…

Sento-me, escrevendo o que a mão me deixar,

E alguém dizia,

Que a tua poesia

Livre e nua

Adormecia na minha solidão de amar…

 

Vou escrevendo, vagabundo da cidade perdida.

 

 

 

Francisco Luís fontinha

Alijó, 20 de Junho de 2017

Por uma vida melhor

Francisco Luís Fontinha 19 Jun 17

Por uma vida melhor,

Partir sem nada dizer,

Caminhar sobre a sombra do teu corpo,

Quando o mar se suicida contra os rochedos da inocência,

 

Por uma vida melhor,

Sentar-me junto ao rio,

Percorrer as ruas desertas de um livro…

De um livro acabado de morrer,

 

Por uma vida melhor!

 

Deixar-me desfalecer nas avenidas transparentes do infinito.

 

Por uma vida melhor…

 

Deixar de respirar,

Fugir para a montanha…

Ser pássaro sepultado na planície…

Por uma vida melhor,

 

Adormecer no teu colo.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 19 de Junho de 2017

A viagem

Francisco Luís Fontinha 18 Jun 17

Muita coisa me afasta da realidade,

O silêncio…

A saudade,

 

A tarde,

 

A nocturna viagem ao desconhecido…

O silêncio,

A saudade…

 

A tarde,

 

De um corpo esquecido.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 18 de Junho de 2017

Pág. 1/3

Sobre o autor

foto do autor

Feedback