Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

Eterno chão

Francisco Luís Fontinha 14 Mar 19

Tem uma caneta na mão,

Desenha na sombra da tarde o cansaço da solidão,

Como na despedida,

Ouvindo a canção…

Que o silêncio alimenta,

E tece,

Sobre o chão.

Hoje, não me apetece,

Escrever,

Comer,

Ler.

E senta,

E deita-se na cama sem colchão.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 14/03/2019

Sobre o autor

foto do autor

Feedback