Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

31
Out 12

Às areias clandestinas da tua cama

os braços de silêncio

nas doces rosas que transpiram tua dor

os cansaços diversos

amargos

doidos quando os sentidos fictícios correm nas esplanadas da fome

cansaços teus lábios ou desejo

dos gemidos tua boca,

 

Às areias clandestinas

onde dormem os beijos abraços

da tua cama amargos traços

que o tempo inventa em loiras meninas,

 

Às areias clandestinas da tua cama

o submerso pedaço de xisto enferrujado nas oliveiras apaixonadas

os barcos os barcos em sítios proibidos pelas palavras cansadas

do prazer corpo teu delírio em chama,

 

Ardente

a tua singela cama

à areia clandestina que sente

os verdes olhos do mar que ama,

 

Às areias clandestinas da tua cama

os versos meus apenas com carícias na tela teu corpo de chocolate

as coisas belas

as rosas amarelas

que do jardim do amor crescem como palavras na boca minha gente

tão feliz eu contente

com o significado inexplicável do prazer de quem não sente

o prazer de sentir as coisas belas da minha amante.

 

(poema não revisto)

publicado por Francisco Luís Fontinha às 00:00
tags: , ,

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Outubro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO