Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

24
Set 11

Parvalhão mas eu amo-te muito,

 

Parvalhão, parvalhão, és um parvalhão, E que sou dizia-me ele quando nos sentávamo-nos à mesa do café, conversávamos sobre os altos e baixos da vida e que mais depressa se cai do que se sobe,

 

Parvalhão,

 

E concordo contigo porque a vida é como uma árvore, e que demora uma eternidade a fazer-se mulher, e vem um parvalhão de motosserra na mão e corta-a, e a mulher tomba sobre as nuvens do mar,

 

E vem o vento e tomba a árvore, e a mulher antes de cair que balança nas arcadas do abismo e os cabelos elevam-se, e escondem-se junto às amoreiras do quintal do tio Joaquim,

 

És tão parvo amor,

 

E que sou,

 

E que sobe, sobe, a manhã nos teus lábios de amêndoa e a tarde à porta de entrada dos teus seios para se deitar, a sesta mergulha nas asas de uma criança sonâmbula, e do cansaço das roseiras o vermelho dos teus olhos entalados no arco iris,

 

O pôr-do-sol acorda,

 

E que sou, sentávamo-nos à mesa do café, conversávamos sobre os altos e baixos da vida e que mais depressa se cai do que se sobe, descia as estrelas com a ajuda de uma faca e de um garfo, ambos mergulhados na saliva da loja de penhores, e as estrelas aos pouco poisadas no prato em fina porcelana virgem e importada de Sacavém, e que se cai tão depressa,

 

Parvalhão,

 

Porque as estrelas são assim mesmo, sobem e descem, e quando se escondem no ascensor que dá acesso ao paraíso nunca mais deus lhes põe a vista em cima, E que sou dizia-me ele, e as estrelas penduradas na cabeça do parvalhão, a cadeira pedia licença para se sentar, e da chávena e do pires e da colher e do açúcar e do café…, nada, apenas a despedida do mar quando ela cerrava os cortinados da noite, despia-se e mergulhava na água gélida até adormecer,

 

E vem um parvalhão de motosserra na mão e corta-a, e a mulher tomba nos finíssimos lençóis de seda, e a mulher tomba sobre as nuvens do mar, a luz extingue-se e deus aflito caminha no corredor do céu à procura das estrelas,

 

És tão parvo amor,

 

E que sou,

 

Sentado à mesa do café…

 

(texto de ficção)

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:18

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Setembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO