Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

04
Out 11

Dormir no chão e sentir os teus braços poisados no meu peito, e pela janela finíssimos fios de luz mergulham no teu corpo, ausentas-te de mim e começas a voar,

As borboletas da noite que brincam nas flores de néon e sinto os teus braços a evaporarem-se do meu peito, o teu corpo eleva-se e as tuas asas mergulhadas no arco-íris soltam-se da sombra do candeeiro da sala (não sei se existe um candeeiro na tua sala mas quem ama os livros e a leitura precisa de um candeeiro), e as tuas asas mergulhadas no arco-íris soltam-se da sombra do crucifixo pendurado na parede (e talvez não um crucifixo na tua sala), e as tuas asas mergulhadas no arco-íris soltam-se da sombra dos meus braços, e finco os meus olhos no teto do céu,

As flores de néon mudam de cor, vermelho azul amarelo verde azul azul laranja e invisível,

- Cansadas e cansadas e cansadas nós as flores de néon,

Ausentas-te de mim e começas a voar sobre os edifícios encalhados no cais de embarque da cidade, centenas de sombras à espera de um ferro velho e os caixotes com o que sobejou (meia dúzia de nada) amontoam-se na esperança e o ferro velho olha-me,

- Olá miúdo,

E Cansadas e cansadas e cansadas nós as flores de néon, e os meus bracinhos prendem-se à cintura da minha mãe, ela chora e finge que sorri,

- Estás a chorar mãe? E que não diz-me ela A chorar eu? Foi um inseto que embateu no meu olho,

E percebi que chorava, e percebi que quando olhava para longe se despedia da infância e de vinte anos de cacimbo e de vinte anos de capim e de vinte anos de mar e de vinte anos de Mussulo,

E de vinte anos de nada,

- Olhas-me enquanto atravessas a janela,

Dormir no chão e sentir os teus braços poisados no meu peito, e de vinte anos de nada, e pela janela finíssimos fios de luz mergulham no teu corpo embebido nas gotinhas de suor da noite,

- Olá miúdo Oiço a voz do ferro velho e as lágrimas da minha mãe Estás a chorar mãe? E que não diz-me ela A chorar eu? Foi um inseto que embateu no meu olho,

Uma gaivota que poisa no guindaste enferrujado pelo silêncio das ruas despidas de gente e vestidas de dor e sofrimento e cansaços e desilusões,

- Vinte anos de nada,

Puxava de um cigarro e sentia os soluços do miúdos a tombarem sobre os caixotes de madeira adormecidos na despedida, e se despedia da infância e de vinte anos de cacimbo e de vinte anos de capim e de vinte anos de mar e de vinte anos de Mussulo,

- E de vinte anos de flores de néon,

Que mudavam de cor conforme a tosse da âncora do ferro velho, vermelho azul amarelo verde azul azul laranja e invisível,

Até que se confundiam com o mar,

Os caixotes balançavam na maré quando o ferro velho em pedacinhos começou a erguer-se e as ruínas da cidade a diminuírem, e desapareceram dos olhos do miúdo,

- Olá miúdo,

As ruinas da cidade que se misturam nos gritos do guindaste enquanto o ferro velho à boleia de um rebocador envelhecido nos lábios do mar e caminha e caminha e desaparece no cacimbo, e vinte anos de nada,

- Os meus calções enrolam-se nas tuas asas mergulhadas no arco-íris e soltam-se da sombra dos meus braços finíssimos fios de luz que abraçam o teu corpo, e finco os meus olhos no teto do céu,

Beijos grandes fofinhos a ver se ficas um doce de homem quando as borboletas brincam nas flores de néon,

Pego numa estrela e peço um desejo,

- Desejar-te eternamente,

Silabas da noite.

 

(texto de ficção)

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:20

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Outubro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO