Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

08
Fev 13

Desejava morangos, ofereceste-me pêssegos com sabor a ácido acetilsalícilico, hesitei, depois deste-me um pau de carvão para escrever o meu nome na parede do sono, tentei, sabes que sim, mas foi tão difícil, e não consegui, desisti, e mergulhei

Na triste insónia da dor que as madrugadas deixam ficar sobre os corpos húmidos dos amantes antes de partirem, e trazem depois o dia, tristes às vezes, límpidos, suados, molhados como as folhas das árvores depois da miudinha chuva de fim de tarde, nas Primaveras cansadas, entre pedras de paixões proibidas e os vidros fumados dos pulmões doentes do velho de mãos encardidas pelo tempo dos sonhos, ouvia-te mergulhar nas lágrimas dos poemas de amor que a tua mãe tinha semeado, antes de partir para o eterno descanso, e assim nasceu o primeiro beijo, construído com hélices de tungsténio e as turbinas que os púbis desprotegidos das montanhas deixam ficar junto à ribeira das águas onde brincavam as palmeiras do largo com pavimento em paralelepípedo,

Ontem havia cenouras ao jantar, cansavam-me os pêssegos com sabor a ácido acetilsalícilico, e confesso, a ti, só a ti, o que eu desejava mesmo eram morangos com pétalas azuis e olhos esverdeados, como as nocturnas miúdas que esperam pelo amor junto aos candeeiros a petróleo, sílabas, palavras cada uma a cinco cêntimos

Vai uma voltinha, meu querido poeta?

Inseria a moeda na ranhura, fincava os dentes como se tivesse na minha boca um aloquete made in China, e eu sentia o perfume das flores mortas dentro dos lençóis de carqueja que até chegar ao cimo da montanha desgovernada, eu, o desgraçadinho homem das sete palavras e meia, ia deixando aqui e ali, e hoje, hoje a montanha parece um ninho de morcegos, quartos duplos com casa de banho privativa, pequeno-almoço incluído, por uma módica quantia de vinte e cinco euros, a pensão envelhecia, do proibido amor, que

Vai uma voltinha, meu querido poeta?

O poeta desgraçadinho, aquele que desejava morangos em vez de pêssegos com sabor a ácido acetilsalícilico

Desculpa, não percebi,

E as portadas da noite desciam até encobrirem todas as árvores da cidade que um coração de xisto alimentava, acariciava, que todos os homens fingiam não existir, que todas as mulheres diziam ser um embuste, falso, maligno, o coração de pedra, e no entanto, eu

Desculpa?

Eu prefiro os corações de pedra aos fingidos torrões de açúcar.

 

(texto de ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:31

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Fevereiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO