Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

01
Abr 11

Tenho três cabeças, quatro pernas e cinco braços, vivo dentro de uma rosa e às vezes pintam-me de encarnado, tenho a madrugada dentro de mim, e sou o dono legítimo das nuvens, legado em testamento pelo sol; sou muito rico. E sou o proprietário do luar.

Vivo em jardins emprestados, e sou alimentado pelo olhar dos apaixonados, tenho três cabeças, quatro pernas e cinco braços, oiço música clássica e às vezes alicerço-me nos lábios de uma gaivota, ela sem asas, não voa, nunca voou, ela não três cabeças, ela não quatro pernas, ela não cinco braços, ela, ela apenas possui olhos de mar e deita-se no pôr-do-sol.

Eu cinco braços e nunca voei, e ele pergunta-se, e eu pergunto-me,

- como será voar!

E ele pergunta-se como será voar, ser o dono da manhã quando a tarde começa a acordar, e das três cabeças às vezes pintadas de encarnado apenas dois olhos, um par de lábios e quatro narizes, e eu pergunto-me, e ele pergunta-se,

- porquê?

E eu pergunto-me,

- porquê a ela?

Vivo dentro de uma rosa e às vezes pintam-me de encarnado, tenho a madrugada dentro de mim, e sou o dono legítimo das nuvens, sou o menino dos sonhos que perdeu-se junto à praia, e a praia ficou lá, a areia finíssima ficou lá, o esqueleto veio, eu fiquei lá, ele ficou lá, e pergunto-me, ele pergunta-se,

- porquê? Porquê a ela?

Ninguém. E ninguém. Ninguém me responde porquê, e se ao menos o silêncio me explicasse porquê, se ao menos o silêncio lhe explicasse porquê ela, mas ninguém, e ninguém junto às árvores, e as árvores com os pezinhos enterrados na areia, muitos braços, mas como eu, mas como ele, não sabem voar, e alguém pergunta,

- porquê?

Se ao menos o meu corpo de tungsténio… e o meu corpo não tungsténio, o meu corpo frágil que vive dentro de uma rosa, tenho três cabeças, quatro pernas e cinco braços, e pergunto-me, e ele pergunta-se,

- porquê ela?

 

 

 

(texto de ficção)

FLRF

1 de Abril de 2011

Alijó

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:33

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Abril 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO