Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

13
Jan 12

 

59,4 x 84,1 – Francisco Luís Fontinha

 

Se estou deitado e nunca mais me levantarei desta caixa de madeira pergunto-me Fato e gravata e sapato pontiagudo e barba desfeita para Quê,

- Possivelmente vou a alguma entrevista de emprego ou pior Ser submetido aos olhos de deus quando chegar à presença dele e se algum dia lá chegar ele vai olhar-me e sussurrar-me Que lindo,

Nem na morte sou feliz Foram as últimas palavras que lhe ouvi antes de cerrar os olhos numa tarde em Luanda quando os machimbombos engasgados junto à Maria da Fonte o avô domingos descruzava os braços e fazia-se ao caminho e desfeito em silêncios e nuvens de algodão começava a cair-lhe a noite sobre os ombros largos devido aos rolos de pinheiro que carregou durante anos e anos e anos E para quê,

- Que lindo

E ao chegar ao portão de entrada o neto em abraços Que lindo,

- E para quê se nunca mais me levantarei desta maldita caixa de madeira e eu que sempre disse que não queria fato nem gravata nem sapatos porque me aleijam e porque nunca gostei de estrear calçado nem calças Sou alérgico sabe, e estes gajos contra a minha vontade Nem na morte sou feliz,

Em abraços Que lindo e poisava no bairro uma finíssima pelicula de malmequeres e beijos e ais e

- Que lindo,

E porque só desfaço a barba um vez por semana Era preciso desfazerem-me a barba e vestirem-me um fato e a gravata Horrível branca com bolinhas encarnadas que olhando-me ao espelho pareço o chulo da esquina junto ao rio com um caderninho na mão a apontar as horas das cabras saltitantes que pastam nos lençóis inseminados com sémen Chinês porque sempre é mais barato nas pensões decrépitas da cidade agoniada pelo fumo dos cigarros e lágrimas de crocodilo,

- E pergunto-me porquê Que lindo eu aos olhos dele E nem sei se o deva tratar por senhor ou majestade Não sei,

Ai menina Gosto de si E perguntava-lhe em voz de defunto se queria casar com ele Nem morta Era o que me faltava Casar-me com este nojento guardião de crocodilos em pau-preto e conchas compradas em São Tomé e Príncipe,

- Possivelmente vou a alguma entrevista de emprego,

E não casei com ele,

- Só pode ser uma entrevista de emprego porque caso contrário não me enfeitavam desta forma esquisita e que sempre detestei e Horrível branca com bolinhas encarnadas,

Descruzava os braços e fazia-se ao caminho e desfeito em silêncios e nuvens de algodão começava a cair-lhe a noite sobre os ombros largos devido aos rolos de pinheiro que carregou durante anos e anos e anos até que decidiu rumar a Luanda e durante anos e anos e anos a passear machimbombos pelas ruas,

- E não casei com ele e hoje arrependo-me Horrível branca com bolinhas encarnadas E hoje arrependo-me e hoje poisa sobre mim a solidão e as noites de inferno que entram pela janela e se deitam no meu colo e eu e eu afogo-lhe os cabelos e penso nele deitado numa caixa de madeira com a barba desfeita e um fato e uma gravata e sapatos pontiagudos,

Horrível branca com bolinhas encarnadas.

 

(texto de ficção)

publicado por Francisco Luís Fontinha às 20:44

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Janeiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO