Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

16
Out 12

Mergulho nos cansaços das pedras doridas

com o coração prisioneiro num cubo de aço

quando o sorriso da revolta

dos pássaros

as flores que a noite come em pedacinhos de nada

a madrugada

a nossa misera madrugada dos relógios infinitos

o tempo escoa-se nas escarpas visíveis das rochas amargas

a boca

sem o beijo indesejável da aranha

abelhas

nas colmeias da insónia,

 

gostava de preencher os espaços vazios do medo

com os barcos envelhecidos

que o rio engole

com a língua do mar,

 

as abelhas nas colmeias da insónia

quando a madrugada

quarta-feira em desalinho,

 

ontem eu percebia que as árvores dançavam sobre as mesas de mármore

que no cemitério das ervas daninhas

as agulhas das tardes de Outubro

brincam com os comboios de papelão...

 

(as abelhas nas colmeias da insónia

quando a madrugada

quarta-feira em desalinho),

 

e descem sobre mim as lágrimas das nuvens incolores

nas persianas que o sol tece

e a tua mão semeia na terra vendada das palavras.

 

(poema não revisto)

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:16

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Outubro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO