Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

17
Dez 12

O quarto de mármore fugitivo que a noite deixa cair

sobre o lençol de linho

os sonhos

entre ossos de pedacinhos de ninho

que o coitadinho

passarinho

aliviou quando acordou a madrugada

e desceu sobre ela a morte,

 

a sala sem lareira

na fúria agonizante que as luzes de néon

desenham nas entranhas paredes da película fina tua pele

e não sei

e não sei se as minhas palavras amargas

são

então hoje dormiste sobre a geada fina da montanha

são as cansadas mágoas sofridas pelas húmidas tuas mãos de tecido,

 

tu

tu desesperadamente

com o medo da escuridão que os olhos me obrigam a caminhar

sobre ti

a areia amarela da calçada

à janela

tu desesperada mente a paixão Clementina

ciumenta os alicerces do clitóris poemas inventados,

 

nos poemas murmurados

que ao púbis paixão em versos clandestinos

tu

escreves-me quarta-feira

e a sorte desespera-se em mim

assim

o jardim inválido quando as asas poeirentas das abelhas

na rede cintilante dos pequenos orgasmos das flores em flor,

 

tudo no chão

o soalho

às cadeiras suspensas nas estantes da cave tua boca

as palavras

há palavras na garganta do pavimento térreo

livros alguns poucos poucas nenhumas em sílabas teus seios de marfim

tudo no chão

as palavras em trinta e um de Dezembro.

 

(poema não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

Alijó

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:11

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO