Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

03
Out 11

Baixo os braços e encosto-os às silabas solitárias,

As palavras deixaram de crescer em mim depois de a tempestade ter derrubado as árvores do meu quintal, do vento apenas sobejou os pequeníssimos fios de luz da tarde, e no teto do céu meia dúzia de estrelas esquizofrénicas brincavam com um triciclo de madeira,

Baixo os braços,

Desisto de olhar novamente o mar e sinto que não tenho coragem para lhe tocar, passa por mim um paquete enrolado nas ondas adormecidas e cerro as janelas do meu olhar, não barcos, nunca mais tocarei num barco, não gaivotas, nunca mais tocarei numa gaivota, não pôr-do-sol, nunca mais tocarei no pôr-do-sol,

Baixo os braços e escondo a cabeça debaixo do pavimento térreo da minha cama como a avestruz quando cansada quando triste quando desanimada,

- Quando só,

- Eu muito só,

Eu triste e desanimada,

E bato as asas em direção às nuvens onde me esperam, e sentado à direita dele, ela deitada sobre um feixe de mel e algodão doce, bato as asas em direção às nuvens onde me esperam e sobre a mesinha-de-cabeceira uma ardósia despida que mergulha na banheira,

- Acaricia-se no vapor da madrugada,

E as palavras em gemidos contra os azulejos pintados com sorrisos e beijos, flores, as flores que dormem no corredor do meu casebre,

Eu triste,

- Eu muito triste,

Eu tropeço nas flores e uma lágrima nas primeiras chuvas se abraça à terra ressequida,

Acaricia-se no vapor da madrugada, e a ardósia masturba-se com um pedacinho de giz, e de dentro da parede do quarto emerge um crucifixo embebido em vodka, e que saltita na Ajuda e rebola até ao rio,

Sinto frio e deixo de tocar em barcos, sinto frio de deixo de tocar no mar, sinto frio e deixo de tocar em gaivotas,

- Ela masturba-se,

A ardósia sorri na sombra do candeeiro a petróleo,

- Eu triste e desanimada deitada sobre a mesinha-de-cabeceira e espero e espero e espero pelo abraço do Carlos, e espero e espero e espero, e do meu púbis as ondas do mar e sinto um arrepio de luz, e a manhã começa aos poucos a erguer-se entre as sementes trazidas pelo vento,

As palavras deixaram de crescer em mim depois de a tempestade ter derrubado as árvores do meu quintal, baixo os braços e encosto-os às silabas solitárias, ela masturba-se na solidão da noite em soluços de suicídio, eu muito triste,

- Eu muito triste e desanimada,

As flores,

Das flores os pequeníssimos fios de luz da tarde e meia dúzia de estrelas esquizofrénicas, nas flores as palavras de suor que transpiram de uma finíssima folha de papel invisível,

E nos lábios de uma mulher invisível,

- Eu triste e desanimada,

As acácias despedem-se das silabas solitárias,

- Eu triste e desanimada, eu desanimada e muito triste,

Estar só dentro de uma caixa de sapatos,

E oiço os gemidos das palavras que acordam na garganta da ardósia,

E o Carlos não vem,

E morro dentro de ti como uma alga atirada contra as rochas da solidão,

- E o Carlos que não vem…

E espero e espero e espero,

E morro dentro de ti.

 

(texto de ficção)

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:43

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Outubro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO