Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

02
Abr 11

Hoje não escrevi nada de jeito. Nada que possa prestar, e não preocupado, tudo o que escrevo não presta mas é a única forma de me manter vivo. Hoje abri a janela que tenho na minha cabeça, e lá fora, no quintal da minha solidão, uma menina sentada num baloiço empurrada pelo vento, e hoje, hoje não escrevi nada de jeito.

E hoje dou-me conta que não tenho jeito para nada, nem para fazer sombra quando emerge a noite no néon da rua, e hoje nada, nada de jeito saiu de mim, e a menina parece um pêndulo a descrever trajectórias nos sorrisos, e o baloiço engasgado no fim de tarde, e a tarde aos soluços depois do lanche, pão com manteiga e leite, e a tarde perdida nas margens das minhas mãos, e eu hoje não escrevi nada, e hoje eu à procura do sol, e hoje não sol, nem tão pouco escrevi… hoje nada de jeito. Eu sem jeito…

Hoje não escrevi nada de jeito. Nada que possa prestar, e não preocupado, tudo o que escrevo não presta mas é a única forma de me manter vivo. Hoje abri a janela que tenho na minha cabeça, e da minha cabeça hoje não saiu nada, debruço-me no peitoril, aponto os faróis do meu olhar para o oceano, elevo a voz na maré, pego numa das mãos, e a tarde perdida nas margens das minhas mãos, elevo em mim o silêncio, alguém me acena do outro lado do mar, quando os meus faróis começam a deslumbrar a curva da terra, e hoje não escrevi nada de jeito, pudera…, nunca escrevi nada de jeito; e às vezes questiono-me, ele questiona-se,

- tenho jeito para quê?

Tenho jeito para quê, perguntam vocês?

- e tu tens jeito para quê?

Jeito para nada dizem eles. E hoje não escrevi nada, e hoje talvez a única coisa válida que fiz…

- diz… diz lá…

Hoje talvez a única coisa válida que fiz fosse sentar-me na sanita, ouvir the Doors e fumar três cigarros seguidos,

- isso tudo?

Eles acham pouco…

Eu, eu resumo o meu dia a um simples cagalhão a boiar na sanita lá de casa…

- uma menina sentada num baloiço empurrada pelo vento, e o vento a enrolar-se nas suas pernas como se ela fosse uma simples roseira que brinca junto à praia, e na praia, na praia ele encostado ao rodapé da sala de estar, um livro na mão, e na cabeça uma janela aberta para o sol…

 

 

 

(texto de ficção)

FLRF

2 de Abril de 2011

Alijó

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:35

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Abril 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO