Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

15
Nov 11

Cresci na proibição de prenunciar a palavra Mar, e antes de morrer a minha mãe chamou-me ao silêncio do leito e segredou-me,

- Meu filho Quero que me prometas uma coisa e eu sem saber do que se tratava prometi-lhe Sim mãe prometo,

E desde então deixei de prenunciar a palavra mar, e desde então cerrei completamente os olhos com um pedacinho de linho para resistir à tentação de dizer o que via, porque não vá o diabo tecê-las e eu dizer o que via e que eles não queriam que eu dissesse, e assim cresci, cresci fingindo que onde brincava o mar habitavam plátanos, e assim cresci, porque há cerca de vinte anos lhe prometi que nunca prenunciaria a palavra mar nem dizia aquilo que os meus olhos viam,

- Prometes? E eu antes de saber o quê Sim mãe prometo,

Sentia-lhe a mão na minha mão e percebia-lhe o cansaço do coração, fraco, muito fraco, e eu prometi que nunca mais prenunciava a palavra mar nem dizia o que os meus olhos viam, e cresci, e cresci acreditando que onde brincava o mar habitavam plátanos,

Sentia-lhe a mão na minha mão e percebi-lhe um pequenos murmúrio que aos poucos despregava-se-lhe dos lábios e alicerçava-se no silêncio do leito,

- Porque eles não querem que prenuncies a palavra mar nem digas aquilo que os teus olhos veem,

E eu prometi-lhe,

- Sim mãe Prometo,

E vinte anos depois e que eles estão a padecer e a enfraquecer e a morrer, e hoje, hoje abri a janela e consegui ver o mar, porque ver é uma coisa e imaginar é outra, e eu cresci na proibição de prenunciar a palavra mar,

 E é tão lindo Mãe…

 

(texto de ficção)

publicado por Francisco Luís Fontinha às 18:05

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Novembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO