Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

29
Out 12

Escrevia sonhos nas mandíbulas insaciáveis das palavras de prazer

ao húmus transversal que alimenta o coração esmigalhado

a estrada esconde-se na montanha do medo

e há árvores em fila de espera para comerem a refeição mínima do dia invernal,

 

Saio de casa e as sombras de tristeza

agarram-se-me aos dedos de cristal que as minhas mãos de feldspato

transportam quando acorda a manhã cansada de poesia

e papagaios de papel encarnado,

 

Escrevo-te sabendo que a tua boca

vive numa nuvem de algodão construída pelas infinitas gaivotas do Tejo

quando barcos em solidão

dormem sossegadamente no travesseiro da paixão,

 

Escrevia os sonhos

em insaciáveis mandíbulas que o coração de vidro

às palavras

tristemente adormecidas.

 

(poema não revisto)

 

publicado por Francisco Luís Fontinha às 11:36

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Outubro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO