Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

07
Out 12

Às pálpebras azuis do sorriso

desce a noite embriagada

dorme docemente o livro apaixonado

nas palavras desejadas

ao mar tristemente embaladas

às pálpebras inventadas

trazes nos lábios uma flor

em sofrimento

 

os beijos

às pétalas poesia na infinita noite

em beijos

à boca

os fios de dor

inalados pelos teus cabelos dissolvidos no vento

desenhas a manhã na montra de um café

os beijos

 

às pálpebras azuis do sorriso

quando os cigarros vêm até ao cais das sílabas mortas

sonhas

inventas a manhã

de um café

a esplanada de vento

voa sobre as árvores doentes com lágrimas de mel

em sofrimento

 

e percebo que semeias os beijos

nas minhas mãos longínquas tracejadas da solidão

e percebo

que as pálpebras azuis do sorriso

sorriem como as algas encantadas

pela música de uma flauta embrulhada nas tuas manhãs inventadas

em beijos

à boca .

 

(poema não revisto)

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:16

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Outubro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO