Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

13
Out 12

As manhãs eram de líquido cambaleando dentro da noite

no vidro do cansaço

o dardo das tuas palavras contra o meu peito

a singela e triste árvore dos sonhos

na proa de um paquete sujo e nu

obeso como as rochas aprisionadas no tecto das coxas tuas lua de cor,

 

amanhã vou sentar-me sobre as sombras húmidas que os ponteiros do relógio

constroem nas asas de um moinho de vento,

 

cai a chuva imaginada pela boca

a tua boca em gritos herméticos

a tua boca nas carícias dos lábios perpendiculares ao beijo

da aranha de vinte e cinco patas,

 

(amanhã vou sentar-me sobre as sombras húmidas que os ponteiros do relógio

constroem nas asas de um moinho de vento),

 

e o círculo do desejo

em movimento circular e uniforme...

em abraços

de aço

os barcos e os paquetes

quando o púbis das sílabas

dorme sobre o mar

e as manhãs solidificam.

 

(poema não revisto)

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:30

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Outubro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO